Os antidepressivos e suas contra-indicações

· 22 de abril de 2018
O consumo e o tratamento com antidepressivos devem sempre ser supervisionados por um especialista que avalie nosso caso em particular e possa oferecer um diagnóstico adequado ao nosso caso.

Como todos os medicamentos criados para corrigir uma deficiência do nosso organismo, os antidepressivos são drogas psicotrópicas projetadas para o tratamento da depressão severa ou grave.

Dependendo de suas causas, esses produtos químicos procuram controlar ou equilibrar a produção de substâncias químicas exigidas pelo nosso corpo para seu normal funcionamento.

Atualmente os antidepressivos têm encontrado aceitação e aplicação em diferentes desordens que têm relação direta e incidências em aspectos psicológicos que não permitem o desenvolvimento normal do indivíduo.

Tipos de antidepressivos

Antidepressivos em um organisador

Essas drogas psicotrópicas são muito variadas de acordo com sua composição e uso. A complexidade da mente humana requer compostos especializados que permitam a solução de um problema sem gerar outros mais sérios.

No entanto, às vezes é difícil alcançar esse equilíbrio.

  • Em relação aos antidepressivos, podemos encontrar desde os mais simples, com incidências mínimas, até os tratamentos e cuidados mais relevantes em seu uso.
  • As prescrições destes últimos devem ser seguidas diligentemente pelo especialista. Um exemplo deles são os tricíclicos.

Diante desses compostos químicos de produção farmacêutica existe uma opção natural.

  • Precisamente por suas características, oferece tratamentos de baixo impacto e poucos ou nenhum efeito colateral, dependendo do caso.
  • A natureza coloca à nossa disposição uma série de alternativas altamente benéficas para o nosso bem-estar.

O uso de antidepressivos do tipo psicotrópico tem se multiplicado nos últimos anos.

Segundo estudos estatísticos realizados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), não se sabe ao certo se isso ocorre devido ao aumento do número de pessoas diagnosticadas, ou se, ao contrário, seu uso tem sido dedicado ao tratamento de outras patologias.

No pior dos casos, suspeita-se que possa ser devido a uma moda passageira.

A maior desvantagem que isso gera é que o uso indiscriminado desses produtos químicos gera novos problemas que têm impacto não apenas no indivíduo tratado, mas em todo o seu ambiente e, portanto, na sociedade globalizada.

O uso de antidepressivos deve sempre estar sujeito à rigorosa vigilância médica especializada

Os antidepressivos são realmente eficazes?

Mulher deprimida

A eficácia dos antidepressivos é relativa e subjetiva. Os resultados dependerão dos efeitos produzidos em cada paciente.

Assim, eles não são um caminho garantido para a felicidade, mas uma maneira científica de reduzir situações que o organismo, por si só, não consegue regular. No entanto, resultados absolutos nem sempre são obtidos, uma vez que cada caso representa uma realidade diferente.

Agora, se analisarmos o fato de que o uso de drogas psicotrópicas no mundo está aumentando a cada dia, e que sua eficácia absoluta está em questionamento, devemos nos preocupar com algo objetivamente mensurável, assim como as contraindicações e consequências do uso desses medicamentos.

Recomendamos que você leia: Ferramentas mentais para quando chega a depressão

Ao que me exponho ao tomar drogas antidepressivas?

Antidepressivos sobre uma mesa

Cada especialista deve ter muito cuidado ao indicar um antidepressivo.

Deve ser prescrito em último recurso, e totalmente fundamentado, porque os efeitos colaterais muitas vezes podem gerar complicações maiores devido ao uso inadequado.

Então nós temos:

  • Frustração. Os efeitos dessas drogas psicotrópicas são de longo prazo e, muitas vezes, a lentidão do processo gera ansiedade e frustração no paciente.
  • Tolerância à medicação. O organismo pode se tornar imune a ele e não ter o efeito esperado, sendo necessário aumentar a dose e a duração do tratamento.
  • Dependência de medicação. Em muitos casos, o medicamento age apenas como um placebo, diante do qual o organismo reage, e sem ele não funciona, criando dependência ou vício.
  • Alguns especialistas, como Irving Kirsch, pesquisador de prestígio da Universidade de Hull (Reino Unido), indicaram que o uso de antidepressivos pode alterar a química do cérebro.
  • Outras complicações físicas associadas ao uso dessas drogas psicotrópicas incluem disfunção sexual, náusea, peso descontrolado, constipação, tensão descontrolada e tontura.

Se você estiver analisando o uso de uma droga dessas características, é melhor procurar outras alternativas naturais e menos agressivas.

Se, apesar disso, seu uso for necessário, lembre-se de que você deve fazê-lo nas mãos de um especialista.