Honjok, a arte de viver sozinho

O "honjok" é uma solidão escolhida. A pessoa decide viver na solidão para se conhecer e cultivar seu autêntico mundo interior.
Honjok, a arte de viver sozinho

Última atualização: 19 julho, 2022

Honjok é um estilo de vida solitário que nasceu na Coreia do Sul na última década como uma forma de lidar com as pressões e normas sociais sul-coreanas. Elas levam os jovens a se casar e formar uma família.

Essas normas ditam que os homens devem ser profissionais de sucesso, cujo trabalho lhes permita sustentar seu grupo. Enquanto a mulher deve priorizar a atenção à família, apesar de possuir ampla formação acadêmica e habilidades para atuar no mundo do trabalho.

Nesse contexto, cada vez mais jovens sul-coreanos (principalmente mulheres) estão optando por fugir desses padrões culturais machistas e optar pela solidão como forma de vida. Vejamos em que consiste.

O que é “honjok”?

O termo honjok é um jogo de palavras composto de dois conceitos: hon, que significa “sozinho”, e jok, que se refere a “tribo”. Nesse sentido, é traduzido como “tribo de um”.

O movimento surgiu no final da década passada na Coreia do Sul, como resposta às pressões culturais sexistas que determinam antecipadamente quais os papéis que homens e mulheres devem cumprir. Agora, o conceito se refere a uma solidão escolhida; a pessoa decide conscientemente viver na solidão para se conhecer e cultivar seu autêntico mundo interior.

Para os defensores desse movimento, a solidão derivada do honjok carece das conotações negativas frequentemente atribuídas a estar sozinho. Pois é uma solidão escolhida. As pessoas gostam de fazer atividades sozinhas.

Além disso, traz algumas vantagens, como as seguintes:

  • A possibilidade de ter mais dinheiro disponível.
  • Conhecer em profundidade suas próprias preferências e interesses.
  • Oferecer alternativas ao modelo tradicional sul-coreano, em que o conceito de tribo é o bem maior.

Não é o mesmo estar sozinho do que se sentir sozinho

A solidão é um fenômeno ao qual geralmente se atribui uma conotação negativa. No entanto, devemos aprender a distinguir essas solidões impostas (nos sentimos sozinhos apesar de estarmos cercados por pessoas ou somos rejeitados por outros), da solidão escolhida (decidimos ficar sozinhos para cultivar nosso mundo interno e desfrutar da individualidade).

Nesse sentido, a psicoterapeuta americana Francie Healey, autora do livro Honjok: a arte de viver sozinho, diz que a solidão pode ser vista como uma oportunidade de estar conosco e explorar o sentido de nossas vidas. A autora considera o honjok, embora possa ser uma experiência desconfortável no início, como um caminho para o autoconhecimento.

vida na solidão
A vida na solidão não é algo negativo se a pessoa planejou esse caminho como uma decisão bem pensada.

Tipos de “honjok”: maneiras de desfrutar de uma solidão escolhida

O crescimento do movimento honjok tornou-se cada vez mais popular na Coreia do Sul, a ponto de surgirem 3 tipologias:

  1. Hon-bap: refere-se ao prazer de comer sozinho em um restaurante, sem prestar atenção a olhares ou opiniões de outros.
  2. Hon-nol: é a satisfação de fazer atividades de lazer sozinho. Esta categoria inclui ir sozinho ao teatro, ao cinema, fazer compras ou viajar sozinho.
  3. Hon-sul: é o ato de beber sozinho. Nesse caso, os coreanos costumam fazer isso em casa.

Benefícios da solidão escolhida

Quando aprendemos a ficar sozinhos e começamos a desfrutar dessa experiência, podemos experimentar os seguintes benefícios.

Maior autoconhecimento

Uma excelente maneira de nos conhecermos é estando sozinhos. É nesses momentos que podemos voltar nosso olhar para dentro e mergulhar em dons, medos, limitações e recursos.

Maior autossuficiência

Também nos ensina a ser mais autossuficientes. Bem, aprendemos a assumir tarefas e responsabilidades sem depender dos outros. Isso gera satisfação e sensação de conquista.

Fortalecimento da autoestima

Morar sozinho também nos permite aumentar nossa autoestima, pois deixamos de depender da opinião dos outros e começamos a agir em favor de nossas verdadeiras preferências e necessidades. Em outras palavras, nos tornamos uma prioridade.

No entanto, isso não significa deixar-se levar pela arrogância. Pelo contrário, uma boa autoestima é conviver melhor consigo mesmo e com os outros.

Uma vida social mais saudável

Francie Healey teve a oportunidade de conversar com jovens que praticavam honjok e muitos deles relataram ter relações mais frutíferas e positivas com outras pessoas.

Aparentemente, aprender a ficar sozinho nos ajuda a valorizar nossa própria individualidade e a dos outros. Isso é essencial para construir relacionamentos saudáveis.

Aumento da criatividade

A solidão ajuda as ideias e os estados criativos a florescerem. Além disso, na medida em que nos conectamos a nós mesmos, podemos expressar o mundo interior. Por exemplo, através da pintura, da escrita ou da música.

Pinte sozinho.
A criatividade pode ser aprimorada na solidão, para que nos conectemos com as emoções mais profundas que abrigamos.

Como podemos aplicar “honjok” em nossas vidas?

A solidão escolhida pode ser um grande desafio, mesmo para quem não quer corresponder à expectativa social de casar e constituir uma família.

Nesse sentido, Francie Healey recomenda começar aos poucos, dedicando alguns minutos do dia a coisas simples, como prestar atenção na respiração, cultivar a criatividade e desenvolver hábitos diferentes que nos dêem mais diversidade (meditação ou mindfulness, por exemplo).

Ela também recomenda escrever em um diário ou escrever seus pensamentos. Isso nos ajuda a ser mais reflexivos e a trabalhar a autoconsciência, especialmente quando sofremos de estresse ou ansiedade.

Healey conclui que, idealmente, essas atividades não deveriam ser apenas um hobby, mas deveriam se tornar prioridades.

A necessidade de solidão

Antes de encerrar, é pertinente ter em mente que, assim como é necessário se relacionar com os outros, também é fundamental ter um espaço para nós mesmos. Mesmo dentro da vida de um casal ou família.

Portanto, independentemente de nossos desejos de formar uma família ou não, é essencial que aprendamos a ficar sozinhos. É um caminho que garante autoconhecimento, amor próprio e relacionamentos saudáveis.

Pode interessar a você...
Praticar esporte acompanhado ou sozinho?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Praticar esporte acompanhado ou sozinho?

Praticar esporte acompanhado ajudará a alcançar os objetivos com maior motivação. No entanto, ao interagir com outros indivíduos também poderá se d...



  • Healey F. Honjok. El arte de vivir en soledad. Barcelona: Timun Mas; 2020.
  • Bavoleo B, Chaure D, Benítez M. Corea ante un nuevo cambio de época: aproximaciones desde el Sur Global. Argentina: Universidad nacional de la Plata; 2022.