O que fazer se seu parceiro está distante?

7 de junho de 2019
Você percebe que seu parceiro está distante? Não tem certeza se é só sua impressão? Aqui neste artigo, damos algumas dicas para saber o que fazer diante de uma situação deste tipo.

Se você notar que seu parceiro está distante, ou se você achar isso, é natural que esteja preocupado e tenha muitas dúvidas. Entretanto, isto não quer dizer que necessariamente esteja passando algo de errado com a relação de vocês.

Talvez seu companheiro ou companheira esteja passando por um período de muito estresse ou que tenha muitos projetos na cabeça. Mas, é possível também que haja sim problemas na relação que é necessário expressar para poder resolver.

Em ambos os casos, devido à ansiedade e ao medo que você sente é possível que tome alguma decisão ou comportamento que no lugar de ajudar, piore a relação. Para evitar isso, aqui você vai descobrir o que fazer para resolver essa situação se seu parceiro estiver distante. É claro que se isso estiver dentro de suas possibilidades.

Se seu parceiro estiver distante fale com ele

Este é o primeiro passo fundamental para saber o que fazer. É importante entender o que está acontecendo, por isso, você deve falar com seu companheiro de uma maneira íntima, próxima e sem criticar ou recriminar nada.

Entretanto, como explica o artigo “Estratégias de resolução de conflitos do casal”: há pessoas que utilizam a distância, o silêncio e a passividade como forma de enfrentar-se aos conflitos.

Analisar a ideia de fazer terapia

Fazer terapia se notar que seu parceiro está distante

Fazer uma terapia de casal é uma das formas de incentivar e de fortalecer a comunicação. Há ocasiões em que a distância e os conflitos surgem pelo fato de não podermos expressar o que sentimos.

Se depois de falar com seu parceiro, você notar que ele não é capaz de expressar o que realmente necessita e que sua única resposta é “não está acontecendo nada”, é importante então pensar na possibilidade de ir a uma terapia. Nela se trabalha de duas formas:

  • Sessões individuais: permitem trabalhar os conflitos individuais como por exemplo, a autoestima, a depressão, as inseguranças ou os problemas com a gestão emocional.
  • Sessões conjuntas: ajudam a ver como o casal se relaciona e incentiva a comunicação.

Entretanto, para que esta seja uma opção válida, ambos os integrantes do casal devem estar predispostos a ir a essa terapia com a finalidade de melhorar a situação, caso contrário, não terá o efeito previsto.

Isso também pode interessar você: Quando visitar um psicólogo de casal?

Terminar a relação

Se depois de falar com seu parceiro ou de frequentar as sessões de terapia a conclusão é de que seu parceiro, ou parceira já não quer mais continuar com a convivência, a relação então deve terminar.

A razão de tal contundência é porque, se ainda estivermos apaixonados, tentaremos que a relação continue. Como? Prometendo que vamos mudar para ter uma nova oportunidade.

Se seu parceiro te disser claramente:

  • “já não gosto mais de você e não quero continuar junto” 
  • “já não sou feliz do teu lado”

Essa relação não pode e nem deve continuar.

É uma situação dura, difícil e dolorosa. Você terá que passar por um luto. Então, nestas circunstâncias, recomendamos que faça uma terapia.

Se seu parceiro está distante trabalhe a sua insegurança

É possível que nada do que dissemos anteriormente esteja acontecendo com seu parceiro, então talvez o problema seja sua própria insegurança. Talvez você tenha uma baixa autoestima ou um medo atroz de que seu parceiro o abandone porque está totalmente dependente dele (ou dela).

Às vezes, ter passado por relações prévias complicadas ou por modelos de relações familiares que causaram muito dano, pode provocar insegurança e desconfiança.

As discussões são parte da comunicação.

Os medos e inseguranças próprias podem prejudicar a relação. Algumas vezes o problema está em nós mesmos. Para solucioná-lo, é importante pedir ajuda profissional.

Nestes casos, não hesite em ir a um psicólogo. Isso ajudará a trabalhar este seu aspecto que não está permitindo manter uma relação saudável. Esperamos que você analise tudo o que indicamos anteriormente e que peça ajuda se necessitar.

Leia também: 6 discussões que todo casal feliz tem

Dê ao seu parceiro o espaço que ele necessitar

A insegurança e o medo na relação de casal podem fazer com que você tente se aproximar demais chegando a “sufocar” seu parceiro. Isso pode ter consequências muito negativas.

Se você agir dessa maneira, seu parceiro exigirá seu próprio espaço, algo que você está tirando dele. Por isso é tão importante fazer uma terapia. Assim, será possível trabalhar as inseguranças e os medos que você possa ter.

Não nos cansaremos de repetir o importante que é trabalhar a comunicação do casal. É a melhor maneira para expressar emoções, sentimentos e de transmitir à outra pessoa aquilo de que realmente necessitamos. Pode ser espaço, tempo para si mesmo ou o contrário.

  • Castrillón Muñoz, E. (2008). Terapia de pareja: una mirada a sus procesos. Revista Colombiana de Psiquiatría37(1).
  • Flores, José de Jesús Vargas, Reyes, Edilberta Joselina Ibáñez, & Lira, María Luisa Hernández. (2013). Selección de pareja y diferenciación: un estudio cualitativo. Alternativas en Psicología17(29), 126-149. Recuperado em 12 de abril de 2019, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1405-339X2013000200009&lng=pt&tlng=es.
  • Flores Galaz, Mirta Margarita. (2011). Comunicación y conflicto: ¿Qué tanto impactan en la satisfacción marital?. Acta de investigación psicológica1(2), 216-232. Recuperado en 12 de abril de 2019, de http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2007-48322011000200003&lng=es&tlng=es.
  • Sebastián Pabon, Mónica Andrea. (2016). RELACIÓN DE PAREJA EN LA UNIÓN LIBRE – ESTUDIO DE CASO. Ajayu Órgano de Difusión Científica del Departamento de Psicología UCBSP14(2), 371-394. Recuperado en 12 de abril de 2019, de http://www.scielo.org.bo/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2077-21612016000200008&lng=es&tlng=es.
  • Valdez Medina, José Luis, González-Arratia López-Fuentes, Norma Ivonne, Arce Valdez, José, & López Jiménez, María del Carmen. (2007). La elección real e ideal de pareja: un estudio con parejas establecidas. Interamerican Journal of Psychology41(3), 305-311. Recuperado em 12 de abril de 2019, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-96902007000300005&lng=pt&tlng=es.