Luxação congênita do quadril em bebês

17 Setembro, 2020
A luxação congênita do quadril afeta 1 em cada 1.000 bebês, e uma leve instabilidade é observada nessa articulação em 1 em cada 3 bebês. As meninas são mais propensas a desenvolver essa anormalidade.
 

A luxação congênita do quadril em bebês é uma condição na qual a articulação do quadril é anormal. Também é conhecida como displasia do desenvolvimento do quadril.

Alguns bebês nascem com essa malformaçãoCaracteriza-se pelo fato de a cabeça do fêmur não se encaixar adequadamente na articulação, o que pode levar à claudicação e dor posteriormente.

Também pode acontecer que, nos casos mais graves, essa condição seja incapacitante para a pessoa que sofre dela.

A luxação congênita do quadril afeta 1 em cada 1.000 bebês e uma leve instabilidade é observada nessa articulação em 1 em cada 3 crianças. Além disso, as meninas são mais propensas a desenvolvê-la.

Causas de luxação congênita do quadril

Luxação congênita do quadril

A luxação congênita do quadril é considerada uma condição de “herança multifatorial”, o que significa que o defeito de nascimento pode ser causado por muitos fatores, geralmente genéticos e ambientais.

Uma das influências ambientais que pode contribuir para a displasia de quadril é a resposta do bebê aos hormônios da mãe durante a gravidez. Um útero estreito que não permite o movimento fetal ou um parto pélvico também podem causar displasia de quadril.

 

Geralmente, o quadril esquerdo tem maior probabilidade de ser afetado do que o quadril direito, pela posição do feto dentro do útero.

Os bebês primogênitos têm um risco aumentado de deslocamento dessa articulação. Isso ocorre porque o útero da mãe primípara é menor e o espaço para o bebê se mover é mais limitado, o que afeta o desenvolvimento do quadril.

Outros fatores de risco podem ser:

  • Histórico familiar de displasia do desenvolvimento do quadril ou ligamentos altamente flexíveis.
  • A posição do bebê dentro do útero, principalmente a posição pélvica.
  • Associações com outros problemas ortopédicos, como o metatarsus adductus, malformação de pé torto, patologias congênitas e outras síndromes.

Quais sintomas ela pode desencadear?

Em bebês recém-nascidos, os sinais de luxação congênita do quadril são muito sutis e podem passar despercebidos pelos pais.

No entanto, o exame dos quadris faz parte da rotina dos exames clínicos que os pediatras realizam nos recém-nascidos.

Leia também: 4 dicas para fazer seu filho feliz antes do nascimento

Alguns dos sintomas mais característicos da luxação congênita do quadril em bebês são:

  • Detecção de um clique ou som oco durante a manobra do quadril.
  • Dificuldade em mover uma perna em relação à outra.
  • Assimetria do membro inferior, notando uma perna mais curta que a outra.
  • Assimetria nas dobras que normalmente são observadas na virilha de uma perna em relação à outra.
  • Claudicação ao caminhar: isso seria um sinal tardio. Normalmente, é detectado nos primeiros meses de vida do bebê, antes que ele comece a andar.
 

Como esse problema pode ser diagnosticado?

O diagnóstico pode ser feito desde o momento do nascimento, quando o bebê faz seu primeiro exame físico. Para isso, é realizada uma manobra chamada Ortolani-Barlow. Quando essa manobra é positiva, o diagnóstico é confirmado com ultrassom ou radiografia do quadril. Às vezes, também é realizada uma consulta com um cirurgião ortopédico infantil.

Tratamento da luxação congênita do quadril

Antes dos 6 meses, nem todos os casos precisam ser tratados ortopedicamente. Os tratamentos variam de acordo com a gravidade do caso e a idade da criança.

Porém, nos casos mais leves, recomenda-se um tratamento postural, como posicionar o bebê em posição montada (de montaria) ou colocá-lo para dormir de barriga para cima e com as pernas abertas, para tentar fazer com que o osso volte à sua posição natural.

Não deixe de ler: Aprenda a melhorar sua postura seguindo esses simples passos

À medida que a doença piora, são utilizadas próteses macias ou rígidas e outros tratamentos, como o arnês Pavlik. Este dispositivo é formado por tiras que mantêm os quadris em flexão de 100 graus para reduzir o deslocamento.

Se mesmo com os tratamentos ortopédicos não for possível corrigir a luxação, a cirurgia seria a última solução.

 
  • Seringe, R. (2012). Luxación congénita de cadera. EMC – Tratado de Medicina. https://doi.org/10.1016/s1636-5410(99)70023-1
  • Carlos, R. (2014). Cadera congénita. Ccap.
  • Nazer, J. H., Eugenia Hübner, M. G., Cifuentes, L. O., Mardones, C. B., Pinochet, C. M., & Loreto Sandoval, M. S. (2009). Luxación congénita de cadera. Displasia evolutiva de la cadera (DEC). Rev Hosp Clín Univ Chile.