Como superar a depressão pós-parto?

28 Agosto, 2020
Mães que sofrem de depressão pós-parto geralmente têm sentimentos de extrema tristeza, ansiedade e cansaço. Conheça as opções de tratamento.

A depressão pós-parto é um distúrbio do humor que pode afetar as mulheres após o parto. Pode ter uma intensidade de moderada a grave e é a consequência de uma combinação de fatores físicos e emocionais. Felizmente, há formas de superar a depressão pós-parto.

Mães que sofrem de depressão pós-parto geralmente têm sentimentos de extrema tristeza, ansiedade e cansaço. Esse estado emocional e físico dificulta a realização das tarefas diárias que envolvem cuidar do recém-nascido e de si mesma.

O que causa a depressão pós-parto?

Quando as mulheres dão à luz, os níveis de estrogênio e progesterona caem rapidamente. Essas mudanças bruscas nos níveis hormonais podem causar alterações no humor. Além disso, muitas mulheres não conseguem descansar o suficiente para se recuperar totalmente do parto.

A constante falta de sono e de descanso pode gerar desconforto físico e exaustão. Ambos os fatores podem contribuir para o início da depressão pós-parto.

Quais são os sintomas da depressão pós-parto?

Superar a depressão pós-parto
Os sintomas de depressão pós-parto podem variar de mulher para mulher; no entanto, geralmente causam tristeza, irritabilidade e ansiedade.

A depressão pós-parto ocorre em quase 15% dos nascimentos. Embora possa começar um pouco mais cedo, na maioria das vezes surge após o nascimento do bebê; geralmente começa entre uma semana e um mês após o parto.

Os sintomas mais comuns que a mulher pode enfrentar incluem os seguintes:

  • Tristeza e choro com mais frequência do que o normal ou sem motivo aparente.
  • Ansiedade e irritação.
  • Dormir excessivamente ou não conseguir dormir, mesmo quando o bebê dorme.
  • Falta de concentração e perda de interesse em atividades agradáveis.
  • Comer muito ou pouco.
  • Isolar-se dos amigos e da família.
  • Ter problemas para criar um vínculo emocional com o bebê, além de duvidar da sua capacidade de ser uma boa mãe.

Como os sintomas podem variar de mulher para mulher, um médico poderá determinar se estes são devidos à depressão pós-parto ou a algum outro fator.

Existem fatores de risco para a depressão pós-parto?

A depressão pós-parto pode afetar qualquer mulher, independentemente da idade, raça ou situação financeira. No entanto, algumas mulheres podem ter um risco aumentado de depressão pós-parto devido à presença dos seguintes fatores de risco:

  • Sintomas de depressão durante ou após uma gravidez anterior.
  • Um histórico de depressão ou de transtorno bipolar em outro estágio de sua vida, bem como histórico familiar de depressão ou outra doença mental.
  • Passar por situações estressantes durante a gravidez ou logo após o parto, como a existência de complicações médicas durante o parto, como parto prematuro ou o bebê nascer com problemas de saúde.
  • Falta de apoio emocional do seu marido, parceiro, família ou amigos.

Leia também: As mulheres precisam de um ano para se recuperar após o parto

Tratamento para superar a depressão pós-parto

Depressão pós-parto
Para tratar a depressão pós-parto, pode ser necessário combinar alguns medicamentos com psicoterapia. O profissional de saúde será responsável por determinar a melhor opção em cada caso.

Para superar a depressão pós-parto, pode-se usar tratamento farmacológico, psicoterapia ou ambos. O médico vai avaliar qual é a melhor solução para cada caso.

Entre os tratamentos disponíveis, estão:

Psicoterapia

As sessões com o especialista podem ser de dois tipos. Ambos os tipos de psicoterapia demonstraram ser particularmente eficazes no tratamento da depressão pós-parto:

  • Terapia cognitivo-comportamental (TCC): ajuda as pessoas a reconhecer e mudar seus pensamentos e comportamentos negativos.
  • Terapia interpessoal (TIP): ajuda as pessoas a entender e conviver com relacionamentos pessoais problemáticos.

Medicamentos antidepressivos

Os medicamentos antidepressivos atuam sobre substâncias químicas do cérebro envolvidas na regulação do humor.

Além disso, esses tipos de medicamentos geralmente são considerados seguros para o uso durante a amamentação. No entanto, o especialista deve avaliar os riscos e benefícios que esses medicamentos implicam para a mãe e para o bebê.

Além dos tratamentos, o apoio da família e dos amigos, bem como a própria atitude pessoal, também são muito importantes para superar a depressão pós-parto.

Você também pode se interessar: Os antidepressivos e suas contra-indicações

Outras medidas

Existem outras medidas que podem contribuir para superar a depressão pós-parto:

  • Durma o suficiente: dormir é muito importante para a saúde física e mental. Esforços devem ser feitos para conciliar o sono da mãe e do bebê, para que, quando a criança adormecer, a mãe também possa descansar e se recuperar.
  • Tenha tempo livre: o máximo possível, tente ter tempo livre para ficar sozinha, com seu parceiro ou com seus amigos.

Por fim, vale dizer que, sem tratamento, a depressão pós-parto pode durar meses ou anos. Além de afetar a saúde da mãe, pode interferir na capacidade dela de se relacionar e de cuidar do bebê.

  • Sharma, V., Doobay, M., & Baczynski, C. (2017, September 1). Bipolar postpartum depression: An update and recommendations. Journal of Affective Disorders. Elsevier B.V. https://doi.org/10.1016/j.jad.2017.05.014
  • Fitelson E, Kim S, Baker AS, Leight K. Treatment of postpartum depression: clinical, psychological and pharmacological options. Int J Womens Health. 2010;3:1–14. Published 2010 Dec 30. doi:10.2147/IJWH.S6938
  • Ng, R. C., Hirata, C. K., Yeung, W., Haller, E., & Finley, P. R. (2010, September). Pharmacologic treatment for postpartum depression: A systematic review. Pharmacotherapy. https://doi.org/10.1592/phco.30.9.928
  • Kim DR, Epperson CN, Weiss AR, Wisner KL. Pharmacotherapy of postpartum depression: an update. Expert Opin Pharmacother. 2014;15(9):1223–1234. doi:10.1517/14656566.2014.911842
  • Guille C, Newman R, Fryml LD, Lifton CK, Epperson CN. Management of postpartum depression. J Midwifery Womens Health. 2013;58(6):643–653. doi:10.1111/jmwh.12104