O medo do câncer

09 Fevereiro, 2020
O medo do câncer é razoável, desde que não se torne excessivo e não leve a comportamentos evasivos ou obsessivos. Se você constantemente tiver um sentimento ou suspeita de que pode ter câncer e esse medo limitar sua vida, pode ser uma boa ideia consultar um psicólogo.

É normal que alguém tenha medo do câncer. Afinal, é uma doença grave que, em muitas ocasiões, tem um curso imprevisível e geralmente requer tratamentos difíceis de lidar. Todo ser humano sente algum grau de medo diante da doença e da morte.

O problema aparece quando o medo do câncer começa a se tornar irracional e obsessivo. Nesse caso, adquire as mesmas características de uma fobia e é por isso que é chamado de “cancerofobia”. Isso leva a precauções desnecessárias que às vezes são contraproducentes.

O medo exagerado de sofrer câncer também leva a um sofrimento emocional desnecessário. Portanto, qualquer sintoma físico acaba sendo visto como um possível sinal de câncer e qualquer objeto ou circunstância passa a ser percebido como uma ameaça. Sendo assim, esse estado vai contra a saúde mental e a saúde física.

Cancerofobia ou medo excessivo de câncer

Mulher com medos

A cancerofobia é definida como um medo excessivo e irracional do câncer. A palavra “irracional” não significa que seja uma ideia maluca ou que não haja motivo para temer a doença; o que ela quer dizer é que o medo é exagerado e que não se baseia em premissas objetivas.

Da mesma forma, quando há muito medo de sofrer câncer e isso adota as características de uma fobia, a vida cotidiana começa a ser alterada. O sol é evitado porque pode levar ao melanoma; ou certos alimentos são suprimidos porque existem rumores de que são cancerígenos etc.

A cancerofobia provoca uma ansiedade constante, porque o risco é exagerado e se vê riscos onde não há. É semelhante ao que acontece na hipocondria: todo desconforto à saúde é interpretado catastroficamente, embora não haja realmente razões para isso.

Leia também: Riscos da automedicação

O caminho da evitação

Um dos caminhos adotados pelas pessoas com cancerofobia é o da evitação, que tem duas variantes. Uma é evitar a todo custo aqueles objetos ou situações que, reais ou imaginárias, podem causar câncer. É um comportamento de fuga.

Da mesma forma, desenvolvem-se comportamentos excessivamente preventivos. Há excesso de cuidados na dieta, no uso de telefones celulares etc. Mesmo aqueles que seguem o caminho de evitar tudo o que possa causar câncer, passam a acreditar que entrar em contato com alguém que tenha câncer pode predispor a sofrer a doença.

A outra variante da evitação é que, precisamente por causa do medo do câncer, a pessoa evita visitar o médico a todo custo. Mesmo às vezes, com a certeza de que já têm a doença, não procuram o médico porque não querem que o autodiagnostico seja confirmado. Preferem continuar vivendo com dúvida e ansiedade.

O medo do câncer: obsessão

Quando o medo do câncer altera a vida cotidiana

Outro caminho frequente naqueles que desenvolvem cancerofobia é o medo obsessivo. Pode-se dizer que esta rota é o oposto da prevenção. Em vez de se afastar do assunto, o que o obsessivo faz é procurar todas as informações possíveis sobre a doença.

Além disso, todo desconforto em seu corpo o leva a consultar o médico ou a procurar informações desesperadamente, porque teme que qualquer sintoma seja o alerta de um câncer. O ruim é que, sem perceber, as informações são de maneira tendenciosa.

Se visitarem o médico e ele não encontrar sintomas de câncer, certamente acham que o profissional estava errado. Então, consultam um novo médico ou recusam medicamentos em geral. Essas pessoas têm medo constante e o conhecimento adquirido aumenta, em vez de dissipá-lo.

Você pode estar interessado: Mitos sobre os alimentos cancerígenos

Mitos e verdades sobre o câncer

Deve-se ter em mente que nascer é começar a morrer. Mais cedo ou mais tarde todos nós morreremos, por um motivo ou outro. A ideia não é fácil de assimilar para ninguém, mas é mais digerível quando a enfrentamos e aceitamos que é um fato inevitável.

Agora, afirma-se que o câncer aumentou em todo o mundo. No entanto, muitos discutem esses dados, pois, talvez, o que aconteceu é que atualmente ele é detectado mais cedo e em um número maior de casos. Provavelmente, o diagnóstico se tornou mais visível, o que não significa que a doença tenha tido um aumento significativo no mundo.

Tanto o câncer quanto outras doenças podem ser prevenidas em certa medida, mas é impossível evitá-las completamente. Na maioria dos casos, há uma confluência de circunstâncias, entre as quais nem todas são controláveis. De qualquer maneira, um estilo de vida saudável, física e mentalmente, ajuda muito a que adoeçamos menos.

Então, se você acha que tem cancerofobia, consulte sem falta um psicólogo.

  • del Pino, M. M. (2014). Algunas reflexiones sobre el tabú a la palabra cáncer. Archivo Médico Camagüey, 10(5).
  • García, R. F. (2000). Aplicación de la terapia de aceptación y compromiso en un ejemplo de evitación experiencial. Psicothema, 12(3), 445-450.
  • Reich, M., Gaudron, C., & Penel, N. (2009). When cancerophobia and denial lead to death. Palliative & Supportive Care, 7(2), 253-255.