Como controlar os pensamentos obsessivos

19 de outubro de 2019
Existem técnicas para aprender a controlar pensamentos obsessivos. A chave é como interagimos com eles. Você está interessado em saber mais? Aqui contamos tudo sobre isso.

Ter pensamentos estranhos é comum na população em geral. Somos seres pensantes e precisamos aceitar o fato de abrigar uma infinidade de pensamentos aleatórios. O problema aparece quando esses pensamentos se tornam obsessivos e limitam nosso funcionamento diário.

Isso geralmente acontece porque a pessoa dá muito valor ou importância em pensar em uma determinada coisa. Dessa maneira, o pensamento deixa de ser um simples evento mental para se tornar um problema psicológico. A ação de dar valor aos pensamentos é algo que temos a capacidade de controlar.

Existem grandes diferenças em como nos relacionamos com nossos eventos cognitivos. Há pessoas que são capazes de não se fundir com seus pensamentos, vê-los como o que realmente são e não lhes dar muita importância ou valor como realidade.

Por outro lado, existem outras pessoas, geralmente com características importantes de perfeccionismo e responsabilidade, que se relacionam com seus próprios pensamentos como se fossem situações reais.

Uma das principais formas de tratamento para aprender a controlar pensamentos obsessivos é logicamente que o paciente aprenda novas maneiras de se relacionar com esses pensamentos. O objetivo final é que o pensamento não controle a vida da pessoa.

Pensar ou não pensar? Eis a questão.

Os pensamentos obsessivos e a realidade

Podem se tornar tremendamente irritantes. Lembre-se de todos os momentos em que a música do verão ficou totalmente apegada à sua mente e era impossível apagá-la da sua cabeça. De fato, quanto mais você tentava não ouvir e cantarolar, mais fortemente interrompia sua vida.

Com pensamentos obsessivos acontece exatamente a mesma coisa. A ideia de “não pensar” paradoxalmente tem um efeito rebote e então o pensamento se torna mais forte. Portanto, a chave é aprender a ficar ao lado dos pensamentos, “olhando-os” como se fôssemos espectadores de nossos próprios processos mentais.

Mas este exercício não é fácil. Já explicamos que as obsessões são muito perturbadoras ​​e o natural é que tentemos eliminá-las da nossa cabeça para nos livrar da ansiedade. Então, as compulsões entram em jogo: atos motores que neutralizam o mal-estar e fazem a obsessão diminuir.

A curto prazo, pode parecer funcionar, mas, com o tempo, a “solução” se torna o verdadeiro problema. Nós nos tornamos dependentes dessas compulsões e as usamos para eliminar obsessões, que, portanto, são reforçadas.

Leia também: Descubra a importância de conectar pensamentos, palavras e sentimentos

Estratégias para controlar pensamentos obsessivos

A ideia é não cair na compulsão como um meio de neutralizar os pensamentos e não evitar o pensamento. Portanto, as estratégias que funcionam melhor até o momento para controlar os pensamentos obsessivos são as seguintes:

Desfusão cognitiva

Quando realizamos a desfusão cognitiva de nossos eventos mentais separamos os pensamentos da realidade e de nós mesmos. Ou seja, é necessário pensar que “eu não sou meus pensamentos, sou muito mais que isso”. Por outro lado, também é necessário perceber que ter pensamentos não significa que sejam realidades.

Pensamentos nada mais são do que isso: conteúdos psicológicos, imagens, percepções … mas não são realidades objetivas e verificáveis. Portanto, não faz sentido agir de acordo com ideias que não correspondem à realidade.

É muito mais funcional tratar os pensamentos como entidades que não agradam, vê-los passar, até cumprimentá-los e ficar com eles, até que vão apenas diminuindo de intensidade.

Reduzir o valor concedido aos pensamentos obsessivos

Os pensamentos tóxicos prejudicam a vida

Para controlar pensamentos obsessivos, é essencial reduzir o valor concedido a eles.

Não precisamos dar importância a um pensamento apenas por tê-lo. Todos temos pensamentos que teríamos vergonha de reconhecer ou contar, mas isso não significa que eles sejam importantes ou que nos definam de alguma forma. Portanto, uma boa maneira de diminuir o valor que damos ao pensamento é minimizar a importância que damos a ele.

Abraçar o pensamento

Não apenas não temos que fugir de nossos próprios pensamentos, mas temos que tentar fazer o exercício mental de abraçá-los. Abraçar nossos demônios significa estar aberto à experiência de tê-los presentes, mesmo que não gostemos deles.

Descubra: Transtorno compulsivo obsessivo (TOC)

Inibir as compulsões

Esta parte é essencial. Para cada ato de compulsão que realizamos estamos dando a razão ao pensamento. Ou seja, estamos realizando um ato real baseado em uma ideia mental.

E realidade e mente são dois mundos diferentes, que não precisam andar juntos. Portanto, é necessário fazer um esforço para inibir a compulsão para não alimentar ainda mais pensamentos obsessivos.

Você tem pensamentos compulsivos? Como você acabou de notar, existem várias estratégias para gerenciá-los e impedi-los de assumir o controle de nossas vidas. No entanto, se isso não for possível, é conveniente buscar a ajuda de um psicólogo.

  • Ruiz, M.A., Díaz, M. I., Villalobos, A. (2012). Manual de Técnicas de Intervención Cognitivo Conductuales. Desclée De Brouwer, S.A
  • Julien, D., O’Connor, K. P., & Aardema, F. (2007). Intrusive thoughts, obsessions, and appraisals in obsessive-compulsive disorder: A critical review. Clinical Psychology Review. Elsevier Inc. https://doi.org/10.1016/j.cpr.2006.12.004
  • Kühn S, Schmiedek F, Brose A, Schott BH, Lindenberger U, Lövden M. The neural representation of intrusive thoughts. Soc Cogn Affect Neurosci. 2013;8(6):688–693. doi:10.1093/scan/nss047
  • Masuda, A., Twohig, M. P., Stormo, A. R., Feinstein, A. B., Chou, Y. Y., & Wendell, J. W. (2010). The effects of cognitive defusion and thought distraction on emotional discomfort and believability of negative self-referential thoughts. Journal of Behavior Therapy and Experimental Psychiatry41(1), 11–17. https://doi.org/10.1016/j.jbtep.2009.08.006
  • Morein-Zamir S, Fineberg NA, Robbins TW, Sahakian BJ. Inhibition of thoughts and actions in obsessive-compulsive disorder: extending the endophenotype?. Psychol Med. 2010;40(2):263–272. doi:10.1017/S003329170999033X