O que é a misocinesia? Descubra suas causas e como superá-la

Uma das hipóteses explicativas para a misocinesia reserva um papel relevante para os neurônios-espelho. Saiba mais sobre esta condição.
O que é a misocinesia? Descubra suas causas e como superá-la

Última atualização: 19 Outubro, 2021

Bater os dedos repetidamente na mesa, mexer as pernas enquanto fala ou assiste televisão… Qualquer movimento repetitivo, encadeado ou sequencial, pode não importar para alguns. No entanto, para outros, provoca um grande desconforto. É o caso de quem sofre de misocinesia.

Este é um problema psicológico que muitos não conhecem, mas que pode ter repercussões importantes na vida social. Como ele se manifesta exatamente? O que fazer para resolver este problema? Vamos dar todos os detalhes a seguir.

O que é a misocinesia?

Com raízes gregas, misokinesia vem de “miso”, que significa ódio, e “kinesia”, que se refere a movimentos. Muitas pessoas não sabem que sofrem desta condição. Portanto, também não há muita pesquisa sobre o tema.

A misocinesia é a rejeição dos movimentos pequenos e repetitivos de outras pessoas. Eles provocam uma resposta negativa de forte intensidade emocional, acompanhada por nervosismo ou desconforto.

Costuma ser confundida com a misofonia, que se refere à mesma rejeição, mas em relação aos sons. Elas são semelhantes, mas não são iguais. Também podem ser apresentadas juntas, mas este nem sempre é o caso.

Uma abordagem científica da misocinesia – exploratória e com uma amostra de 4100 pessoas (a maioria estudantes universitários) – foi conduzida por Sumeet Jaswal, PhD em Psicologia da University of British Columbia (UBC), no Canadá.

Entre as descobertas mais importantes, ele determinou que cerca de 1 em cada 3 pessoas sofrem de misocinesia, e isso não necessariamente corresponde a alguma população clínica. Em outras palavras, a equipe de pesquisa afirmou que é um desconforto que ocorre com mais frequência do que imaginamos.

O que é a misocinesia?
A misocinesia pode causar irritabilidade e problemas de concentração na pessoa afetada.

Sintomas da misocinesia

Os sintomas da misocinesia podem variar de pessoa para pessoa. No entanto, em geral, eles são os seguintes:

  • Nervosismo e irritação diante dos movimentos repetitivos de outras pessoas.
  • Desconforto, desejo de sair do local ou se afastar da pessoa que realiza os movimentos.
  • Isolamento social como medida para evitar a exposição a movimentos repetitivos.
  • Dificuldade de concentração e execução das tarefas devido ao desconforto.

De acordo com o estudo da University of British Columbia (UBC), no Canadá, nem todas as pessoas sentem o desconforto da mesma forma. Em alguns casos é um ligeiro incômodo, enquanto em outros é uma situação que causa enorme angústia e irritação.

De fato, existem situações mais complexas em que a misocinesia poderia incluir não só movimentos, mas também estímulos visuais, como o incômodo pelo uso excessivo e inadequado de sinais de pontuação, elementos “voando” por causa de uma brisa ou por ver outras pessoas mastigarem.

Causas e consequências da misocinesia

Em relação às causas, ainda não há resultados conclusivos. Uma das hipóteses reserva um papel relevante para os neurônios-espelho. Esses neurônios estão envolvidos no movimento, mas também em sensações “espelhadas”. Ou seja, quando vemos alguém bater e fazer um gesto de dor, podemos replicar aquele sentimento e aquele gesto devido ao papel dos neurônios-espelho.

Assim, as pessoas que se movem permanentemente costumam ficar ansiosas ou nervosas, e quem as observa experimentaria o mesmo, como um reflexo. Entre suas principais consequências, estão as seguintes:

  • Desconforto.
  • Angústia e ansiedade.
  • Nervosismo
  • Dificuldades para trabalhar, estudar ou ficar perto de quem realiza os movimentos.

Outra das hipóteses explicativas propõe a existência de uma maior sensibilidade visuo-atencional. Nesse caso, isso levaria à dificuldade de bloquear estímulos visuais que distraem. No entanto, essa explicação teve menos sucesso.

Como lidar com esta condição?

Por mais estranho que esse quadro clínico possa parecer, é importante entender que ele é real. Não importa que, de certa forma, pouco se saiba sobre ele; há pessoas que sofrem e experimentam uma deterioração diária devido à sua existência. Isso é motivo suficiente para validar seu sofrimento e fornecer uma resposta.

É preciso continuar pesquisando para poder aprofundar conhecimentos e tratamentos. No entanto, isso não significa que a vida tenha que ficar paralisada por muito tempo. Você pode procurar diferentes recursos para lidar com esta condição, como o relaxamento e a respiração.

Caso cause muito desconforto, é bom consultar terapeutas que o acompanhem no desenvolvimento de ferramentas para lidar com este problema. Também é interessante criar imagens alternativas à experiência atual para tentar “desligar” essa imagem ou estímulo visual de movimento permanente.

Às vezes, a pessoa que realiza os movimentos não consegue registrar que o está fazendo. Portanto, pode ser suficiente perguntar, de forma respeitosa e calma, se ela pode parar. Seria bom explicar que este é um ato que causa desconforto.

Mulher respirando fundo
A técnica de respiração profunda pode ajudar a reduzir o desconforto causado pela misocinesia.

A importância de dar continuidade aos estudos

A partir desses estudos, embora incipientes e exploratórios, é possível corroborar e relembrar a importância da tarefa investigativa para o avanço da ciência e, consequentemente, para o bem-estar das pessoas.

Ainda existem muitas enfermidades a serem abordadas e compreendidas em profundidade, a fim de fornecer respostas e tratamentos. Essa abordagem recente da misocinesia é apenas a ponta de um fio que teremos que continuar puxando.

Pode interessar a você...
Doença de Willis-Ekbom ou síndrome das pernas inquietas
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Doença de Willis-Ekbom ou síndrome das pernas inquietas

Um excesso no movimento das extremidades inferiores pode significar sintomas claros da chamada doença de Willis-Ekbom. Conheça mais sobre ela.