Grupos alimentares segundo as suas funções

Os nutrientes desempenham funções importantes no corpo. Assim, os alimentos que os fornecem ajudam a formar tecidos e reparar órgãos, entre outras ações. Saiba mais detalhes no artigo a seguir.
Grupos alimentares segundo as suas funções

Última atualização: 10 Dezembro, 2020

Você sabia que os grupos alimentares são classificados de acordo com as suas funções? Sem dúvida, os nutrientes que compõem nossos pratos exercem diferentes ações no corpo. Se você quiser saber mais sobre isso, vai gostar deste artigo.

Identificar quais substâncias comemos diariamente é uma ferramenta que podemos usar para preservar a saúde, tratar e prevenir doenças de origem metabólica, entre outros benefícios. A partir do conhecimento da dieta, obtemos melhorias nos planos alimentares.

Quais são os grupos alimentares?

Cada alimento contém um ou mais nutrientes; neles, podemos identificar carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas e minerais. Além disso, eles também fornecem água em quantidade variável, o que é fundamental para o corpo.

Em alguns, predominam certos componentes em relação aos outros, por isso os guias alimentares internacionais e nacionais definiram grupos para proporcionar uma melhor classificação. Estes são os seguintes:

  • Leites, iogurtes e queijos.
  • Carne e ovos.
  • Frutas e verduras.
  • Óleos, oleaginosas e sementes.
  • Leguminosas, cereais, batatas, pães e massas.
  • Doces e gorduras.
Pirâmide alimentar
A pirâmide alimentar é uma das formas de apresentar os grupos alimentares.

Qual é o papel da comida?

Vários estudos sugerem que os nutrientes que compõem a nossa dieta têm funções energéticas, plásticas e restauradoras. Da mesma forma, também afirmam que para alcançar um estado nutricional ideal, a dieta deve ser variada. Vejamos mais detalhes a seguir.

Alimentos com função energética

A energia é o combustível de que o corpo precisa para viver. Todos os processos metabólicos a exigem. Na verdade, as ações que fazemos diariamente, como caminhar, se mover e respirar, são alguns exemplos.

É claro que a maneira de obtê-la é consumindo alimentos. Em particular, quem tem essa função são aqueles que fornecem carboidratos, como leguminosas, cereais, batata, massas e doces. Após sua ingestão, o corpo os digere e os absorve como glicose, que é o seu principal combustível.

As gorduras também têm esse efeito, pois fornecem o dobro de calorias que os carboidratos. Assim, óleos, oleaginosas, gema de ovo e sementes também são energéticas. Estas últimas liberam seus ácidos graxos quando estão moídas ou em forma de óleo.

Alimentos com função plástica

A função plástica dos alimentos se refere à sua capacidade de formar estruturas celulares e tecidos. Aqueles que possuem esse poder são os que contêm proteínas, como carnes, laticínios e claras de ovo.

Este nutriente é rico em aminoácidos, alguns dos quais são chamados de essenciais porque não podem ser fabricados pelo corpo e devem ser adquiridos através da dieta. Além de indispensáveis na síntese estrutural, possuem ações diferentes.

São os alimentos de origem animal que se destacam pelo seu teor de proteínas, mas isso não significa que não possamos obtê-las através de vegetais. De fato, há evidências que mostram que cereais, leguminosas e oleaginosas contêm este nutriente em quantidades significativas.

Quem segue uma dieta vegana ou vegetariana pode suprir sua recomendação diária sob a orientação de um profissional especializado neste tema. A formação de tecidos é um processo vital que não deve ser negligenciado e precisa das quantidades certas, mesmo no contexto de uma alimentação restritiva sem origem animal.

Função regulatória ou protetora

Hamburguer vegano
As dietas vegetarianas podem atender às necessidades diárias de nutrientes, desde que sejam feitas em conformidade com as indicações de um nutricionista.

Esta função é determinada pela ação de vitaminas, minerais, substâncias anti-inflamatórias e compostos fitoquímicos (ativos produzidos pelas plantas). Os alimentos que os contêm são frutas, legumes e verduras.

No entanto, também podemos encontrar alguns deles em outras fontes, como o ferro em carnes e leguminosas, e as vitaminas A e D em laticínios. As necessidades diárias são menores em comparação com outros nutrientes, mas não menos importantes.

De fato, as substâncias mencionadas desempenham um papel importante no corpo porque atuam em diferentes processos metabólicos. Assim, algumas previnem a oxidação das células e reparam a pele (vitamina C e E), outras integram tecidos (cálcio nos ossos e dentes) e até promovem reações celulares (zinco e magnésio).

O que devemos lembrar sobre os grupos alimentares?

A combinação de diferentes grupos alimentares na dieta garante uma boa ingestão de nutrientes. Se mantivermos uma alimentação variada e equilibrada em proteínas, carboidratos, gorduras, vitaminas e minerais, estaremos contribuindo para a saúde geral.

Além de manter hábitos saudáveis, é aconselhável evitar substâncias tóxicas, como álcool e cigarro. Da mesma forma, uma vida ativa e não sedentária favorece os processos que as substâncias alimentares devem desempenhar no organismo.

Pode interessar a você...
7 coisas que você deve fazer antes de adotar uma dieta vegana
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
7 coisas que você deve fazer antes de adotar uma dieta vegana

Antes de iniciar a mudança de uma dieta normal para adotar uma dieta vegana, é importante considerar alguns aspectos. Saiba mais aqui!



  • Andújar, R. C., & Fincias, L. A. (2009). Nutrición y salud. SEMERGEN-Medicina de familia35(9), 443-449.
  • Guía alimentaria para la población Argentina. 2017. Ministerio de Salud.
  • Rosas, Carlos, and Olimpia Carrillo. “Principales rutas metabólicas, utilización de la energía.” Estado actual y perspectivas de la nutrición de los camarones peneidos cultivados en Iberoamérica. México, DF (2006): 61-88.
  • Jiménez, Paula, Lilia Masson, and Vilma Quitral. “Composición química de semillas de chía, linaza y rosa mosqueta y su aporte en ácidos grasos omega-3.” Revista chilena de nutrición 40.2 (2013): 155-160.
  • González-Torres, Laura, et al. “Las proteínas en la nutrición.” Revista salud pública y nutrición 8.2 (2007): 1-7.
  • Farran, A., M. Illan, and L. Padró. “Dieta vegetariana y otras dietas alternativas.” Pediatría Integral. 5th ed. Sociedad Española de Pediatría Extrahospitalaria y Atención Primaria (SEPEAP) (2015): 313-23.
  • Akabas, Sharon R., and Karen R. Dolins. “Micronutrient requirements of physically active women: what can we learn from iron?.” The American journal of clinical nutrition 81.5 (2005): 1246S-1251S.
  • Barrera, Eliud S. Aguilar, et al. “Suplementación con magnesio y control metabólico en diabetes. Revisión sistemática de revisiones sistemáticas y metaanálisis.” Revista española de nutrición humana y dietética 23.1 (2019): 144-146.