Máscaras de simulação de altitude: tudo que você precisa saber

As máscaras de simulação de altitude vieram para ficar, mas elas realmente são eficazes? A ciência não é clara quanto a isso. A seguir, trazemos os estudos mais relevantes a respeito.
Máscaras de simulação de altitude: tudo que você precisa saber

Última atualização: 02 Julho, 2021

O mercado tem se encarregado de facilitar as nossas vidas de várias maneiras. Hoje encontramos equipamentos esportivos, como máscaras de simulação de altitude, que prometem melhorar o desempenho. No entanto, muitos duvidam do seu verdadeiro impacto e há poucas evidências científicas sobre os seus benefícios.

Também conhecidas como training masks, elas são usadas para simular o treinamento em altitude. De acordo com a promessa de venda, são utilizadas com o objetivo de aumentar o rendimento dos atletas recriando os efeitos da altitude. Além disso, prometem aumentar a capacidade pulmonar e o suprimento de oxigênio aos capilares.

O treinamento em altitude consiste na realização de exercícios contínuos por 2 ou 3 semanas com baixa concentração de oxigênio no ar. Para quê? A ideia é alcançar um maior desempenho em corredores profissionais e atletas de resistência. Isso levaria a um aumento dos glóbulos vermelhos e do hematócrito (proporção de glóbulos vermelhos em relação ao volume total de sangue).

O que são as máscaras de simulação de altitude?

Até agora dissemos para que servem as máscaras de simulação de altitude, mas não o que são. Elas são máscaras semelhantes a máscaras cirúrgicas, e cobrem a boca e o nariz.

São feitas de neoprene, material que se ajusta facilmente, absorve o suor e pode ser lavado sem problemas.

Geralmente possuem velcro nas extremidades para uma melhor aderência, evitando que o oxigênio entre pelas diferentes partes das válvulas. Essas seções também evitam a entrada de poeira, água ou areia, dependendo do terreno.

Quais benefícios foram atribuídos às máscaras de simulação de altitude?

Como mencionamos, há pouca literatura que comprove os benefícios do uso de máscaras de hipóxia. No entanto, falaremos sobre aqueles que foram atribuídos a esses elementos.

Hemoglobina
Esses elementos têm como objetivo aumentar a concentração de glóbulos vermelhos no sangue.

Preparação para competições

Sem dúvida, os atletas devem considerar muito bem as condições do local onde irão competir. Estudos revisaram o impacto físico e psicológico do treinamento em altitude em atletas de elite.

Acredita-se que as máscaras de hipóxia possuam o benefício de preparar o atleta para enfrentar competições em ambientes com baixa concentração de oxigênio.

Aprender a respirar

Claro que todos nós sabemos respirar, pois esta é uma função vital, mas no caso dos atletas, a respiração vai mais longe. Na hora de praticar um esporte, é preciso aprender a fazê-lo com eficiência para evitar o cansaço.

Como a máscara simula um ambiente com baixo nível de oxigênio, você aprende a otimizá-lo e controlá-lo.

Aumentar o desempenho

Estudos sobre treinamento em hipóxia indicam que este é um método eficaz para aumentar o desempenho aeróbico em atletas. De fato, está comprovado que há uma melhora nos níveis de lactato, aumentando a potência gerada e o esforço percebido.

Como a máscara de altitude simula o treinamento de hipóxia, ela é creditada com esse benefício. Bem como o aumento dos glóbulos vermelhos, por produzir eritropoietina (EPO), proporcionando uma maior capacidade de esforço aos músculos.

Fortalece o sistema respiratório

Acredita-se que essas máscaras tenham o benefício de aumentar a capacidade pulmonar, maximizando a captação de oxigênio. Com menos gás disponível, é necessário fazer respirações mais profundas, fazendo com que os pulmões se expandam até a sua capacidade total.

Esses tipos de respiração profunda também fortalecem o diafragma e outros músculos envolvidos no processo respiratório. Além disso, os alvéolos pulmonares adquirem uma maior elasticidade e, portanto, melhoram sua capacidade de inspirar oxigênio.

Hipertrofia muscular

Uma pesquisa indicou que o treinamento hipóxico, junto com o treinamento de força, pode ter um efeito de hipertrofia muscular. Isso porque leva a uma série de adaptações morfológicas no tecido musculoesquelético.

As máscaras de simulação de altitude realmente funcionam?

Antes de começar a usar as máscaras de simulação de altitude, é necessário que você consulte um especialista para evitar possíveis complicações. Agora, as máscaras de simulação funcionam ou não? A resposta é sim e não.

Os especialistas debateram o assunto e chegaram à conclusão, de acordo com os estudos que citamos, que um treinamento com essa máscara por 4 a 6 semanas pode melhorar a musculatura pulmonar. No entanto, seu uso não é um método de simulação de treinamento de hipóxia verdadeiramente eficiente.

Treino com máscara de altitude
Os benefícios desses instrumentos não são claros. Eles poderiam melhorar os músculos da função respiratória com 1 mês de uso.

Quais são os riscos?

Um dos maiores riscos é a falta de conhecimento a respeito de como regular a quantidade de oxigênio de que precisamos para nos mantermos saudáveis. É necessário conhecer o funcionamento das válvulas e regulá-las muito bem, de acordo com a capacidade do atleta.

Se surgirem sintomas, como dormência súbita dos órgãos e sensação de extrema fadiga, é necessário procurar atendimento médico, pois pode ocorrer um estado de hipóxia.

Por outro lado, há pessoas que não deveriam usar essa máscara. Entre elas, encontramos aquelas que sofrem de ataques de pânico e mulheres grávidas. Também aquelas que se submeteram a um transplante de órgão, têm hipotireoidismo ou são hipertensas.

Você tem mais dúvidas sobre as máscaras de simulação de altitude?

Se apesar das informações que passamos sobre as máscaras de simulação de altitude você ainda tiver dúvidas, pode consultar o seu instrutor de exercícios. Não é recomendável tomar a decisão de treinar com elas sem acompanhamento profissional.

Pode interessar a você...
Como prevenir a morte súbita no esporte?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Como prevenir a morte súbita no esporte?

As notícias sobre atletas que morrem praticando exercícios costumam viralizar nas redes sociais. Saiba mais sobre a morte súbita no esporte.



  • Ramos-Campo, D.J.; Martínez, F.; Esteban, P.; Rubio-Arias, J.A. y Jiménez, J.F. (2016). Entrenamiento en hipoxia intermitente y rendimiento ciclista en triatletas. Revista Internacional de Medicina y Ciencias de la Actividad Física y el Deporte vol. 16 (61) pp. 139-156. Disponible en: http://cdeporte.rediris.es/revista/revista61/artefectos677.htm
  • Diego Fernández-Lázaro. Joseba Díaz, Alberto Caballero, Alfredo Córdova. Entrenamiento de fuerza y resistencia en hipoxia: efecto en la hipertrofia muscular. Biomédica 2019;39:212-20. Doi: https://doi.org/10.7705/biomedica.v39i2.4084
  • Tarqui-Silva, Leonardo. Grado de impacto de la evaluación psicológica durante el entrenamiento en altura con atletas de élite. Revista Investigaciones Altoandina, Vol. 17, Nº. 2, 2015. Pág. 201-206. ISSN 2306-8582, ISSN-e 313-2957
  • Análisis de hematocrito. Mayo Clinic.
  • Los pulmones y el ejercicio. Hoja informativa de la European Lung Foundation (ELF).