Melhor Com Saúde
 

Escoliose em crianças: tudo que você precisa saber

A escoliose em crianças não é um problema muito comum, mas constitui uma alteração que deve receber a devida atenção. Como reconhecê-la? Qual é o seu tratamento? Descubra a seguir.

Escoliose em crianças: tudo que você precisa saber

Última atualização: 07 Janeiro, 2021

A escoliose em crianças é um problema sério que merece atenção desde o início. Este termo caracteriza todas as deformações da coluna que aparecem em menores e que podem ter diferentes graus de severidade.

De modo geral, a escoliose em crianças tende a piorar à medida que o crescimento progride. Um aspecto enganoso dessa situação é que crianças e adolescentes costumam tolerar muito bem esse problema, mas se permitirmos que ele avance, posteriormente poderá exigir tratamentos altamente complexos.

A forma mais comum de escoliose em crianças é a chamada de “escoliose idiopática”. Esta se apresenta em 4 de cada 1000 pessoas. Nesses casos, aproximadamente 1% será grave e exigirá tratamento a longo prazo. Os menores devem ter pelo menos uma consulta ortopédica anual, especialmente quando atingem a puberdade.

O que é a escoliose em crianças?

A escoliose em crianças é definida como um problema com a curva da coluna vertebral que se apresenta na população infantil. A coluna tem uma curvatura “normal”, mas esta é mais pronunciada em algumas crianças, como se formasse uma letra “C” ou “S”. Essa anormalidade pode causar dor e dificuldade na respiração.

Quando há escoliose, a coluna se move para um lado. Esse problema pode levar os ossos a girarem. Nesse caso, um ombro ou um lado do quadril pode ser mais alto que o outro. Existem vários tipos de escoliose em menores de idade:

  • Escoliose idiopática da adolescência. É a forma mais comum e ocorre em crianças com mais de 10 anos; sua causa é desconhecida.
  • Escoliose juvenil. Ocorre em crianças entre 3 e 10 anos e é a modalidade mais rara de todas.

Exame da coluna vertebral
A escoliose em crianças é caracterizada por uma deformidade na coluna vertebral, que pode ter uma forma de C ou S.

Você pode se interessar: 3 exercícios para a lombalgia respaldados por evidências científicas

Causas e fatores de risco

Na maioria dos casos, a causa da escoliose infantil é desconhecida, embora se saiba que afeta mais as meninas do que os meninos. De acordo com a causa que a origina, a escoliose pode ser classificada da seguinte forma:

  • Escoliose congênita. Aparece durante a gravidez e inclui várias anormalidades, como ausência de vértebras, malformações ou desenvolvimento incompleto.
  • Idiopática. Nesses casos, a razão pela qual a escoliose ocorre é desconhecida.
  • Neuromuscular. É consequência de algumas condições neurológicas, como distrofia muscular, paralisia cerebral, espinha bífida, tumores da medula, neurofibromatose ou condições paralíticas.
  • Outras. Em alguns casos a escoliose em crianças resulta de infecções, lesões, tumores, pernas de diferentes comprimentos ou doenças genéticas.

Sintomas e diagnóstico da escoliose em crianças

Cada criança pode apresentar os sintomas de escoliose de maneira diferente. Mesmo assim, existem algumas manifestações que aparecem em vários casos. São as seguintes:

  • A cabeça não está localizada no centro em relação ao resto do corpo.
  • Cada braço fica pendurado de maneira diferente quando a criança está em pé.
  • Um dos ombros, ou uma das áreas do quadril fica posicionada mais acima em relação ao outro lado.
  • Se a criança se inclina para a frente, um lado das costas parece mais alto que o outro.

Na maioria dos casos a escoliose não causa dor ou outros sintomas. O diagnóstico geralmente é feito a partir da observação clínica, que costuma ser complementada por uma ressonância magnética ou uma tomografia computadorizada (TC).

Coluna vertebral
Na maioria dos casos, a escoliose é indolor e passa despercebida. O médico pode fazer seu diagnóstico a partir da observação clínica.

Descubra também: 4 exercícios básicos para prevenir a escoliose

Tratamento

O tratamento da escoliose em crianças depende da idade, do estágio de crescimento em que se encontra, da causa do problema, da gravidade da curvatura e do estado de saúde do menor. O nível de tolerância aos medicamentos e terapias disponíveis também é levado em consideração.

Se a curvatura é pequena ou a criança está próxima da adolescência, o que geralmente é feito é um acompanhamento para verificar se a anormalidade não aumenta. Nesses casos, ou quando a curvatura é maior, o uso de espartilho costuma ser recomendado. Isso impede que a curvatura aumente ainda mais.

Se a curvatura for muito acentuada, o indicado é realizar uma intervenção cirúrgica para fazer a correção. Se um caso grave não for tratado, pode levar à redução da capacidade pulmonar e ao desenvolvimento de doenças pulmonares. Por tudo isso, esta é uma condição que merece toda a atenção.

Espondilolistese: sintomas mais comuns

Espondilolistese: sintomas mais comuns

A espondilolistese é uma condição que se refere ao deslocamento de uma vértebra sobre a que está abaixo dela. Saiba mais neste artigo!



  • Monsalve, C. Y. F., Corena, Z. M. G., & Samudio, M. P. O. (2007). Estudio de caso: terapia manual en una paciente de 18 años con escoliosis juvenil idiopática. Revista Ciencias de la Salud, 5(3), 78-90.
  • Garcia-Barrecheguren, E., Alfonso-Olmos-García, M., & Beguiristain, J. (2001). Defecto vertebral múltiple con otras anomalías acompañantes.
  • Pantoja, T. S., & Chamorro, L. M. (2015). Escoliosis en niños y adolescentes. Revista Médica Clínica Las Condes, 26(1), 99-108.