Óleo essencial de pinho para aliviar os resfriados

14 Janeiro, 2020
O óleo essencial de pinho tem propriedades antivirais e anti-inflamatórias. Por isso, seu uso na aromaterapia ou tratamentos tópicos pode ajudar a paliar os sintomas dos resfriados.

A maior parte dos casos de resfriado comum podem ser combatidos em casa com alguns cuidados básicos e repouso. No entanto, para acelerar o alívio de seus sintomas, é possível testar algumas alternativas de origem natural como o óleo essencial de pinho.

As propriedades deste ingrediente são aproveitadas por meio do atrito tópico ou pela aromaterapia. Além disso, devido ao seu conteúdo de compostos voláteis, facilita o descongestionamento das vias respiratórias, bem como promove o alívio da dor de cabeça.

De fato, são atribuídas propriedades antivirais que podem contribuir de forma mais direta no tratamento da infecção. Contudo, ainda são requeridas mais evidências para corroborar tais efeitos. Ainda assim, a seguir repassaremos sua forma de uso. Tome nota!

Como o óleo essencial de pinho ajuda a aliviar os sintomas do resfriado

Óleos essenciais para a congestão

O óleo essencial de pinho, da mesma forma que seus análogos como o eucalipto, é um potente descongestionante e expectorante para resfriados.

O óleo essencial de pinho é um produto obtido dos espinhos da Pinus sylvestris. Suas aplicações na medicina natural não são novidade e, de fato, são aproveitadas pela indústria farmacêutica. Sua composição tem algumas semelhanças com o óleo de árvore do chá, bem como com o óleo de eucalipto.

Pelo dito anteriormente, não é nada estranho que concentre princípios ativos de ação antisséptica, antibacteriana e analgésica. De fato, graças aos seus teores de fenóis, é uma excelente opção para combater alguns microrganismos que causam os resfriados.

Sua inalação e uso tópico reduzem a congestão nasal e de peito. Ademais, deixa o muco mais líquido e estimula a saída dos agentes patogênicos. Ainda que não haja de forma milagrosa contra os problemas respiratórios, pode sim ser um aliado para paliar os sintomas.

Descubra: Gripe ou resfriado? Principais diferenças

Como utilizar o óleo essencial de pinho nos resfriados?

Existem vários métodos para aproveitar as propriedades deste óleo essencial no tratamento dos resfriados. No entanto, uma das formas mais efetivas e simples é mediante sua inalação. Esta pode ser feita colocando algumas gotas em um pedaço de algodão ou pano, preferivelmente diluídas em um pouco de água.

Este tratamento contribui para a limpeza das fossas nasais, especialmente ante um excesso de produção de muco. Ademais, pode ajudar a reduzir o estresse e favorecer um descanso reparador. Outras formas de usar este ingrediente incluem:

  • Em um difusor, para purificar o ar.
  • Diluído em um óleo carreador, como o de coco ou oliva, para esfregar na forma de massagens.
  • Misturado com um óleo carreador a fim de adicionar na água de banho.
  • Adicionado em pequenas quantidades em uma tigela de água quente para a inalação de vapores.
  • Aplicado mediante compressas mornas ou quentes.

Remédio natural com óleo de pinho

Creme de pinho

Além de considerar os remédios mencionados anteriormente, também pode preparar um unguento caseiro com óleo de pinho. Esta preparação pode ser aplicada no peito, pescoço e pés, especialmente antes de ir dormir.

Ingredientes

  • 3 colheres de azeite de oliva (45 ml)
  • 1/2 copo de óleo de coco (100 ml)
  • 3 colheres de cera de abelhas ralada (60 g)
  • 10 gotas de óleo essencial de pinho
  • 10 gotas de óleo essencial de menta (opcional)

Leia também: Remédios caseiros para fortalecer os pulmões e respirar melhor

Modo de preparo

  • Primeiramente, verta o azeite de oliva e o óleo de coco em um recipiente resistente ao calor.
  • Em seguida, coloque-os para esquentar em banho maria ou no forno micro-ondas.
  • Quando se misturarem bem, adicione a cera de abelhas e os óleos essenciais.
  • Espere alguns minutos, até que os ingredientes se incorporem completamente.
  • Assim que obter uma mistura homogênea, retire do fogo.
  • Verta a preparação em um frasco de cristal e deixe solidificar.
  • Por fim, tampe e armazene em um local fresco e escuro.

Modo de aplicação

  • Pegue o unguento com a ponta dos dedos e esfregue-o nas áreas indicadas.
  • Em seguida, massageie por alguns minutos, até que seja absorvido por completo.
  • Se possível, cubra de imediato usando mantas e meias.
  • Repita seu uso por 3 dias seguidos ou até se sentir melhor.

Advertências sobre o uso do óleo de pinho

O óleo de pinho, assim como outros óleos essenciais, é extremamente potente. Por isso, deve-se evitar por completo seu uso via oral. Tampouco se deve usar uma quantidade concentrada ou sem diluir. Em seu estado puro pode irritar a pele, os olhos e vias respiratórias.

Os óleos carreadores (coco, abacate, oliva, amêndoas, entre outros) são o melhor complemento para diluir este tipo de óleos. Dado que pode causar reações alérgicas, é importante fazer um teste de sensibilidade na pele antes de usá-lo de forma tópica.

O exame consiste em esfregar uma pequena quantidade do tratamento no antebraço ou alguma área da pele. Se não há reações desfavoráveis logo após algumas horas do uso, é seguro usá-lo. Por fim, é necessário certificar a qualidade do óleo, não deve ser confundido com essências.

  • Zeng, W. C., Zhang, Z., Gao, H., Jia, L. R., & He, Q. (2012). Chemical Composition, Antioxidant, and Antimicrobial Activities of Essential Oil from Pine Needle (Cedrus deodara). Journal of Food Science. https://doi.org/10.1111/j.1750-3841.2012.02767.x
  • Satyal, P., Paudel, P., Raut, J., Deo, A., Dosoky, N. S., & Setzer, W. N. (2013). Volatile constituents of Pinus roxburghii from Nepal. Pharmacognosy Research. https://doi.org/10.4103/0974-8490.105650
  • Koukos, P. K., Papadopoulou, K. I., Patiaka, D. T., & Papagiannopoulos, A. D. (2000). Chemical composition of essential oils from needles and twigs of Balkan pine (Pinus peuce Grisebach) grown in Northern Greece. Journal of Agricultural and Food Chemistry. https://doi.org/10.1021/jf991012a
  • Raut, J. S., & Karuppayil, S. M. (2014). A status review on the medicinal properties of essential oils. Industrial Crops and Products. https://doi.org/10.1016/j.indcrop.2014.05.055
  • Bakkali, F., Averbeck, S., Averbeck, D., & Idaomar, M. (2008). Biological effects of essential oils – A review. Food and Chemical Toxicology. https://doi.org/10.1016/j.fct.2007.09.106
  • Shaaban, H. A. E., El-Ghorab, A. H., & Shibamoto, T. (2012). Bioactivity of essential oils and their volatile aroma components: Review. Journal of Essential Oil Research. https://doi.org/10.1080/10412905.2012.659528