O parto em que o bebê vem de nádegas

11 de novembro de 2018
Estima-se que de cada 100 partos, 3 ou 4 sejam os casos em que o bebê vem de nádegas. Embora esse tipo de parto geralmente represente maiores riscos à saúde, a comunidade médica o trata com sucesso.

Você sabia que existem diferentes tipos de parto, dependendo da posição do bebê? Estes casos não são muito comuns e requerem maior cuidado, especialmente o parto em que o bebê vem de nádegas.

Os bebês, por si sós, geralmente mudam de local no útero da mãe semanas antes do parto, colocando a cabeça perto do canal do parto. No entanto, existem alguns casos em que os bebês não se posicionam corretamente.

Como é o parto em que o bebê vem de nádegas

O parto na apresentação pélvica é aquele em que as nádegas, os joelhos, ou os pés do feto passam pela pélvis materna antes da cabeça da criança. Dentro dos partos em que o bebê vem de nádegas, variantes dos casos foram determinadas.

Podálica franca

A posição franca é a mais frequente entre as modalidades pélvicas. Nela as nádegas do feto se encontram na direção da pélvis da mãe; seus joelhos são posicionados quase na frente de seu rosto, e seus pés estão quase na altura de sua cabeça. É como se a criança se curvasse para alcançar a cabeça com os pés.

O parto em podálica franca

Podálica incompleta

É a segunda modalidade com maior incidência. Nesse caso, um pé ou joelho se encontram contraídos contra o corpo do bebê; enquanto o lado oposto é estendido, pronto para passar pelo canal do parto.

Podálica completa

Este tipo de posição é o menos frequente. Acontece quando o feto cruza as pernas e os pés, mas sempre acima das nádegas.

Você pode estar interessado: As mulheres precisam de um ano para se recuperar após dar à luz

Cesariana ou parto vaginal?

Mesmo com o bebê em uma posição pélvica, o trabalho de parto pode ser desencadeado. No entanto, o tipo de parto dependerá do estado de saúde do bebê, bem como da mãe.

Em alguns países, os partos em que o bebê vem de nádegas foram protocolizados para serem realizados por cesariana. No entanto, em algumas instituições o parto podálico por via vaginal é atendido com sucesso, desde que determinados critérios de seleção sejam atendidos. Por exemplo, que o feto apresente crescimento adequado, e peso estimado inferior a 4000 gramas.

Segundo os especialistas, a incidência desse tipo de parto varia de 3 a 4% dos nascimentos. Ou seja, de cada 100 crianças, 3 ou 4 chegam ao mundo através do tipo de parto em que o bebê vem de nádegas.

Razões para o parto em que o bebê vem de nádegas

É verdade que, durante o início da gravidez, a apresentação pélvica é comum em um bom número de casos. No entanto, esta posição pode ser revertida em torno de 28 ou 32 semanas de gestação; embora a probabilidade de identificá-la seja baixa, uma vez que é detectada em apenas de 7 a 15% dos casos.

Razões para o parto em que o bebê vem de nádegas

Por outro lado, como mencionado anteriormente, pouco se sabe sobre as causas diretas da acomodação reversa do bebê. No entanto, o aparecimento da apresentação pélvica geralmente está relacionado a fatores maternos, placentários e fetais.

Com relação aos fatores maternos, a idade materna avançada, cesariana anterior; desproporção entre o feto e a região pélvica; Tumores pélvicos ou anomalias congênitas estão listados como possíveis causas associadas à posição podálica.

Em relação às causas placentárias, encontramos fatores como o cordão umbilical curto, ou enrolado duplamente ao redor do pescoço. Da mesma forma, em fatores fetais, baixo peso ao nascer, anomalias congênitas, gravidez múltipla, prematuridade ou morte fetal são geralmente as causas da posição pélvica do bebê.

Leia também: Dormir de lado no último trimestre da gravidez pode reduzir o risco de morte fetal

Como identificar o parto podálico

É importante realizar um exame físico, juntamente com outros estudos para determinar se o parto em que o bebê vem de nádegas é desta classe ou não. No entanto é possível obter um diagnóstico com melhores resultados por meio da ultrassonografia.

Da mesma forma, recomenda-se realizar esta revisão preferencialmente na 32ª s

Como identificar se o bebê vem de nádegas

emana ou no último trimestre. Nesta fase, o feto ganha mais peso. Portanto, ocupa mais espaço no útero da mãe, e fica mais difícil para ele mudar de posição.

Impacto na saúde

De acordo com um site especializado em medicina, a mortalidade durante o período perinatal de bebês com posição pélvica pode aumentar de duas a quatro vezes em comparação aos bebês que nascem normalmente; isto é, em posição cefálica.

Por outro lado, defeitos congênitos são comuns entre bebês nascidos de nádegas. De fato, há uma hipótese de que esta é a razão pela qual o bebê não mudou para a posição cefálica para o parto. Por este motivo é vital rever a saúde da criança de forma sistemática para evitar riscos.

Recomendações

Um parto em que o bebê nasce de nádegas geralmente apresenta mais riscos do que um parto cefálico. Nestes casos é muito importante que tanto a mulher como o parceiro sejam informados sobre os riscos e benefícios do parto vaginal ou abdominal; além de estar em constante comunicação com o seu médico.

  • Gimovsky, M. L. (2008). Breech presentation. In Operative Obstetrics, Second Edition. https://doi.org/10.1108/13683040410555564

  • Wildschut, H. I. J., van Belzen-Slappendel, H., & Jans, S. (2017). The art of vaginal breech birth at term on all fours. Clinical Case Reports. https://doi.org/10.1038/sj.onc.1209917

  • Bjellmo, S., Andersen, G. L., Martinussen, M. P., Romundstad, P. R., Hjelle, S., Moster, D., & Vik, T. (2017). Is vaginal breech delivery associated with higher risk for perinatal death and cerebral palsy compared with vaginal cephalic birth? Registry-based cohort study in Norway. BMJ Open. https://doi.org/10.1136/bmjopen-2016-014979