O que é transferrina e quais são seus níveis normais?

A transferrina, a hemoglobina e a ferritina são proteínas-chave no diagnóstico da anemia. Suas concentrações são determinadas por exames de laboratório.
O que é transferrina e quais são seus níveis normais?

Última atualização: 27 junho, 2022

O ferro é um elemento essencial no corpo humano para a formação da hemoglobina e o transporte de oxigênio. Ele se move através da corrente sanguínea por várias proteínas, incluindo a transferrina. Você está interessado em saber como é essa molécula e quais são seus níveis normais?

A transferrina está ativamente envolvida no metabolismo do ferro. É uma proteína cuja função é fixar e transportar ferro no sangue, razão pela qual também é chamada de proteína ligadora de ferro. Além disso, é capaz de transportar outros metais no corpo, como manganês, cobre, gálio e titânio.

Os níveis de transferrina podem ser determinados através de exames de sangue de laboratório. Sua concentração pode variar dependendo da idade, sexo e estado geral do paciente. É muito útil para identificar alterações nos glóbulos vermelhos.

Para que serve a transferrina no corpo humano?

A transferrina é uma glicoproteína produzida principalmente no fígado. Tem uma meia-vida média no sangue de 8 a 10 dias, segundo estudos. Sua função é levar o ferro que é absorvido no intestino e o ferro que é obtido da destruição das hemácias velhas, para transportá-lo no sangue.

O ferro pode ser encontrado em duas formas: férrico (Fe 3+ ) e ferroso (Fe 2+ ). Cada molécula de transferrina é capaz de capturar 2 íons de ferro no estado férrico.

Desta forma, a proteína que não possui ferro é chamada de apotransferrina, transferrina monoférrica quando possui um único átomo de ferro e diférrica quando possui 2.

Em condições normais, apenas um terço da transferrina disponível é utilizada para o transporte de ferro. Se o corpo usa toda a transferrina disponível, ela é chamada de transferrina “saturada”. Nessa situação, o ferro não poderá mais ser capturado e se acumulará no fígado.

Pesquisas sugerem que de todo o ferro transportado pela transferrina, entre 70% e 90% é absorvido pela medula óssea para produzir hemoglobina. Desta forma, o restante será usado para fazer enzimas e coordenar várias reações metabólicas.

Glóbulos vermelhos velhos quebrando.
Os glóbulos vermelhos mais velhos se decompõem e liberam ferro, que é absorvido pela transferrina para prosseguir para outra fase do metabolismo.

Como são medidos os níveis de transferrina no sangue?

Os níveis de transferrina podem ser determinados direta ou indiretamente. Nesse sentido, o método direto identifica a concentração exata dessa molécula a partir de uma amostra de sangue. O método indireto também é chamado de capacidade total de ligação de ferro (TIBC).

O TIBC mede a quantidade de proteínas de ligação ao ferro, incluindo a transferrina. Esse teste costuma ser mais barato e simples, por isso é mais utilizado por alguns especialistas. Ambos os métodos são usados para calcular a quantidade de ferro circulante, portanto, diante da deficiência de ferro, veremos uma elevação da transferrina e do TIBC.

Essa avaliação deve ser realizada com o paciente em jejum de 8 a 12 horas. Além disso, os níveis geralmente são solicitados junto com uma hematologia completa, química do sangue, níveis de ferro e concentração de ferritina.

Valores normais

  • Homens: 215 a 360 miligramas por decilitro (mg/dl).
  • Mulheres: 250 a 370 miligramas por decilitro (mg/dl).
  • Crianças: 200 a 350 miligramas por decilitro (mg/dl).

Por outro lado, os níveis normais de TIBC variam entre 250 e 350 microgramas por decilitro (µg/dl). O resultado muda dependendo do sexo, idade e estado de saúde da pessoa. Além disso, cada laboratório oferece seus próprios critérios de normalidade e padronização.

Transferrina elevada

Na maioria dos casos, a concentração de transferrina é usada para diferenciar anemias microcíticas. Neste tipo de anemia, os glóbulos vermelhos são menores que o normal.

A transferrina é elevada quando são obtidos valores acima de 360 mg/dl em homens e 370 mg/dl em mulheres. Estudos afirmam que a causa mais comum de transferrina alta é a anemia ferropriva ou deficiência de ferro. Outras causas incluem o seguinte:

  • Gravidez.
  • Policitemia.
  • Anticoncepcionais orais.
  • Terapia hormonal com estrogênio.

Transferrina baixa

Falamos de transferrina baixa ou hipotransferrinemia quando esta proteína no sangue está abaixo de 215 mg/dl nos homens e 250 mg/dl nas mulheres. Entre as causas desse fenômeno estão as seguintes:

  • Talassemia.
  • Desnutrição.
  • Anemia falciforme.
  • Doenças renais.
  • Anemia sideroblástica.
  • Queimaduras extensas.
  • Infecções recorrentes.
  • Distúrbios do fígado, como cirrose.
  • Anemia típica de doenças crônicas, como o câncer.
  • Uso de medicamentos, como cloranfenicol e glicocorticóides.

Qual é o índice de saturação da transferrina?

A transferrina é capaz de ligar 2 íons de ferro. No entanto, a maioria dessas moléculas geralmente não está totalmente ocupada. Nesse sentido, o índice de saturação da transferrina avalia a porcentagem dessas proteínas que são ocupadas por ferro.

Em condições normais, o valor corresponde a 20-50% da transferrina total. No entanto, na anemia por deficiência de ferro, aumenta, pois não há ferro suficiente para ser transportado pela transferrina.

Laboratório para medir a transferrina.
A medição dos parâmetros associados à transferrina é feita por meio de um teste laboratorial.

É possível normalizar os níveis?

Os níveis de transferrina no sangue dependem diretamente da concentração de ferro e do estado dos glóbulos vermelhos. Na maioria dos casos, os níveis baixos se devem à falta do mineral, por isso é recomendável aumentar seu consumo.

Isso pode ser alcançado aumentando a ingestão dos seguintes alimentos:

Caso os níveis de transferrina estejam diminuídos, é necessário resolver a causa subjacente para que eles voltem ao normal. A avaliação deve ser realizada por profissionais de saúde, pois são os únicos capacitados para identificar e tratar essas doenças.

Uma proteína chave no metabolismo do ferro

A transferrina é uma molécula essencial para o transporte de ferro no organismo. Sua deficiência está relacionada a diferentes tipos de anemia, como talassemia, anemia falciforme e anemia de doenças crônicas. Por outro lado, o excesso está associado à deficiência de ferro, gravidez e uso de anticoncepcionais.

Pode interessar a você...
Quando é aconselhável tomar suplementos de ferro?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Quando é aconselhável tomar suplementos de ferro?

Os suplementos de ferro são ideais para acompanhar a alimentação de pessoas que não suprem as necessidades deste mineral com a dieta.



  • Forrellat Barrios M, Gautier du Défaix Gómez H, Fernández Delgado N. Metabolismo del hierro. Rev Cubana Hematol Inmunol Hemoter. 2000;  16( 3 ): 149-160.
  • Vilaplana M. El metabolismo del hierro y la anemia ferropénica. Offarm. 2001; 20 (4): 123-127.
  • Carratero M. Tratamiento de la anemia ferropénica. Offarm. 2010; 29(4): 76-77.
  • Toxqui P, De Courtois B, Sánchez-Muniz F, Vaquero M. Deficiencia y sobrecarga de hierro: implicaciones en el estado oxidativo y la salud cardiovascular. Nutr. Hosp. 2010;  25( 3 ): 350-365.
  • Deschamps E, Miña A, Diéguez M. Isoformas de la transferrina: Utilidad clínica de su determinación. Rev Diagn Biol. 2003; 52( 1 ): 35-39.
  • Boccio J, Salgueiro J, Lysionek A, Zubillaga M, et al. Metabolismo del hierro: conceptos actuales sobre un micronutriente esencial. ALAN. 2003;  53( 2 ): 119-132.