Quais são as causas por trás da hiperpigmentação?

16 Novembro, 2020
Embora a hiperpigmentação não seja prejudicial, pode causar desconforto, já que grande parte das manchas aparecem em áreas expostas ao sol, como rosto, mãos e braços.

A hiperpigmentação ocorre nas áreas da pele onde o pigmento conhecido como melanina fica mais concentrado. Isso faz com que a área fique mais escura, o que pode se manifestar através de pintas, sardas ou manchas. O que podemos fazer para evitar esta situação?

Primeiro, deve-se esclarecer que a pele tem sua cor graças a pigmentos naturais como hemoglobina, melanina e carotenoides. A melanina, em particular, dá cor aos olhos, pele e cabelo. Ela se forma nos melanossomas a partir dos seus precursores, a tirosina e a tirosinase.

Sua principal função é proteger o DNA de danos que a radiação ultravioleta pode causar. No entanto, quando superestimulada, resulta em hiperpigmentações que podem ter uma aparência desagradável.

Por que a hiperpigmentação ocorre?

Como explicado por um artigo na revista científica Pigment Cell & Melanoma Research, uma das causas comuns da hiperpigmentação é a exposição à luz solar. Isso estimula a pele a formar melanina e fornece um efeito protetor contra as agressões UV.

Na verdade, é por isso que algumas pessoas gostam de se bronzear. No entanto, quando a exposição é prolongada, esse processo é alterado e causa danos na pele, o que mais tarde se manifesta como hiperpigmentação. Os fatores de risco associados incluem:

  • Predisposição genética.
  • Mancha senil: que são produzidas pela idade, mas também pela exposição solar.
  • Pós-inflamatório: Surge após o processo de cicatrização de quaisquer feridas cutâneas, como queimadura, corte, psoríase ou eczema. Em particular, uma área maior, mas mais escura, é evidenciada.
  • Hormonal: melasma. Áreas escuras aparecem irregularmente quando os hormônios sexuais femininos causam um estímulo na produção de melanina, expondo a pele ao sol, durante a gravidez ou com a ingestão de pílulas anticoncepcionais.
  • Por exposição solar: é a principal causa de hiperpigmentação. Todas as manchas na pele, sejam manchas de idade, sardas, melasma ou hiperpigmentação pós-inflamatória, mudarão sua tonalidade devido à exposição solar.
  • Medicamentos: pode ser o efeito colateral de alguns tratamentos hormonais, medicamentos de quimioterapia, antimaláricos, antibióticos, medicamentos anticoagulantes e outras drogas.
  • Doenças: é sinal de outras patologias, como déficits vitamínicos, processos autoimunes, doenças gastrointestinais e distúrbios metabólicos.
Mulher tomando sol na praia
A exposição solar é uma das principais causas de hiperpigmentação. Na verdade, quase todas as manchas estão associadas a esse fator.

Você pode estar interessado: Diminua o melasma em seu rosto com 5 tratamentos naturais

Medidas para prevenir a hiperpigmentação

Em geral, existem algumas medidas que todos podem implementar para reduzir o risco de hiperpigmentação. No entanto, deve-se esclarecer que, na medida do possível, elas devem ser aplicadas todos os dias.

Tratamentos despigmentantes

O tratamento da hiperpigmentação é um desafio para os profissionais. Embora as opções tenham progredido ao longo do tempo, ainda há dificuldades em reduzir esse problema. De fato, como detalhado em um estudo publicado no Indian Journal of Dermatology, os tratamentos tópicos são ineficazes para muitos pacientes. Quais são as opções?

  • Peeling químico: minimiza a hiperpigmentação eliciando uma pele nova e homogênea.
  • Laser: o efeito é semelhante ao tratamento realizado com ácidos, mas o dermatologista pode aplicá-lo com muito mais precisão. As áreas mais afetadas são tratadas com a luz de alta energia do laser. Quanto mais intenso o tratamento, mais eficaz é nas camadas mais profundas da pele.
  • Cremes tópicos: o uso de hidroquinona em baixas concentrações é útil em muitos casos. Alguns cuidados devem ser tomados para evitar causar irritação pós-inflamatória e hiperpigmentação. A vitamina C é eficaz contra manchas e é usada em conjunto com outros ingredientes ativos. Nos últimos tempos, substâncias como ácido kojico, arbutina, retinoides e ácido azelaico tornaram-se muito importantes.
Tratamento para a hiperpigmentação
As evidências sobre a eficácia dos tratamentos tópicos para a hiperpigmentação ainda são limitadas. No entanto, eles parecem ser úteis após várias aplicações.

Leia também: Ácido hialurônico: a beleza pode ser produzida

O que considerar diante da hiperpigmentação?

Se novas manchas aparecerem, bem como irregularidades associadas à hiperpigmentação, é melhor consultar o seu dermatologista. O profissional poderá determinar se é algo normal ou se está sendo desencadeado por alguma patologia da pele. Além disso, ele aconselhará a respeito das melhores opções para tratá-las, de acordo com o caso.

É importante esclarecer que os resultados dos despigmentantes não serão vistos de um dia para o outro, pois o tratamento requer tempo e constância. Além disso, eles devem ser complementados com cuidados básicos, especialmente quando se trata de proteção solar.

  • Tran TT, Schulman J, Fisher DE. UV and pigmentation: molecular mechanisms and social controversies. Pigment Cell Melanoma Res. 2008;21(5):509‐516. doi:10.1111/j.1755-148X.2008.00498.x
  • Handel AC, Miot LD, Miot HA. Melasma: a clinical and epidemiological review. An Bras Dermatol. 2014;89(5):771‐782. doi:10.1590/abd1806-4841.20143063
  • Hassan S, Zhou X. Drug Induced Pigmentation. [Updated 2019 Jun 30]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2020 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK542253/
  • Fatima S, Braunberger T, Mohammad TF, Kohli I, Hamzavi IH. The Role of Sunscreen in Melasma and Postinflammatory Hyperpigmentation. Indian J Dermatol. 2020;65(1):5‐10. doi:10.4103/ijd.IJD_295_18
  • Bandyopadhyay D. Topical treatment of melasma. Indian J Dermatol. 2009;54(4):303‐309. doi:10.4103/0019-5154.57602
  • Soleymani T, Lanoue J, Rahman Z. A Practical Approach to Chemical Peels: A Review of Fundamentals and Step-by-step Algorithmic Protocol for Treatment. J Clin Aesthet Dermatol. 2018;11(8):21‐28.
  • Avci P, Gupta A, Sadasivam M, et al. Low-level laser (light) therapy (LLLT) in skin: stimulating, healing, restoring. Semin Cutan Med Surg. 2013;32(1):41‐52.
  • Davis EC, Callender VD. Postinflammatory hyperpigmentation: a review of the epidemiology, clinical features, and treatment options in skin of color. J Clin Aesthet Dermatol. 2010;3(7):20‐31.