O que é neuroplasticidade?

6 de fevereiro de 2020
A neuroplasticidade é proposta como um alvo terapêutico para tratar lesões cerebrais e recuperar a funcionalidade.

A neuroplasticidade, também chamada de plasticidade cerebral, é uma das descobertas mais importantes sobre o corpo humano nas últimas décadas. Consiste na capacidade do nosso cérebro de mudar e se adaptar em resposta a novos comportamentos ou experiências.

Até pouco tempo, pensava-se que os circuitos neurais eram criados e modificados apenas durante a infância. Ou seja, acreditava-se que era impossível que durante a nossa vida adulta modificássemos essas conexões ou criássemos novas baseadas em experiências ou aprendizados.

No entanto, os cientistas descobriram que os neurônios do nosso cérebro têm a capacidade de se regenerar. De fato, não apenas anatomicamente, mas eles podem fazer isso formando novas conexões.

Este conceito é a neuroplasticidade. Embora pareça simples, é a capacidade que tem nosso cérebro de se recuperar de certas lesões ou distúrbios. Portanto, neste artigo, explicamos tudo o que você precisa saber sobre neuroplasticidade e sua importância.

O que é neuroplasticidade?

Anteriormente, acreditava-se que o tecido nervoso só poderia ser modificado nos primeiros anos de nossa vida. Isso significava que era impossível regenerar qualquer lesão cerebral. No entanto, nos últimos anos, foi demonstrado que isso não é assim.

A neuroplasticidade é a capacidade de nossos neurônios se regenerarem, tanto anatomicamente quanto funcionalmente. É um processo que envolve muitas reações bioquímicas e metabólicas, mas que implica um grande potencial de adaptação.

É assim que nosso sistema nervoso forma novas conexões em resposta a novos estímulos, informações ou mesmo danos em conexões antigas.

Essa questão começou a ser levantada na década de 1960. Foram observados vários casos de adultos que sofreram AVC. O que aconteceu foi que, algum tempo após a lesão, eles pareciam se recuperar.

Começou-se então a realizar diferentes exames de imagem e estimulação com os quais foi possível demonstrar a existência de neuroplasticidade. Atualmente, todos os mecanismos envolvidos nesse processo ainda estão sendo investigados.

A neuroplasticidade e o AVC

Leia também: Efeitos da respiração no cérebro

Como a neuroplasticidade funciona?

A sinapse é a área onde os neurônios se comunicam entre si. Quando nascemos, o número de sinapses dos neurônios do córtex cerebral é limitado. Estima-se que existam cerca de 2500 sinapses. No entanto, com o passar dos anos, esse número aumenta para quase 10.000 sinapses por neurônio.

Isso acontece porque, à medida que crescemos, experimentamos e aprendemos comportamentos diferentes. Tudo isso faz com que novas conexões neuronais sejam criadas e também fortalecidas. No entanto, isso também significa que aqueles que não são usados ​​são eliminados ou mortos.

O processo de neuroplasticidade permite que mais sinapses sejam criadas ou regeneradas ao longo da vida. Isso acontece através de diferentes mecanismos moleculares e químicos.

Portanto, toda vez que adquirimos novos conhecimentos, as sinapses são reforçadas ou aumentadas. Os mecanismos mais importantes pelos quais a neuroplasticidade funciona são:

  • A excitabilidade do neurônio é recuperada. Isso é alcançado por processos nos quais o equilíbrio entre os íons dentro e fora dos neurônios é restaurado.
  • Partes do neurônio que foram danificadas, especialmente o axônio, são regeneradas.
  • Recrutamento de circuitos que não estavam ativos.

As reações químicas e moleculares que permitem a neuroplasticidade são complexas. O resultado final é um aumento na quantidade e interconexão neuronal.

Interconexão neuronal

Qual é a sua importância?

A relevância da neuroplasticidade é principalmente terapêutica. Ao demonstrar que esse processo existe, descobriu-se que muitas lesões cerebrais poderiam ser tratadas. Assim, criando novas conexões neurais, certas funções danificadas podem ser restauradas.

Você pode estar interessado: 7 hábitos que apoiam a regeneração dos neurônios

Por exemplo, sua aplicação está sendo estudada principalmente em lesões traumáticas. Mas existem outras doenças que poderiam ser melhoradas graças à neuroplasticidade:

Transtornos obsessivo-compulsivos.

Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade.

Alguns tipos de esquizofrenia.

O ideal é promover pesquisas sobre o assunto. Certamente, é um novo horizonte terapêutico que irá melhorar muitas doenças diferentes.

  • ¿Qué es la neuroplasticidad? (n.d.). Retrieved December 20, 2019, from https://www.benitezrafa.es/que-es-la-neuroplasticidad-cerebral/
  • Virginia Garcés-vieira, M., & Camilo Suárez-escudero, J. (2014). Neuroplasticidad: aspectos bioquímicos y neurofisiológicos Neuroplasticity: Biochemical and neurophysiological aspects. Rev CES Med (Vol. 28).
  • Press, E. (n.d.). 9 apuntes sobre la neuroplasticidad del cerebro o su capacidad de cambiar. Plasticidad Cerebral y Neuronal, Neurogénesis. Neuroplasticidad ejercicios mentales. (n.d.). Retrieved December 20, 2019, from https://www.cognifit.com/es/plasticidad-cerebral