6 dicas para prevenir um derrame

03 Janeiro, 2020
Existem muitos fatores que podem desencadear um acidente vascular cerebral. Felizmente, a prática de alguns bons hábitos favorece a redução dos riscos

Existem muitos hábitos saudáveis ​​que podem nos ajudar a prevenir um derrame. Embora esta doença possa aparecer devido a fatores que não podem ser controlados, um estilo de vida saudável é crucial para minimizar os riscos.

A patologia ocorre quando algo interrompe ou diminui o suprimento de sangue para o cérebro. Ao cortar o suprimento de oxigênio e nutrientes, os tecidos cerebrais sofrem danos severos que frequentemente causam desfechos fatais.

O mais preocupante é que o número de pessoas afetadas está aumentando, e há milhões de pessoas correndo risco. Embora tenham aumentado as campanhas para advertir sobre seus efeitos, muitos ainda ignoram tudo o que pode ser feito para evitá-lo.

Quais são as causas de um derrame?

Um derrame, ou acidente vascular cerebral (AVC), ocorre quando há um bloqueio no suprimento de sangue em qualquer parte do cérebro. Essa situação provoca a morte das células cerebrais e, portanto, suas consequências são bastante sérias.

A maioria dos casos é causada pela obstrução de uma das artérias (acidente vascular cerebral isquêmico). Também pode ser causado pela ruptura de um vaso sanguíneo ou pela interrupção temporária da circulação no cérebro.

Fatores de risco

Ter algumas doenças e manter um estilo de vida sedentário aumenta consideravelmente as chances de desenvolver essa doença. Em detalhes, alguns dos principais fatores de risco são, de acordo com este estudo realizado pelo Comitê Permanente de Saúde Pública do Equador:

  • Estar acima do peso ou obeso
  • Não fazer atividade física
  • Consumir bebidas alcoólicas em excesso
  • Ingerir drogas ilegais, como cocaína e metanfetaminas
  • Ter colesterol alto
  • Sofrer de pressão alta
  • Ser viciado em tabaco
  • Ter apneia obstrutiva do sono
  • Ser diabético
  • Sofrer de outros problemas cardiovasculares: insuficiência cardíaca, defeitos cardíacos, infecção cardíaca, etc.

Sintomas de um derrame

Conhecer alguns dos sintomas de um derrame é fundamental para lidar com a emergência assim que ela for percebida. Embora possam se manifestar de várias maneiras, atendê-las imediatamente é fundamental para o prognóstico:

  • Problemas para conversar e entender.
  • Paralisia ou dormência da face, braços ou pernas.
  • Dificuldade de ver com um ou ambos os olhos.
  • Dores de cabeça intensas.
  • Náusea, tontura e vômito.
  • Problemas para andar e perda de equilíbrio.
Mulher com dor de cabeça

Dicas para prevenir um derrame

Não é necessário fazer parte de nenhum dos grupos de risco para começar a prevenir um derrame. Na verdade, qualquer pessoa, mesmo se considerada saudável, deve seguir algumas orientações para cuidar da saúde do cérebro e do coração.

1. Exercício físico

O exercício físico é um dos hábitos mais eficazes para prevenir um derrame e melhorar o sistema cardiovascular, conforme sugerido por este estudo do Hospital Universitário Donostiarra (Espanha). Basta dedicar cerca de 150 minutos por semana para obter seus benefícios.

Isso significa fazer 5 sessões de 30 minutos. Algumas atividades recomendadas são:

  • Andar de bicicleta.
  • Pular corda.
  • Caminhar em um ritmo acelerado.
  • Fazer natação.
  • Praticar aulas de zumba.
  • Exercícios com pesos.

2. Monitore seu colesterol

A hipercolesterolemia, ou seja, o colesterol alto, é um dos principais responsáveis ​​pelo derrame, de acordo com este estudo da Universidade Nacional de San Marcos. Como essa substância se acumula nas artérias, pode produzir um bloqueio que desencadeia o ataque. Algumas maneiras de mantê-lo sob controle são:

  • Limitar o consumo de gorduras e fontes de colesterol.
  • Fazer exercícios regulares.
  • Aumentar o consumo de fibra.
  • Manter um peso saudável.

3. Adote uma dieta saudável

É essencial enfatizar os alimentos, pois a nutrição adequada é essencial para proteger a saúde do cérebro. Seguir um plano alimentar equilibrado e controlado de calorias reduz significativamente os riscos. Portanto, verifique se você:

  • Come muitas frutas e vegetais frescos.
  • Faz entre cinco e seis refeições por dia.
  • Limita o consumo de alimentos processados e sal.
  • Bebe bastante água.
  • Ingere proteínas e carboidratos moderadamente.
Alimentação saudável

4. Evite o cigarro

As toxinas que o tabaco contém afetam diretamente a saúde arterial. Por deteriorarem e endurecerem as artérias, aumentam o risco de coágulos sanguíneos, doença coronariana e aneurisma, conforme um estudo realizado pelo Hospital Clínico Cirúrgico “Hermanos Ameijeiras” (Cuba). Portanto, parar de fumar não é uma opção, mas uma necessidade.

5. Controle a pressão arterial

Ter pressão alta ou episódios esporádicos de pressão alta é o principal fator de risco para uma doença cerebrovascular. Para reduzir o risco de patologia, é essencial seguir as instruções médicas para mantê-lo nos níveis recomendados.

6. Mantenha um peso saudável

Os pacientes com sobrepeso e obesidade fazem parte de um dos principais grupos de risco para essa doença grave, conforme afirmado no estudo anterior do Hospital Clínico Cirúrgico “Hermanos Ameijeiras” (Cuba). O acúmulo de gordura, principalmente na área da cintura, afeta a circulação sanguínea e aumenta o risco de coágulos e danos no sangue.

Se o índice de massa gorda for igual ou superior a 30, o risco para o coração e o cérebro é alto. Então, o ideal é que fique abaixo de 25.

Como vimos, a adoção de hábitos saudáveis ​​e o controle e a vigilância de algumas doenças são as formas mais apropriadas para prevenir um derrame. Da mesma forma, se houver fatores de risco significativos, é essencial solicitar exames médicos regulares.

  • Moyle, S. (2018). Stroke (Cerebrovascular Accident). Australian Nursing & Midwifery Journal. https://doi.org/http://www.who.int/topics/cerebrovascular_accident/en/index.html
  • Devaprasad, V. D., & Ramakrishnan, N. (2012). Cerebrovascular accident. In ICU Protocols: A Stepwise Approach. https://doi.org/10.1007/978-81-322-0535-7_26
  • Kernan, W. N., Ovbiagele, B., Black, H. R., Bravata, D. M., Chimowitz, M. I., Ezekowitz, M. D., … Wilson, J. A. (2014). Guidelines for the prevention of stroke in patients with stroke and transient ischemic attack: A guideline for healthcare professionals from the American Heart Association/American Stroke Association. Stroke. https://doi.org/10.1161/STR.0000000000000024
  • Voukalis, C., Shantsila, E., & Lip, G. Y. H. (2017). Stroke prevention in atrial fibrillation. Journal of the Royal College of Physicians of Edinburgh. https://doi.org/10.4997/JrcPe.2017.105
  • Isabel, C., Calvet, D., & Mas, J. L. (2016). Stroke prevention. Presse Medicale. https://doi.org/10.1016/j.lpm.2016.10.009