Fluoxetina na gravidez

Embora o tratamento com fluoxetina tenha sido aceito na gravidez, seu uso deve ser exclusivo para as situações clínicas que justifiquem o risco potencial para o feto. O que você deve saber sobre isso?
Fluoxetina na gravidez

Última atualização: 31 Março, 2021

A fluoxetina é um dos medicamentos mais bem estudados durante a gravidez. É indicado no tratamento da depressão e pertence ao grupo dos inibidores da recaptação da serotonina (ISRS), pois tem a capacidade de aumentar os níveis desse neurotransmissor, fundamental para manter o equilíbrio do humor.

A fluoxetina, sob a marca Prozac, foi o primeiro medicamento comercializado nos Estados Unidos pela empresa Eli Lilly em 1988 para o tratamento da depressão maior. Ela inspirou muita confiança na comunidade médica, pois era tão eficaz quanto os antidepressivos existentes e tinha menos efeitos adversos.

Até o momento, novas moléculas foram desenvolvidas para o tratamento de transtornos depressivos, embora a fluoxetina tenha sido a mais utilizada em todo o mundo. A seguir, detalhamos seu uso durante a gravidez.

Depressão na gravidez ou depressão pré-natal

A gravidez é uma fase que marca a vida da mulher. A oscilação hormonal que ocorre no corpo pode desencadear vários tipos de emoções e sentimentos, às vezes conflitantes.

Quando o sentimento de tristeza persiste com o tempo, pode ser que haja um quadro de depressão pré-natal, um estado complexo ao qual devemos prestar uma atenção especial.

Estresse na gravidez
A oscilação hormonal que ocorre no organismo da mulher grávida pode desencadear um quadro de depressão na gestação.

Este é um problema difícil de detectar, pois os sinais normais da gravidez em si podem nos confundir, como o cansaço, a falta de disposição e a dificuldade para conciliar o sono. Se aparecerem os seguintes sintomas, devemos pedir ajuda profissional:

  • Episódios de tristeza e choro inconsolável sem motivo aparente.
  • Incapacidade de desfrutar de atividades que costumava apreciar.
  • Irritação e mau humor.
  • Sensação de vazio e culpa.
  • Perda de habilidades sociais.
  • Ansiedade.
  • Pensamentos pessimistas para o futuro.
  • Dificuldade em manter a concentração.
  • Mudanças nos hábitos de alimentação, descanso e higiene.

Além disso, a futura mãe pode apresentar sentimentos ambíguos em relação ao bebê e até rejeição da ideia de ter que lidar com o parto.

A depressão pré-natal não tratada pode ter efeitos colaterais significativos para a mãe e o bebê, bem como um aumento do risco de aborto espontâneo, parto prematuro, baixo peso ao nascer ou atraso no crescimento do bebê.

Além disso, ter depressão pré-natal aumenta a chance de depressão após o parto em 25%; no entanto, os benefícios e riscos de tomar antidepressivos durante a gravidez devem ser considerados. 

Posso tomar fluoxetina durante a gravidez?

A fluoxetina é o medicamento que costuma ser prescrito para o tratamento da depressão pré-natal, e embora o FDA a classifique como categoria C, tem sido considerada uma terapia segura para gestantes com depressão, sempre avaliando o risco/benefício do tratamento.

No entanto, de acordo com a literatura científica, o tratamento com fluoxetina durante o primeiro trimestre da gravidez pode estar associado a um aumento do risco de malformações cardiovasculares no bebê.

Os dados sugerem que o risco de o recém-nascido desenvolver um defeito cardiovascular após a exposição materna à fluoxetina é da ordem de 2/100, em comparação com uma taxa esperada para esses defeitos na população geral de aproximadamente 1/100.

Outros estudos epidemiológicos sugerem que o uso de ISRS no final da gravidez pode aumentar o risco de hipertensão pulmonar persistente no recém-nascido (HPPN).

O risco observado foi de aproximadamente 5 casos em cada 1.000 gestações. Na população em geral, ocorrem 1 ou 2 casos em cada 1.000 nascimentos.

Fluoxetina
A fluoxetina só deve ser usada durante a gravidez quando a situação clínica da gestante o justificar, pois acarreta riscos significativos para o feto.

De acordo com a AEMPS, a fluoxetina não deve ser usada durante a gravidez, a menos que a situação clínica da mulher exija este tratamento e o risco potencial para o feto seja justificado.

É particularmente importante que a interrupção do tratamento com fluoxetina não seja brusca, mas sim através de uma redução gradual da dose durante um período de uma a duas semanas, a fim de evitar o aparecimento de sintomas de abstinência.

Além disso, se a fluoxetina for usada durante a gravidez, deve-se ter cuidado na fase tardia ou imediatamente antes do parto. Isso ocorre porque alguns efeitos foram relatados em neonatos, tais como:

  • Irritabilidade
  • Tremor
  • Hipotonia
  • Choro persistente
  • Dificuldade para mamar ou dormir

Conclusão

O tratamento com fluoxetina durante a gravidez, tanto no primeiro quanto no último trimestre, deve ser discutido com o psiquiatra. O profissional deve avaliar o risco/benefício tanto para a futura mãe quanto para o bebê.

Portanto, se estivermos diante de um quadro de depressão importante, podemos considerar manter o tratamento. No entanto, caso se trate de uma depressão bem controlada, o ideal é evitar o tratamento com fluoxetina e contar com apoio psicológico.

Pode interessar a você...
5 remédios permitidos na gravidez
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
5 remédios permitidos na gravidez

Os desconfortos que ocorrem durante a gravidez podem ser aliviados pela mudança de hábitos, mas às vezes precisamos de remédios permitidos na gravidez.



  • Agencia española de medicamentos y productos sanitarios (AMPS). CIMA. Ficha técnica Prozac. https://cima.aemps.es/cima/dochtml/ft/57954/FT_57954.html.
  • Shan‐Yan Gao, Qi‐Jun Wu, Tie‐Ning Zhang et al. Fluoxetine and congenital malformations: a systematic review and meta‐analysis of cohort studies. Br J Clin Pharmacol, 2017. 83: 2134–2147. doi: 10.1111/bcp.13321.
  • Vitale SG, Laganà AS, Muscatello MR, et al. Psychopharmacotherapy in Pregnancy and Breastfeeding. Obstet Gynecol Surv, 2016. 71:721-733. doi: 10.1097/OGX.0000000000000369.
  • Gao SY, Wu QJ, Zhang TN, et al. Fluoxetine and congenital malformations: a systematic review and meta-analysis of cohort studies. Br J Clin Pharmacol. 2017;83(10):2134–2147. doi:10.1111/bcp.13321
  • Diav-Citrin O, Shechtman S, Weinbaum D, et al. Paroxetine and fluoxetine in pregnancy: a prospective, multicentre, controlled, observational study. Br J Clin Pharmacol. 2008;66(5):695–705. doi:10.1111/j.1365-2125.2008.03261.x
  • Bérard A, Zhao JP, Sheehy O. Antidepressant use during pregnancy and the risk of major congenital malformations in a cohort of depressed pregnant women: an updated analysis of the Quebec Pregnancy Cohort. BMJ Open. 2017;7(1):e013372. Published 2017 Jan 12. doi:10.1136/bmjopen-2016-013372