7 medidas preventivas contra o acidente vascular cerebral

20 Julho, 2020
Segundo a Sociedade Europeia de Cardiologia, o grupo populacional com maior risco de derrame é o de mulheres. Vamos ver alguns hábitos importantes para evitá-lo.
 

O acidente vascular cerebral ou derrame ocorre quando o suprimento de sangue para uma região do cérebro é cortado, o que pode causar danos e até a morte dos neurônios. Para evitá-lo, neste artigo indicamos 7 medidas preventivas contra o AVC.

Segundo a Sociedade Europeia de Cardiologia, o grupo populacional de maior risco é o de mulheres, uma vez que 60% das mortes por acidente vascular cerebral ocorrem nesta população. Em que consiste? Como reduzir o risco? Descubra a seguir!

O que é um derrame?

O acidente vascular cerebral é uma doença cerebrovascular que afeta os vasos sanguíneos que fornecem sangue ao cérebro. Um AVC ocorre quando um vaso sanguíneo que leva sangue ao cérebro se rompe ou é bloqueado por um coágulo ou outra partícula.

Devido a esse colapso ou bloqueio, parte do cérebro não recebe o fluxo de sangue, oxigênio e glicose necessário. A consequência é que as células nervosas da área afetada do cérebro não recebem oxigênio e, portanto, não podem funcionar e morrem depois de alguns minutos.

Leia também: 6 dicas para prevenir um derrame

Quais são os fatores de risco?

Homem fumando
A prática de maus hábitos, como fumar e consumir bebidas alcoólicas excessivamente, aumenta o risco de derrame.

A maioria dos casos de AVC pode ser evitada. Uma em cada seis pessoas no mundo sofrerá um derrame, no entanto, se os fatores de risco forem controlados, até 80% dos casos poderão ser evitados, segundo especialistas. Os fatores de risco mais comuns são:

 
  • Hiperlipidemia: níveis elevados de colesterol estão entre os principais fatores de risco para um derrame. Tanto na Europa quanto no Brasil, vem ocorrendo um aumento do número de pacientes com hiperlipidemia.
  • Tabagismo: de acordo com a Federación Española de Daño Cerebral, diferentes estudos apontam a nicotina, gases oxidantes e monóxido de carbono que compõem o tabaco como culpados na relação direta entre o tabagismo e o aumento do risco de derrame.
  • Diabetes: Esta doença aumenta o risco de sofrer um acidente vascular cerebral entre 2 e 4 vezes, principalmente o diabetes tipo 2.
  • Idade avançada: três quartos dos acidentes vasculares cerebrais afetam pacientes com mais de 65 anos.
  • Ter pressão alta: a hipertensão arterial é o principal fator de risco para um acidente vascular cerebral. Inclusive, outros riscos dependem disso.
  • Consumir álcool em excesso: o excesso de álcool pode elevar a pressão arterial, aumentar a obesidade, os triglicerídeos, favorecer o surgimento do câncer e de outras doenças, causar insuficiência cardíaca e, consequentemente, causar um derrame.
  • Herança e raça da família: o risco de sofrer um derrame é maior se alguém da família o teve. As pessoas de ascendência africana correm mais risco de morte e incapacidade do que outras populações, em parte porque a pressão alta é mais prevalente nessa raça e esse problema é um fator de risco importante para o AVC.

Medidas preventivas contra o AVC

Considerando os fatores de risco envolvidos, é importante se concentrar naqueles que podem ser modificados para evitar sofrer um derrame. As principais medidas preventivas contra o acidente vascular cerebral são:

 

1. Uma dieta saudável

Gorduras saudáveis
Uma dieta saudável é decisiva para a prevenção do derrame. Alimentos ricos em antioxidantes e ácidos graxos ômega 3 são altamente recomendados.

A dieta deve ser variada, rica e saudável, especialmente focada em alimentos com pouco sal e com pouca gordura. Frutas, verduras e cereais integrais, além de peixes, não podem faltar em uma dieta saudável.

2. Praticar esportes

É importante se exercitar regularmente para se proteger dos derrames. É suficiente fazer isso de maneira moderada. Caminhar uma hora por dia é suficiente para evitar derrames, embora nunca seja demais praticar outros tipos de atividades.

3. Parar de fumar

Abandonar o cigarro está entre os requisitos essenciais para evitar sofrer um derrame. Dentro de 15 anos após o abandono, o risco de desenvolver doença vascular é igual ao de pessoas que nunca fumaram.

4. Controlar a pressão arterial

A pressão arterial deve ser mantida dentro dos limites considerados saudáveis, pois a hipertensão é um dos principais fatores de risco para um acidente vascular cerebral.

Isso também pode te interessar: Sinais que permitem detectar a tempo um derrame cerebral e como preveni-lo

5. Controlar o colesterol

Manter níveis saudáveis ​​de colesterol é outra das medidas preventivas contra um AVC. Considera-se que os níveis de colesterol estão elevados (hipercolesterolemia) quando superam 200 mg/dl. Portanto, se tivermos colesterol alto, devemos recorrer a uma alimentação adequada, exercício físico e, em alguns casos, medicação.

 
Medidas preventivas contra o AVC
A medição regular dos níveis de colesterol é essencial para evitar o AVC. É fundamental mantê-lo em níveis estáveis para evitar complicações cardiovasculares.

6. Verificar os níveis de açúcar no sangue

A quantidade de açúcar no sangue também deve estar dentro dos valores saudáveis recomendados pelas autoridades e especialistas em saúde. No caso dos diabéticos, o tratamento deve ser seguido à risca para que não ocorram episódios de hiperglicemia.

7. Reduzir o consumo de álcool

O consumo de álcool deve ser moderado e inclusive abandonado completamente nos casos em que há um ou mais fatores de risco para um derrame.

Lembre-se de que um estilo de vida saudável reduz significativamente os fatores de risco para esta doença. Portanto, uma alimentação adequada, exercícios físicos regulares e a redução ou eliminação do consumo de tabaco e álcool aumentam significativamente a probabilidade de evitar um derrame.

 
  • Gállego J., Herrera M., Jericó I., Muñoz R., Aymerich N., Martínez-Vila E.. El ictus en el siglo XXI: Tratamiento de urgencia. Anales Sis San Navarra  [Internet]. 2008;  31( Suppl 1 ): 15-29. Disponible en: http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1137-66272008000200003&lng=es.
  • Martínez-Vila, E., & Irimia, P. (2000). Factores de riesgo del ictus. In Anales del sistema sanitario de Navarra (Vol. 23, pp. 25-31).
  • Ustrell-Roig, X., & Serena-Leal, J. (2007). Ictus. Diagnóstico y tratamiento de las enfermedades cerebrovasculares. Revista Española de Cardiología60(7), 753-769.
  • Cómo seguir sin fumar. Smokefree – National Institute of Health. https://espanol.smokefree.gov/deje-de-fumar/como-seguir-sin-fumar
  • Autores varios. 2012. Guía para el tratamiento preventivo del ictus isquémico y AIT (I). Actuación sobre los factores de riesgo y estilo de vida. Neurología. https://www.elsevier.es/es-revista-neurologia-295-articulo-guia-el-tratamiento-preventivo-del-S0213485311002611
  • Alimentación sana. 2018. Organización Mundial de la Salud. https://www.who.int/es/news-room/fact-sheets/detail/healthy-diet
  • El tabaco representa uno de los mayores riesgos para sufrir un ictus entre millones de fumadores. 2017. Federación Española de Daño Cerebral. https://fedace.org/index.php?&PHPSESSID=72k4puqeefb0459rnec21qa142&V_dir=MSC&V_idmod=62&idn=1678
  • Accidente cerebrovascular (ictus). 2017. Manual MSD. https://www.msdmanuals.com/es/hogar/breve-informaci%C3%B3n-trastornos-cerebrales,-medulares-y-nerviosos/accidente-cerebrovascular-acv/accidente-cerebrovascular-ictus
  • Vila-Corcoles Á, Satue-Gracia E, Ochoa-Gondar O, et al. Incidencia y letalidad del ictus isquemico en la poblacion mayor de 60 años del area de Tarragona, España (2008-2011) [Incidence and lethality of ischaemic stroke among people 60 years or older in the region of Tarragona (Spain), 2008-2011]. Rev Neurol. 2014;59(11):490-496.
  • Nivel de colesterol alto. Mayo Clinic. https://www.mayoclinic.org/es-es/diseases-conditions/high-blood-cholesterol/symptoms-causes/syc-20350800