O que fazer depois de comer exageradamente?

Depois de comer demais, não é necessário jejuar ou iniciar um plano de desintoxicação. Basta se movimentar, hidratar o corpo e cuidar da dieta dos dias seguintes para evitar que isso prejudique a sua saúde.
O que fazer depois de comer exageradamente?

Última atualização: 05 Novembro, 2021

Comer exageradamente é algo que todo mundo já fez pelo menos uma vez, seja em uma festa especial, em um restaurante ou em refeições informais. Alguns, por estarem cansados de uma dieta restritiva, acabaram fazendo uma refeição mais farta do que o planejado.

Em geral, esta não é uma preocupação se acontecer apenas ocasionalmente. O problema é que os exageros costumam estar acompanhados de má digestão, inchaço e até sonolência ou desconforto.

Para isso, existem alguns pequenos truques e algumas orientações dietéticas para os dias seguintes que permitem melhorar esta situação e seguir em frente sem que os excessos tragam consequências.

O que fazer depois de comer exageradamente?

Rotinas e bons hábitos alimentares
Depois de comer exageradamente, o melhor é optar por pratos frescos e leves.

Quando a ingestão não foi controlada e você acabou comendo demais, é interessante adotar uma série de orientações para os dias seguintes. Elas são muito úteis, embora não sejam uma desculpa para comer exageradamente outra vez.

Evite os extremos

Isso é o mais importante e o que deve ser evitado a todo custo. Após uma refeição muito farta, fazer jejum ou passar fome não são boas medidas para “compensar”.

Um exagero pontual acaba se normalizando nos dias seguintes, principalmente se as dicas discutidas a seguir forem colocadas em prática. Por outro lado, tentar compensar a situação passando fome aumenta o risco de entrar em um círculo vicioso de exagero/compensação.

Beba uma grande quantidade de líquidos

Depois de comer muito, você precisa beber água ao longo do dia. Não precisa ter medo de aumentar a sensação de “estar cheio”, pois na verdade o líquido favorece o processo digestivo e facilita o trânsito intestinal.

Para isso, o melhor líquido é a água e é preciso bebê-la aos poucos. Refrigerantes não são adequados, pois o gás pode inflar ainda mais o sistema digestivo.

Planeje a alimentação dos próximos dias

Refeições mais leves e de fácil digestão são melhores nos dias após a ingestão excessiva. Todos os alimentos que fornecem água, fibras e proteínas magras são os mais favoráveis.

Para evitar a desorganização e acabar comendo algo improvisado, é bom pensar em cardápios com sopas, cremes vegetais, saladas, carnes, peixes, grãos integrais, frutas e iogurtes.

Faça exercícios regularmente

Ser ativo durante o dia e fazer algo mais intenso é uma boa prática para todos. Neste caso específico, permite queimar mais calorias e compensar o excesso de comida com o gasto de energia.

Algumas propostas vão além e sugerem que a atividade física regular melhora a sensibilidade do sistema de controle do apetite. Em estudos comparativos, foi possível observar que indivíduos ativos diminuem a ingestão energética nas refeições em relação aos não ativos, embora outros fatores possam influenciar e mais pesquisas sobre o tema sejam necessárias.

Cuidado com o que sobrar

Quando é você quem organiza a comemoração na sua própria casa, é preferível evitar o acúmulo de sobras. Tê-las à mão nos torna mais vulneráveis ou propensos a consumi-las nos dias seguintes.

Assim, se sobrar bolo, pratos muito calóricos ou refeições com molhos gordurosos, é melhor distribuí-los entre os convidados. O restante pode ser dividido em porções individuais e congelado para consumo posterior.

Valorize o momento vivido

Comer exageradamente em um determinado dia não é o fim do mundo, muito menos quando esta refeição é parte de uma reunião de família, com amigos ou uma festa especial. É preciso saber valorizar essas ocasiões e não deixar a comida virar o centro das atenções.

Como favorecer a digestão após comer exageradamente?

Depois de comer uma grande quantidade em um determinado momento, é comum surgirem problemas digestivos. A comida permanece no estômago por mais tempo e pode empurrar o diafragma. Essa situação causa refluxo, azia e outras sensações desconfortáveis.

Para aliviá-los, existem pequenos remédios que permitem superar essas sequelas e encontrar uma solução em um tempo relativamente curto.

  • Tome infusões de plantas digestivas como camomila, hortelã, tília ou erva-cidreira.
  • Adicione sementes de erva-doce se você também sofre de gases e inchaço. Lembre-se de que mulheres grávidas e lactantes e pessoas que tomam medicamentos devem consultar seu médico antes de ingerir qualquer chá.
  • Fazer uma pequena caminhada de forma leve, sem forçar muito a marcha, favorece a digestão e o trânsito intestinal. No entanto, ainda não é hora de fazer atividades intensas, pois isso pode ter o efeito contrário no sistema digestivo.
  • Evite se deitar ou se sentar na cama ou sofá, embora as grandes refeições possam causar alguma sonolência. Por um lado, isso é necessário para evitar sintomas incômodos como refluxo e azia, mas também é uma forma de se manter em pé, ativo, digerir e queimar o que foi ingerido.

O melhor remédio: evite refeições exageradas

Comer demais
Se você foi o anfitrião da refeição, evite continuar comendo as sobras nos dias seguintes à comemoração.

Às vezes, a ingestão ocorre sem que seja possível evitá-la. Isso pode acontecer em ocasiões inesperadas ou em dias em que você acaba comendo mais do que o normal. Porém, em outros momentos isso pode ser previsto, como em aniversários ou no Natal.

Não deixe de ler: Como evitar os excessos do Natal?

Neste último caso, você pode evitar o desconforto e os problemas digestivos se controlar um pouco o que come e parar quando se sentir satisfeito.

No dia a dia, comer devagar e dedicar um tempo específico para comer (sem outras distrações como a televisão ou o computador) ajuda a ter consciência do que você está comendo e a ser capaz de detectar o momento certo de parar.

Agora, se não é possível evitar uma ingestão excessiva, depois de comer exageradamente não adianta se sentir culpado, pois isso só piora a situação. Uma refeição exagerada de vez em quando não prejudica a saúde, nem uma dieta para perder peso. A melhor recomendação é manter uma alimentação variada, adaptada às necessidades pessoais e evitar qualquer tipo de restrição ou proibição alimentar.

Como apontam os autores Polivy e Herman, as pessoas que fazem restrições alimentares no dia a dia fazem refeições excessivas com mais frequência. Além disso, comem mais alimentos com alto teor calórico quando os têm à mão.

Comer exageradamente não é um problema se isso ocorrer ocasionalmente

Um exagero alimentar pode acontecer com qualquer pessoa e a qualquer momento, por uma série de razões. Isso não precisa ser prejudicial à saúde, e os inconvenientes que isso acarreta são resolvidos com pequenos remédios e orientações dietéticas.

No entanto, é essencial deixar claro que, às vezes, comer exageradamente não é uma prática esporádica, mas sim um transtorno alimentar. Nestes casos, é fundamental buscar ajuda profissional.

Além disso, lembre-se de que todas essas dicas são válidas quando isso acontece ocasionalmente. As refeições exageradas não são saudáveis se forem ingeridas com frequência, e o ciclo de compulsão e compensação pode levar a problemas alimentares a longo prazo.

Pode interessar a você...
9 dicas para evitar comer em excesso em festas
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
9 dicas para evitar comer em excesso em festas

Em qualquer tipo de festa é comum comer em excesso. No entanto, se você deseja proteger sua saúde é melhor reduzir as porções e optar por pratos sa...



  • Beaulieu K, et al. Impact of physical activity level and dietary fat content on passive overconsumption of energy non-obese adults. International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity. Febrero 2017. 14.
  • Mullen, M. Is it Binge Eating Disorder (BED) or are you stuck in a vicious cycle? Multi service Eating Disorders Association (MEDA).
  • Polivy J, Herman P. Overeating in restrained and unrestrained eaters. Frontiers in Nutrition. Marzo 2020. 7: 30.
  • Prentice A. M. Overeating: the health risks. Obesity Research. Septiembre 2012. 9 (S11): 234S-238S.
  • Swinburn B.A, et al. The global obesity pandemic: shaped by global drivers and local environments. Obesity. Agosto 2011. 378 (9793): 804-814.