Quais são as causas da prematuridade?

02 Julho, 2020
Muitas vezes, as causas da prematuridade não são conhecidas. No entanto, existem certos fatores de risco associados a um estilo de vida inadequado que podem aumentar a sua frequência.

Uma gravidez completa corresponde a 40 semanas, e um bebê prematuro é aquele que nasce antes das 37 semanas de gestação. Hoje falaremos sobre as principais causas da prematuridade, uma situação que envolve um certo risco.

A prematuridade supõe uma imaturidade de todos os órgãos e sistemas do bebê. Também aumenta a incidência de patologias que complicam o desenvolvimento. Neste artigo, explicaremos os tipos de prematuridade e o que pode desencadeá-los.

Tipos de prematuridade

Quando um bebê nasce, pode ser prematuro ou pré-termo (menos de 37 semanas de gestação), a termo (37 a 42 semanas) ou pós-termo (nascido após 42 semanas de gestação). No entanto, na prematuridade, encontramos:

  • Prematuro extremo: é aquele que nasce antes das 28 semanas de gestação.
  • Recém-nascido muito prematuro: nascido entre 29 e 32 semanas de gestação.
  • Prematuro moderado: entre 32 e 35 semanas de gestação.
  • Prematuro tardio: nascido entre 35 e 37 semanas de gestação.

A maioria nasce poucas semanas antes e não apresenta problemas relacionados à prematuridade. No entanto, com menos semanas de gestação, há um risco aumentado de complicações graves e até fatais. A prematuridade extrema pode causar a morte dos recém-nascidos.

Além disso, os bebês prematuros correm um maior risco de problemas a longo prazo, como os relacionados a atrasos no desenvolvimento e distúrbios de aprendizagem. No entanto, a maioria das crianças nascidas prematuramente cresce sem dificuldades a longo prazo. 

Leia também: Por que o aborto espontâneo pode ocorrer?

Causas da prematuridade

Parar de fumar
Evite os vícios para minimizar os riscos de parto prematuro.

Muitas das causas da prematuridade são desconhecidas. No entanto, alguns fatores de risco foram identificados, como:

  • Ser adolescente ou mulher com mais de 40 anos de idade.
  • Pertencer a um baixo nível socioeconômico. Isso faz com que o pré-natal seja inadequado.
  • Estar grávida de gêmeos, trigêmeos ou mais.
  • Uma dieta pouco equilibrada. Mulheres muito magras correm mais risco de prematuridade. Possivelmente, isso ocorre devido a uma diminuição no fluxo uterino devido à má nutrição. A obesidade também é considerada um fator de risco. O tecido adiposo produz proteínas inflamatórias que desencadeiam o parto espontâneo.
  • Ter infecções durante a gravidez. Estas incluem infecções do trato urinário e doenças sexualmente transmissíveis.
  • Já ter sofrido um caso de prematuridade. É o fator de risco mais importante. O número de partos prematuros e a idade gestacional em que esses bebês nasceram prematuramente marcam o risco da nova gravidez.
  • Ter problemas no coração, nos rins, pressão alta ou diabetes.
  • Ter insuficiência cervical, quando o colo do útero começa a dilatar mais cedo.

Além disso, outros fatores que aumentam o risco de prematuridade são:

  • Uso de substâncias tóxicas: como tabaco, cocaína ou anfetaminas.
  • Fatores uterinos. Cirurgia uterina, malformações ou miomas influenciam a prematuridade.
  • Complicações da atual gravidez: sangramento no 2º ou 3º trimestre, alterações no volume de líquido amniótico, ruptura prematura de membranas, etc.

Não deixe de ler: É seguro consumir cafeína na gravidez?

Sintomas de risco

Existem vários sintomas que devem alertá-la se você estiver grávida. Diante deles, ou de qualquer outro problema, você deve consultar o seu médico. Em primeiro lugar, destaca-se o fato de sangrar durante o segundo ou terceiro trimestre. Isso pode causar a ruptura precoce das membranas. Portanto, pode causar prematuridade.

Segundo, podemos citar as contrações dolorosas antes do esperado. Elas podem ser um sinal de trabalho de parto prematuro. Se você perder líquido e não souber o que é, pode ser líquido amniótico. Este também é um sintoma de ruptura prematura de membranas.

Dicas para evitar que seu bebê nasça prematuro

Dieta saudável na gravidez
Durante a gravidez, um estilo de vida saudável ajuda a evitar os fatores de risco associados à prematuridade.

Embora, como já mencionamos, nem todas as causas sejam conhecidas, há uma série de recomendações para evitar a prematuridade. Antes de mais nada, se você já teve um bebê prematuro, espere 12 meses para engravidar novamente.

É aconselhável evitar o cigarro e qualquer substância tóxica durante a gravidez. Da mesma forma, você deve manter uma nutrição adequada, corrigindo qualquer desnutrição e anemia antes da gravidez. Também é recomendado seguir uma dieta pobre em gorduras e rica em ácidos ômega-3.

Quando o trabalho de parto começa muito antes do tempo, os médicos administram medicamentos à mulher grávida. Seu objetivo é atrasar ou interromper as contrações. Eles também procuram acelerar o desenvolvimento pulmonar do bebê para evitar complicações.

Conclusão sobre as causas da prematuridade

As taxas de prematuridade aumentaram nos últimos anos. Isso se deve, entre outras coisas, ao aumento da idade da mãe, bem como aos casos de hipertensão e diabetes. Outro aspecto é o fato de que o uso de tratamentos de fertilidade aumentou. Estes, por sua vez, causam mais gestações múltiplas.

Portanto, é necessário detectar os sintomas precocemente e consultar o seu médico diante de qualquer dúvida. Da mesma forma, os estudos e o atendimento oferecido precisam continuar avançando para aumentar a expectativa de vida dos bebês prematuros.

  • Causas y factores de riesgo de la Prematuridad. (n.d.). Retrieved April 22, 2019, from https://portal.hospitalclinic.org/enfermedades/prematuridad/causas-y-factores-de-riesgo
  • Prematuridad – Salud infantil – Manual MSD versión para público general. (n.d.). Retrieved April 22, 2019, from https://www.msdmanuals.com/es/hogar/salud-infantil/problemas-en-el-recién-nacido/prematuridad#v814229_es
  • Nacimientos prematuros. (n.d.). Retrieved April 22, 2019, from https://www.who.int/es/news-room/fact-sheets/detail/preterm-birth
  • Clark, R. H., Kelleher, A. S., Chace, D. H., & Spitzer, A. R. (2014). Gestational Age and Age at Sampling Influence Metabolic Profiles in Premature Infants. PEDIATRICS, 134(1), e37–e46. https://doi.org/10.1542/peds.2014-0329
  • Screening Examination of Premature Infants for Retinopathy of Prematurity. (2013). PEDIATRICS, 131(1), 189–195. https://doi.org/10.1542/peds.2012-2996
  • Postnatal Glucose Homeostasis in Late-Preterm and Term Infants. (2011). PEDIATRICS, 127(3), 575–579. https://doi.org/10.1542/peds.2010-3851
  • McGowan, J. E., Alderdice, F. A., Holmes, V. A., & Johnston, L. (2011). Early Childhood Development of Late-Preterm Infants: A Systematic Review. PEDIATRICS, 127(6), 1111–1124. https://doi.org/10.1542/peds.2010-2257