8 hábitos que afetam sua saúde cerebral sem que você perceba

21 Setembro, 2020
Ainda que não pareça ser um fator de risco, o estresse está relacionado ao envelhecimento precoce do cérebro. Além de diminuir a atividade cerebral, também dificulta a concentração.

O cérebro é um dos órgãos mais complexos e delicados de todo o organismo, por isso é primordial dar muita atenção à nossa saúde cerebral. Esse órgão participa na regulação de funções como os batimentos cardíacos, a pressão sanguínea ou o equilíbrio hormonal, entre outros. Portanto, é necessário conhecer os hábitos que afetam a saúde do cérebro.

Assim com outras partes do organismo, os hábitos que praticamos todos os dias influenciam positiva ou negativamente a saúde cerebral. Por isso, é indispensável manter um estilo de vida saudável.

Nesse sentido, vários especialistas encontraram uma relação entre as práticas cotidianas ruins e a deterioração desse órgão desde muito cedo. Por isso, a Organização Mundial da Saúde (OMS) fez um chamado de atenção à população para que tome medidas preventivas.

1. Pular o café da manhã

Pular-o-café-da-manhã-prejudica-saúde-cerebral

Já advertimos mil e uma vezes que o café da manhã não deve ser ignorado, porque é a refeição mais importante do dia. Através dele o corpo recebe uma boa quantidade de nutrientes e energias para desempenhar suas funções durante o dia.

Desde que contenha todos os alimentos necessários, essa refeição influencia positivamente o rendimento físico e mental, assim como a saúde cerebral. Pular essa refeição obrigará o cérebro a fazer um esforço maior do que o necessário, o que, posteriormente, se traduzirá em uma maior sensação de cansaço e mau humor.

2. Consumir açúcar em excesso

Outro hábito que afeta a saúde do cérebro é o consumo excessivo de açúcar na dieta diária.

O consumo excessivo de açúcar não só causa ganho de peso e diabetes, como também tem efeitos negativos em outros sistemas importantes do corpo. No caso do cérebro, produz uma forte sensação de ansiedade que nos leva a comer cada vez mais, ainda que não seja necessário.

Assim como se costuma dizer que todos os excessos (de qualquer tipo) são prejudiciais ao corpo, também se diz que o consumo excessivo de açúcar é prejudicial ao cérebro.

3. Exposição a ambientes contaminados

Ficar-exposto-a-ambientes-contaminados-prejudica-saúde-cerebral

De certa forma, a poluição também afeta a saúde do cérebro. Os ambientes urbanos costumam ser mais estressantes, e essa tensão constante e prolongada é prejudicial ao cérebro.

Por isso, é importante fazer descansos e sair da cidade, mesmo que de vez em quando, para relaxar, se desconectar da rotina e respirar um pouco de ar puro.

O cérebro é responsável por vários processos em todo o corpo, além dos processos cognitivos, da memória e das emoções humanas. Portanto, é fundamental cuidar dele praticando bons hábitos de vida.

Descubra: Dormir melhor: 4 bebidas naturais que podem ajudar

4. Não dormir o suficiente

O corpo precisa de pelo menos 7-8 horas diárias de sono sem interrupções para desempenhar uma série de funções que não pode fazer em outros momentos do dia. Portanto, não dormir o suficiente é prejudicial à saúde em muitos sentidos.

Se não houver uma boa noite de descanso, a saúde do cérebro é prejudicada e isso pode nos tornar mais vulneráveis ​​a vários problemas, desde mau humor e sensação de fadiga a problemas de concentração.

5. Fumar

Fumar-prejudica-saúde-cerebral

Outro hábito que afeta a saúde cerebral é o tabagismo. Os tóxicos que o tabaco libera diminuem de forma considerável a massa cerebral, assim como a quantidade de oxigênio que regenera suas células. Por isso, tanto os fumantes quanto quem convive com eles têm maiores probabilidades de desenvolver doenças cognitivas.

Vários especialistas concordam que esse é um dos hábitos que está aumentando os casos de doenças como a demência e o Alzheimer.

6. Exposição ao estresse

Como já comentamos, o estresse é um transtorno muito perigoso que pode causar diversas consequências. Está vinculado ao envelhecimento precoce do cérebro e ao desenvolvimento de vários problemas de saúde.

Se houver estresse crônico, a atividade cerebral diminui. Isso pode levar a dificuldades de concentração, entre outros problemas. De fato, alguns casos de derrames cerebrais e infartos foram associados a episódios crônicos desse problema.

Leia também: Sinais que permitem detectar a tempo um derrame cerebral e como preveni-lo

7. Consumir álcool em excesso

O consumo excessivo de bebidas alcoólicas causa estragos nos principais órgãos do corpo, incluindo o complexo sistema nervoso, o fígado e o coração. Suas substâncias tóxicas viajam através do sangue até o cérebro e interferem em muitas de suas atividades.

Além disso, o alcoolismo está relacionado à morte dos neurônios e à diminuição da velocidade de transmissão dos impulsos nervosos entre eles.

8. Comer mal e em excesso

Comer-em-excesso-prejudica-saúde-cerebral

Uma alimentação inadequada também prejudica a saúde do cérebro. Por isso, muitos especialistas em saúde e nutrição insistem na importância de minimizar o consumo de açúcares, ultraprocessados, junk food e afins para evitar o desenvolvimento de diversas doenças.

A importância de adotar bons hábitos

Como você pode ver, existem vários hábitos que afetam a saúde do cérebro. Portanto, é importante que você aprenda a detectá-los e corrigi-los, para evitar as consequências que podem causar.

Mantendo um estilo de vida saudável, deixando de lado os excessos e seguindo as orientações do seu médico, você pode se colocar no caminho certo e ter saúde e bem-estar no seu dia a dia. Vamos começar?

  • García-Laguna, D. G., García-Salamanca, G. P., Tapiero-Paipa, Y. T., & Ramos, D. M. (2012). Determinantes de los estilos de vida y su implicación en la salud de jóvenes universitarios. Revista hacia la Promoción de la Salud17(2).
  • Más Sarabia, Maheli, Alberti Vázquez, Lizet, & Espeso Nápoles, Nelia. (2005). Estilos saludables de vida y su relevancia en la salud del individuo. Humanidades Médicas5(2) Recuperado en 16 de febrero de 2019, de http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1727-81202005000200006&lng=es&tlng=es.
  • Samet, Jonathan M.. (2002). Los riesgos del tabaquismo activo y pasivo. Salud Pública de México44(Supl. 1), s144-s160. Recuperado en 16 de febrero de 2019, de http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0036-36342002000700020&lng=es&tlng=es.
  • Sandoval-Almazán, Rodrigo. (2011). Mentes en peligro: El daño de internet en nuestro cerebro. Convergencia18(56), 241-248. Recuperado en 16 de febrero de 2019, de http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1405-14352011000200010&lng=es&tlng=es.
  • Torres, G., & Fiestas, F. (2012). Efectos de la marihuana en la cognición: una revisión desde la perspectiva neurobiológica. Revista Peruana de Medicina Experimental y Salud Pública29, 127-134.
  • WHO. (2014). Neurological disorders associated with malnutrition. Neurological Disorders: Public Health Challenges, 111–175.