Diferenças entre odinofagia e disfagia

13 Março, 2020
Embora odinofagia e disfagia sejam dois termos que podem ser confundidos, cada um deles se refere a um problema específico diferente.

Odinofagia e disfagia fazem referência a uma série de problemas relacionados à ingestão de alimentos. No entanto, esses dois conceitos têm algumas diferenças entre si, sobre as quais falaremos a seguir.

Ainda que muitas pessoas confundam os dois termos, a verdade é que, uma vez que vejamos o que um ou outro implica, perceberemos quão diferentes são a odinofagia e a disfagia, embora também tenham uma certa relação.

Entendendo a odinofagia e a disfagia

O que é a odinofagia?

Há uma relação entre a odinofagia e a disfagia

Primeiramente, trataremos o conceito de odinofagia. Ele faz referência, como indica o estudo Enfermedad por reflujo gastroesofágico, à dor que se manifesta ao engolir (alimentos sólidos, líquidos ou saliva). Algumas das suas características são:

  • Dor de intensidade leve: embora em algumas circunstâncias ela possa aumentar, geralmente é bastante leve.
  • Cronicidade: em alguns casos, a dor durante a deglutição se torna crônica, o que pode indicar a presença de uma doença grave que deve ser tratada.
  • Contrações síncronas: os músculos da área se contraem causando dor.

Causas

A odinofagia geralmente ocorre como consequência de doenças como faringite, amigdalite ou outra série de infecções que podem afetar a região da garganta. No entanto, uma vez que a causa da odinofagia é resolvida, ela desaparece.

Isso não ocorre em outras situações em que essa dor ao engolir se torna crônica e, portanto, pode estar alertando para a presença de um grande problema. Pode ser o caso de alguma úlcera, por exemplo.

No entanto, antes de se afligir e se preocupar em vão, se você tiver algum dos sintomas mencionados, o melhor a fazer é consultar um médico. Ele poderá prescrever o tratamento adequado para resolver o problema.

Leia também: 7 hábitos que causam refluxo gastroesofágico

O que é a disfagia?

Disfagia

Agora que sabemos um pouco mais sobre a odinofagia, falaremos sobre a disfagia. Nesse caso, não há referência à dor que ocorre durante a deglutição, mas à dificuldade de engolir alimentos sólidos e líquidos.

De fato, os alimentos interrompem seu processo normal de deglutição antes mesmo de passar pela garganta.

Às vezes, a pessoa com disfagia pode inclusive ter problemas para mastigar os alimentos, formando o que é comumente conhecido como “bolo alimentar”.

Alguns dos sintomas da disfagia coincidem com os da odinofagia:

  • Dor ao engolir (odinofagia): esta é a razão pela qual alimentos ou líquidos não conseguem seguir seu percurso normal.
  • Sensação de “bolo histérico”: este é um sintoma de ansiedade caracterizado pela sensação de ter músculos rígidos e endurecidos da garganta fazendo com que esta pareça mais estreita.
  • Voz rouca: ocorre devido à contração dos músculos na área.
  • Regurgitação: a incapacidade de engolir faz com que os alimentos retornem à boca e deixem de passar pela garganta.
  • Náuseas: surgem da dificuldade de deglutição e da regurgitação causada pela disfagia.

Causas

Entre as causas da disfagia estão, principalmente, a acalasia (uma doença rara que afeta o esôfago) e a esofagite, que pode estar relacionada a uma alergia alimentar ou à presença de tumores na área.

Se você for ao médico com esses sintomas, a primeira coisa que ele vai fazer é verificar se não há corpos estranhos que estão causando a disfagia. Em algumas situações, algum pedaço de comida pode estar provocando esse problema desagradável.

Descubra: O que acontece quando a saliva é espessa?

Prevenção da odinofagia e da disfagia

Agora que vimos as diferenças entre odinofagia e disfagia, embora uma possa ser um sintoma da outra, é importante saber como podemos evitá-las.

Para isso, é recomendável mastigar bem os alimentos e não ingerir pedaços muito grandes que dificultem a deglutição. Além disso, é necessário adquirir bons hábitos para se manter o mais saudável ​​possível e evitar que a faringite ou outras infecções causem essa condição.

Finalmente, não podemos esquecer a importância de ir ao médico regularmente para verificar se está tudo bem. A detecção precoce de uma úlcera, refluxo gastroesofágico ou câncer pode nos ajudar a evitar a odinofagia e a disfagia.

  • Camarero González, E. (2009). Consecuencias y tratamiento de la disfagia. Nutrición Hospitalaria2(2).
  • Cedrón Cheng, Hugo, Tagle Arróspide, Martín, & Scavino Levy, Yolanda. (2008). Odinofagia como presentación inicial de esofagitis eosinofílica. Revista de Gastroenterología del Perú28(3), 270-273. Recuperado en 31 de enero de 2019, de http://www.scielo.org.pe/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1022-51292008000300010&lng=es&tlng=es.
  • FICA C., ALBERTO. (2003). Síndrome de mononucleosis infecciosa en pacientes adolescentes y adultos. Revista chilena de infectología20(4), 235-242. https://dx.doi.org/10.4067/S0716-10182003000400003
  • Suárez-Escudero, J. C., Rueda Vallejo, Z. V., & Orozco, A. F. (2018). Disfagia y neurología:¿ una unión indefectible?. Acta Neurológica Colombiana34(1), 92-100.
  • Anales Sis San Navarra vol.26 no.2 Pamplona may./ago. 2003. Enfermedad por reflujo gastroesofágico. http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1137-66272003000300008
  • Rev. amer. med. respiratoria vol.12 no.3 CABA set. 2012. Evaluación y tratamiento de las alteraciones de la deglución. http://www.scielo.org.ar/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1852-236X2012000300004
  • MedlinePlus. Deglución dolorosa. https://medlineplus.gov/spanish/ency/article/003116.htm
  • Manual Merck. Dificultad para tragar. https://www.merckmanuals.com/es-pr/hogar/trastornos-gastrointestinales/s%C3%ADntomas-de-los-trastornos-digestivos/dificultad-para-tragar