O medo de ser abandonado no relacionamento

15 Outubro, 2020
O medo do abandono é um padrão comportamental muito característico das pessoas com dependência emocional. Neste artigo, falaremos sobre a expressão dessa dependência do outro e suas consequências.

A dependência emocional ou o medo de ser abandonado pelo outro é uma causa comum de angústia e inquietação em uma parcela importante da população. Esta é uma emoção presente em muitos casais, que esconde um construto psicológico cada vez mais relevante e presente no estabelecimento e na manutenção dos relacionamentos entre casais: a dependência emocional.

O que é a dependência emocional?

A necessidade de relações sociais e vínculos com os outros é inerente ao ser humano. Satisfazê-la de maneira saudável é de vital importância para alcançar uma identidade forte, capaz de confiar nos outros e manter um autoconceito adequado, sem ansiedade por uma rejeição ou abandono hipotético (Bornstein, Geiselman, Eisenhart e Languirand, 2002).

No entanto, quando essa necessidade é exorbitante e absoluta, os relacionamentos perdem sua condição saudável e adquirem um caráter negativo. Essa necessidade exagerada de vínculo é o que desperta o medo em uma relação, um medo incontrolável por causa de um abandono que é sempre visto como iminente.

Autores como Urbiola e seus colegas (2017) definem pessoas com dependência emocional da seguinte maneira:

  • Tendência a sentir ansiedade e angústia.
  • Desejo de controle sobre os outros, especialmente sobre o parceiro.
  • Um vazio interior que eles não podem preencher com nenhuma outra pessoa.
  • Desconforto diante da solidão.
  • Priorização do parceiro sobre qualquer outra coisa.
  • Idealização das pessoas de quem dependem.
  • Constante necessidade de agradar aos outros.
  • Baixa autoestima.
Medo de ser abandonado pelo parceiro
A necessidade exagerada de vínculo é o que desperta o medo de ser abandonado pelo parceiro.

O que significa ter medo de ser abandonado pelo parceiro?

O medo de ser abandonado pelo parceiro é a base sobre a qual a dependência emocional é construída. Esse medo é tão intenso e tão atroz que dificulta o relacionamento do casal para ambas as partes. A pessoa com medo excessivo e predominante do abandono mantém comportamentos sufocantes para garantir que não será abandonada.

Você pode se interessar: Contato zero: o bálsamo da dependência emocional

Perguntar “você me ama?”

Alguns desses comportamentos consistem em verificar e controlar o que está acontecendo ao seu redor – são pessoas que não toleram bem a ambivalência. Isso pode levar a pessoa dependente a sufocar seu parceiro com esses comportamentos de verificação, que podem variar desde verificar suas redes sociais ou mensagens em seus telefones celulares, perguntar ao parceiro com quem eles estão conversando a qualquer momento ou precisar de uma resposta para as mensagens imediatamente.

Geralmente são pessoas que entendem que a falta de um “eu te amo” é sinônimo de falta de amor na relação. Por esse motivo, estão constantemente checando se os sentimentos de seus parceiros não mudaram. Eles perguntam se são amados, se continuam gostando deles, se são chatos, se o parceiro está procurando outra coisa, se são amados novamente, etc. A resposta afirmativa a essas perguntas não impede que elas sejam feitas novamente.

Nunca ficam sozinhas (nem mesmo para sair para jantar)

Na mesma linha, e como consequência do pavor de ser abandonado, alguém com medo de ser abandonado pelo parceiro ou com dependência emocional nunca quer ficar ou se sentir sozinho. Eles evitam qualquer situação em que possam sentir esse abandono e, portanto, são pessoas restritivas.

Não se deve esquecer que, como mencionado acima, essas pessoas tendem a ter um autoconceito muito negativo de si mesmas e uma baixa autoestima. Elas veem a ameaça de abandono em todas as situações, em todas as pessoas, em todos os momentos.

Desejos de exclusividade

A baixa autoestima não permite que elas sejam intransigentes e violentas em seus pedidos, pois não querem perder o parceiro. Portanto, elas não costumam impor nada ao outro, mas são emocionalmente instáveis. Isso significa que, se seu parceiro quiser sair com seus amigos ou sair de férias com eles, elas certamente não o proibirão.

No entanto, telefonarão dez vezes por dia em um estado mental submerso e, nas semanas anteriores, experimentarão sentimentos severos de angústia e ansiedade com medo de abandono ou solidão. Isso pode levar o parceiro da pessoa dependente a não fazer mais esses planos devido às consequências emocionais que podem ocorrer para o outro.

A deterioração do relacionamento como resultado do medo de ser abandonado

Não é preciso dizer que, com todos os componentes comportamentais, cognitivos e emocionais que surgem do medo do abandono, a relação geralmente não vai muito bem. Quase sempre, há uma clara deterioração da união ou um relacionamento tóxico e sem equilíbrio. Viver com uma pessoa com dependência emocional geralmente significa ter que pagar um preço que nunca para de aumentar e que se torna cada vez mais difícil de lidar.

Isso não só pode levar ao esgotamento da paciência do parceiro como também a ter que se submeter às demandas da pessoa dependente. Embora viver sob esse jugo, sem dúvida, demonstre que algo não vai bem no relacionamento, muitas vezes o desejo de agradar e satisfazer o parceiro faz com que o outro assuma uma série de comportamentos.

O outro está acostumado com a pessoa dependente colocando tudo à sua frente. Portanto, se o fundamento do relacionamento foi construído a partir da dependência emocional, é muito difícil para o parceiro não esperar ser colocado em primeiro lugar. Por esse motivo, ele acaba participando da dependência emocional de seu parceiro, e o medo do abandono se torna patológico em um e lucrativo para o outro.

Relacionamento tóxico
Uma das consequências do medo do abandono é a deterioração do relacionamento.

O verdadeiro problema da dependência emocional: violência de gênero

Em um estudo do Instituto Andaluz de Sexologia e Psicologia, as pessoas dependentes na Espanha representaram 49% de todos os participantes. Na sua versão mais clinicamente significativa, 8%. A maioria dos indivíduos desse grupo era composta por mulheres.

O que é particularmente preocupante nesta tabela é que ela tem uma incidência em jovens de 16 a 31 anos de 24%. Além disso, 74% são mulheres e 25% homens. Esses dados sugerem que, sem dúvida, este é um problema crescente na população jovem. Por esse motivo, é essencial desenvolver programas voltados aos jovens para a promoção da saúde mental.

O exposto é relevante pois autores como Amor e Echeburúa (2010) consideram a dependência emocional um tipo de característica emocional de mulheres que sofrem violência machista.

A realidade é que 25% das meninas entre 16 e 19 anos já foram e se sentiram controladas por seus parceiros.

Outros asseguram que o aumento de casos de dependência emocional em jovens está ocorrendo de forma vertiginosa, em graus extremamente preocupantes. Embora existam campanhas e programas de intervenção para trabalhar com a população emocionalmente dependente, apenas planos de prevenção foram preparados, ou seja, para antes da aparição do problema. 

Leia também: 5 sinais de alerta de um relacionamento emocionalmente abusivo

Planos de prevenção

A revisão da literatura sugere uma série de fatores de risco e características de pessoas com dependência emocional que podem ser prevenidos, treinados e aprimorados desde tenra idade, em resposta a essa epidemia em jovens durante seus primeiros relacionamentos. Alguns desses fatores são:

  • Fracas habilidades sociais e falta de assertividade.
  • Crenças rígidas sobre o amor romântico.
  • Lócus de controle externo.
  • Baixa autoestima.

No caso da violência de gênero, se fatores como assertividade, habilidades sociais, força emocional e alta autoestima forem cultivados, será muito menos provável que um adolescente se torne emocionalmente dependente de seu parceiro ou que estabeleça relações com um colega emocionalmente dependente.

Os planos de prevenção são propostos como armas para não aceitarmos os comportamentos daqueles com medo de abandono e dependência emocional, bem como para não nos tornarmos emocionalmente dependentes de ninguém.

  • Bornstein, R.F. (1992). The dependent personality: Developmental, social, and clinical perspectives. Psychological Bulletin, 112 (1), 3-23
  • Cabello, F. (2017). Dependencia emocional en la juventud: la nueva esclavitud del siglo XXI. En M.A. Cabello, M.A., F.J. Del Río y F. Cabello (Eds.) Avances en Sexología Clínica. (pp. 207-213). Jérez de la Frontera: Sotavento.
  • Urbiola, I., Estévez, A., Iruarrizaga, I. y Jauregui, P. (2017). Dependencia emocional en jóvenes: relación con la sintomatología ansiosa y depresiva, autoestima y diferencias de género. Ansiedad y estrés, 23(1), 6-11.