Infiltrações: a técnica que ajuda a aliviar dores e lesões

A infiltração é um método terapêutico simples, mas possui contraindicações. Aprenda tudo sobre esta técnica e seus usos a seguir.
Infiltrações: a técnica que ajuda a aliviar dores e lesões

Última atualização: 21 Setembro, 2021

As infiltrações são conhecidas no mundo dos esportes profissionais e cada vez mais no campo amador. É comum ler no noticiário que um atleta foi infiltrado para continuar uma partida ou que seu tratamento é baseado em infiltrações para retornar rapidamente à competição.

Existem defensores e detratores das infiltrações. A verdade é que a técnica vai além do uso atlético. Muitos pacientes com doenças reumáticas são infiltrados para reduzir a inflamação e a dor que sofrem nas articulações.

Também é verdade que pode haver um abuso na sua aplicação, o que pode gerar efeitos adversos que só são percebidos a longo prazo. Ou seja, um atleta pode sentir um grande alívio assim que se infiltrar, o que o levará a se esforçar demais sem sentir desconforto. No entanto, aquela junta que ultrapassou os limites pode se degradar e se ressentir meses ou até anos depois.

O que é uma infiltração?

Uma infiltração é uma injeção. O profissional que a aplica injeta uma substância farmacológica na articulação ou nos tecidos periarticulares, com a finalidade de aliviar, reduzir a inflamação ou melhorar os sintomas manifestados pelo paciente.

É muito difícil para uma infiltração ter efeitos de muito longo prazo. Por isso, este não costuma ser considerado um procedimento curativo. Na verdade, são mecanismos de alívio que podem persistir por muito tempo, mas nem sempre são definitivos.

Assim como a infiltração não é mágica, não é considerada uma opção única contra lesões articulares esportivas, muito menos em pacientes reumáticos. Devem ser sempre complementadas com outras abordagens conforme o caso, sejam elas terapias de reabilitação física ou medicamentos administrados por outros meios.

Não existe um único tipo de infiltração. A técnica é classificada de acordo com o local da punção e de acordo com a substância injetada. Em qualquer caso, suas variantes são relativamente baratas quando comparadas à cirurgia. Além disso, a facilidade de aplicação faz com que não sejam necessários grandes aparatos tecnológicos para seu uso.

Lesão no joelho que será tratada com infiltração
Lesões no joelho costumam ser candidatas a infiltrações quando os critérios médicos são atendidos.

Indicações das infiltrações

Para chegar à decisão de fazer uma infiltração, certos protocolos devem ser respeitados. Nem todas as lesões esportivas podem ou devem ser infiltradas, assim como nem todas as doenças reumáticas se beneficiam da injeção local.

Existem 3 condições gerais que permitem avaliar a possibilidade de infiltração em um paciente:

  1. Existe um processo inflamatório capaz de responder a um anti-inflamatório local, ou uma dor intensa e incapacitante pode ser reduzida com analgésicos ou anestésicos.
  2. O paciente esgotou outros recursos. Ou seja, os medicamentos administrados por via oral e a reabilitação física não provocaram melhora.
  3. Há contraindicação ao oferecimento do medicamento por outros meios.

Se esses critérios forem atendidos, o progresso é feito no sentido de confirmar que o diagnóstico do paciente está previsto para ser tratado com infiltrações. Aqui, é conveniente separar entre patologias reumáticas sistêmicas e lesões do sistema osteomioarticular, entre as quais incluímos as lesões esportivas.

As infiltrações são realizadas em pacientes com as seguintes condições:

Dentre as lesões articulares e periarticulares que são infiltradas com maior frequência, temos as seguintes:

Quando as infiltrações não são recomendadas?

Assim como existem indicações médicas para as infiltrações, existem circunstâncias, fatores e processos concomitantes que constituem uma contraindicação à técnica. Isso deve ser reconhecido pelo profissional médico para evitar complicações.

Embora a maioria dessas contraindicações se refira a situações de patologias crônicas e alterações em pacientes, as considerações que podem ser relevantes para um atleta não são desprezíveis. Como antecipamos na introdução, uma aplicação desnecessária levará a problemas futuros que não serão percebidos até anos depois.

Em primeiro lugar, sem um diagnóstico preciso, a infiltração não deve prosseguir. O traumatologista deve ter certeza sobre o quadro clínico para entender que o melhor é injetar essa ou aquela substância.

Em segundo lugar, infecções ativas e distúrbios hemorrágicos também contraindicam o procedimento. Se os tecidos a serem passados com a injeção puderem transportar bactérias para a articulação, isso é um perigo. Por outro lado, a falha de coagulação pode levar ao acúmulo de sangue nos tecidos das articulações.

Para os atletas, a contraindicação rigorosa seria um histórico prévio de infiltrações. Se várias aplicações foram feitas com resultados medíocres ou insuficientes, a repetição não faz sentido, pois os objetivos não serão alcançados com a repetição.

Quais medicamentos podem ser infiltrados?

Existem dois tipos de medicamentos que podem infiltrar as articulações ou os tecidos periarticulares: corticosteróides e anestésicos. Vamos ver cada um deles.

Infiltrações com corticosteroides

Os esteróides injetáveis que são infiltrados para lesões esportivas ou pacientes reumatológicos são de depósito ou de liberação prolongada. Isso significa que são formulados de maneira especial para que seu efeito dure além de alguns dias. Alguns duram 1 mês e outros até 6 meses.

A triancinolona é uma dessas substâncias. Os nomes RetardDepot se destacam em suas apresentações comerciais. Ambos denotam que a substância foi modificada para ser liberada lentamente no corpo, uma vez que a injeção tenha sido feita.

Outra opção é a combinação de duas formas diferentes do mesmo corticosteroide na mesma ampola. Um é a variante de liberação prolongada e o outro é de ação rápida, de modo que o paciente tem um efeito imediato enquanto espera o resto do medicamento agir nas semanas subsequentes.

Infiltrações com anestésicos locais

A colocação de um anestésico local na infiltração não é exclusiva com relação aos corticosteroides. Esse medicamento costuma ser usado como diluente de outro, que será anti-inflamatório. Além disso, adiciona analgesia.

Os mais usados são a lidocaína e a mepivacaína. Existem até apresentações comerciais que já são formuladas com a diluição, sem a necessidade de fazê-lo na hora da aplicação.

Injetável para infiltração
A infiltração pode ser feita com um único medicamento ou com a combinação de corticosteroides e anestésicos.

Siga sempre as orientações médicas

É essencial respeitar os critérios médicos para as infiltrações. Este é um procedimento invasivo que, embora mínimos, apresenta riscos, e não é uma indicação para qualquer lesão ou problema reumatológico.

A consulta especializada não pode ser negligenciada. Traumatologistas e reumatologistas têm conhecimento suficiente para definir o caminho a seguir. Em caso de dúvida, os métodos complementares necessários devem ser realizados primeiro.

Pode interessar a você...
Infiltração: o que é e quando fazer este procedimento?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Infiltração: o que é e quando fazer este procedimento?

O processo de infiltração envolve injetar um medicamento ou substância em uma articulação, nervo, ferida ou outra área do corpo.



  • González, AA Varela, M. Sánchez Díaz, and R. Miranda Cortina. “Infiltración local en patologías articulares y de partes blandas en un centro de salud.” Atencion Primaria 32.6 (2003): 388.
  • Baron, D., and P. Le Goff. “Papel de los corticoides por vía intraarticular en el adulto.” EMC-Tratado de Medicina 10.3 (2006): 1-11.
  • de Entrambasaguas, M., et al. “Infiltración de esteroides, férula de muñeca y fonoforesis en el síndrome del túnel carpiano.” Rehabilitación 40.4 (2006): 193-200.
  • Ruíz-Jiménez, Juan-Jesús. “Efectividad de la infiltración con corticoesteroides en la epicondilitis lateral. Una revisión sistemática.” (2016).
  • Suarez, Cecilia Andrea Baquerizo, et al. “Fascitis plantar. Criterios y experiencias sobre la infiltración con anestésicos locales y corticoesteroides.” Revista Cubana de Reumatología 21.3 (2019).
  • Hernández González, Erick Héctor, Guillermo Pérez Sosa, and Gretel Mosquera Betancourt. “Evaluación del tratamiento con acetónido de triamcinolona más lidocaína para el dolor musculoesquelético en ortopedia.” Revista Archivo Médico de Camagüey 17.5 (2013): 558-571.