Erva-de-são-cristóvão: características, usos e precauções

A erva-de-são-cristóvão pode aliviar os sintomas da menopausa, aumentar a fertilidade e tratar vários problemas ginecológicos. Descubra outros de seus benefícios, bem como seus possíveis efeitos adversos.
Erva-de-são-cristóvão: características, usos e precauções

Última atualização: 16 Julho, 2021

A erva-de-são-cristóvão é uma planta com folhas grandes e altos cachos de flores brancas nativas da América do Norte. Tanto suas flores quanto suas raízes eram usadas pelos nativos americanos no tratamento de problemas ginecológicos, renais e até mentais.

Atualmente, a Actaea racemosa, como também é conhecida, atua como ingrediente ativo em suplementos relacionados à saúde da mulher, especialmente voltados para o alívio dos sintomas da menopausa, aumentando a fertilidade e promovendo o equilíbrio hormonal. Descubra tudo o que você precisa saber sobre essa planta a seguir.

Usos e possíveis benefícios para a saúde

Como mencionado anteriormente, a maioria dos seus benefícios e usos estão associados à saúde da mulher. Vamos ver em detalhes como essa planta pode ajudar as mulheres, bem como seus outros benefícios atribuídos.

1. Aliviar os sintomas da menopausa

A maioria das mulheres usa a erva-de-são-cristóvão para combater os sintomas da menopausa (fadiga, ondas de calor, sudorese, insônia, alterações de humor, entre outros).

Um estudo com 80 mulheres na menopausa que apresentavam o sintoma de ondas de calor mostrou que aquelas que consumiram 20 miligramas de erva-de-são-cristóvão diariamente durante 8 semanas experimentaram uma diminuição na quantidade e na gravidade das ondas súbitas.

No entanto, embora existam outros estudos que respaldam esses efeitos, mais pesquisas ainda são necessárias para certificar a erva-de-são-cristóvão como um paliativo para os sintomas da menopausa.

Calor na menopausa
As ondas de calor são sintomas incômodos da menopausa que muitas mulheres tentam eliminar para melhorar a sua qualidade de vida.

2. Pode aumentar a fertilidade

Embora seja verdade que muitos vendedores de erva-de-são-cristóvão afirmam que essa planta pode melhorar a fertilidade, as evidências científicas são escassas.

De acordo com pesquisas publicadas nas revistas Reproductive BioMedicine Online e Gynecological Endocrinology, a erva-de-são-cristóvão aumenta a eficácia do clomifeno, um fármaco usado para o tratamento da infertilidade em mulheres com problemas de ovulação, o que por sua vez aumenta as chances de engravidar.

Os estudos também encontraram uma melhora nas taxas de gravidez e ovulação em mulheres com infertilidade que tomaram suplementos de erva-de-são-cristóvão e clomifeno. No entanto, ainda são necessárias mais pesquisas sobre esses efeitos.

3. Tratar vários problemas ginecológicos

A erva-de-são-cristóvão também é conhecida por tratar outras doenças que afligem as mulheres, incluindo as seguintes:

4. Reduz o risco de desenvolver câncer de mama

Como a erva-de-são-cristóvão se comporta como o hormônio estrogênio, acredita-se que pode piorar ou aumentar o risco de câncer de mama.

No entanto, um estudo publicado na revista Integrative Cancer Therapies descobriu que a erva-de-são-cristóvão não aumenta as chances de desenvolver câncer de mama. Pelo contrário, ela foi associada a um risco menor.

De acordo com estudos em tubos de ensaio, o extrato de erva-de-são-cristóvão pode funcionar como um antiestrogênio e retardar a disseminação das células do câncer de mama. No entanto, ainda são necessárias mais pesquisas.

5. Pode melhorar a saúde mental

Acredita-se que a erva-de-são-cristóvão melhore a saúde mental, especialmente em mulheres na menopausa. De acordo com uma pesquisa publicada na revista Post Reproductive Health, os suplementos de erva-de-são-cristóvão não têm efeito sobre a ansiedade, mas podem melhorar alguns sintomas psicológicos.

Contudo, são necessários mais estudos para apoiar esse benefício dos suplementos da erva-de-são-cristóvão.

6. Pode melhorar a qualidade do sono

Um pequeno estudo com 42 mulheres na menopausa sugeriu que os suplementos de erva-de-são-cristóvão podem melhorar a duração e a qualidade do sono.

Da mesma forma, uma pesquisa publicada na revista Minerva Obstetrics and Gynecology revelou que combinar a erva-de-são-cristóvão com outros compostos (vítex, zinco, gengibre e ácido hialurônico) melhoraria as ondas de calor que causam ansiedade e insônia. No entanto, é difícil saber se foi o composto que estava por trás desses efeitos.

7. Estimular a perda de peso

Na menopausa, as mulheres tendem a ganhar peso devido à diminuição natural de seus níveis de estrogênio. Contudo, como há evidências científicas dos efeitos estrogênicos da erva-de-são-cristóvão, acredita-se que essa planta possa ajudar a controlar o peso nessa fase.

Cuidados e efeitos secundários da erva-de-são-cristóvão

Embora a erva-de-são-cristóvão tenha efeitos colaterais, em sua maioria eles costumam ser leves. Isso inclui dor de estômago, erupções cutâneas, dores musculares, seios aumentados, manchas ou sangramento fora do período menstrual, entre outros.

Os casos graves incluem o agravamento das lesões hepáticas, motivo pelo qual as pessoas com essas doenças ou em tratamento devem evitá-la. Da mesma forma, um estudo em animais relacionou doses altas a danos aos glóbulos vermelhos, o que levaria ao desenvolvimento de anemia. No entanto, mais pesquisas são necessárias para observar esses efeitos em humanos.

Por outro lado, deve-se levar em consideração que as pesquisas sobre a erva-de-são-cristóvão são escassas, podendo haver outros efeitos adversos que ainda não são conhecidos.

Alergia na pele
Dentre as reações adversas deste composto, são citadas as urticárias e as reações dermatológicas.

Dosagem e apresentações da erva-de-são-cristóvão

A erva-de-são-cristóvão pode ser encontrada em várias apresentações, sejam cápsulas, extrato líquido ou chá. As dosagens podem variar dependendo da marca, mas a média geral é de 20 a 120 miligramas de extrato ou pó por dia.

Acredita-se que, para tratar os sintomas da menopausa, seja necessário tomar pelo menos 20 miligramas diários. No entanto, alguns especialistas afirmam que a planta não deve ser ingerida por mais de 6 meses devido ao seu potencial de causar danos ao fígado.

Por sua vez, os suplementos geralmente vêm em apresentações que incluem outros compostos, como o trevo-vermelho, as isoflavonas de soja, o vítex, a erva-de-são-joão, o dong quai e a vitamina C.

Combinar a erva-de-são-cristóvão com cada um desses elementos pode ajudar a impulsionar sua função de alívio dos sintomas da menopausa. No entanto, mais estudos ainda são necessários para apoiar estas hipóteses.

Erva-de-são-cristóvão: uma aliada contra os sintomas da menopausa

A erva-de-são-cristóvão é uma planta medicinal da América do Norte. Os antigos nativos americanos a usavam para tratar doenças que afligiam as mulheres, bem como outras condições, como dor de garganta, problemas renais e até depressão.

Atualmente, suas aplicações não mudaram muito. Ela é usada principalmente para aliviar os sintomas da menopausa, aumentar a fertilidade e tratar vários problemas ginecológicos, como os miomas, a síndrome dos ovários policísticos e a síndrome pré-menstrual.

Embora a maioria de seus efeitos adversos sejam leves, deve-se levar em consideração que ela pode agravar os danos ao fígado, além de afetar os glóbulos vermelhos e causar anemia.

Pode interessar a você...
Climatério e menopausa: como adaptar o seu estilo de vida?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Climatério e menopausa: como adaptar o seu estilo de vida?

Adaptar o seu estilo de vida é fundamental para atender às necessidades de saúde determinadas pelo início do climatério e da menopausa.



  • Mehrpooya, M., Rabiee, S., Larki-Harchegani, A., Fallahian, A. M., Moradi, A., Ataei, S., & Javad, M. T. (2018). A comparative study on the effect of “black cohosh” and “evening primrose oil” on menopausal hot flashes. Journal of education and health promotion, 7, 36. https://doi.org/10.4103/jehp.jehp_81_17
  • Friederichsen, L., Nebel, S., Zahner, C., Bütikofer, L., & Stute, P. (2020). Effect of CIMicifuga racemosa on metaBOLIC parameters in women with menopausal symptoms: a retrospective observational study (CIMBOLIC). Archives of gynecology and obstetrics, 301(2), 517–523. https://doi.org/10.1007/s00404-019-05366-8
  • Shahin, A. Y., Ismail, A. M., & Shaaban, O. M. (2009). Supplementation of clomiphene citrate cycles with Cimicifuga racemosa or ethinyl oestradiol–a randomized trial. Reproductive biomedicine online, 19(4), 501–507. https://doi.org/10.1016/j.rbmo.2009.06.007
  • Shahin, A. Y., & Mohammed, S. A. (2014). Adding the phytoestrogen Cimicifugae Racemosae to clomiphene induction cycles with timed intercourse in polycystic ovary syndrome improves cycle outcomes and pregnancy rates – a randomized trial. Gynecological endocrinology : the official journal of the International Society of Gynecological Endocrinology, 30(7), 505–510. https://doi.org/10.3109/09513590.2014.895983
  • Kamel H. H. (2013). Role of phyto-oestrogens in ovulation induction in women with polycystic ovarian syndrome. European journal of obstetrics, gynecology, and reproductive biology, 168(1), 60–63. https://doi.org/10.1016/j.ejogrb.2012.12.025
  • Xi, S., Liske, E., Wang, S., Liu, J., Zhang, Z., Geng, L., Hu, L., Jiao, C., Zheng, S., Zepelin, H. H., & Bai, W. (2014). Effect of Isopropanolic Cimicifuga racemosa Extract on Uterine Fibroids in Comparison with Tibolone among Patients of a Recent Randomized, Double Blind, Parallel-Controlled Study in Chinese Women with Menopausal Symptoms. Evidence-based complementary and alternative medicine : eCAM, 2014, 717686. https://doi.org/10.1155/2014/717686
  • Fritz, H., Seely, D., McGowan, J., Skidmore, B., Fernandes, R., Kennedy, D. A., Cooley, K., Wong, R., Sagar, S., Balneaves, L. G., & Fergusson, D. (2014). Black cohosh and breast cancer: a systematic review. Integrative cancer therapies, 13(1), 12–29. https://doi.org/10.1177/1534735413477191
  • Huyen, C., Luyen, B., Khan, G. J., Oanh, H. V., Hung, T. M., Li, H. J., & Li, P. (2018). Chemical Constituents from Cimicifuga dahurica and Their Anti-Proliferative Effects on MCF-7 Breast Cancer Cells. Molecules (Basel, Switzerland), 23(5), 1083. https://doi.org/10.3390/molecules23051083
  • Shahmohammadi, A., Ramezanpour, N., Mahdavi Siuki, M., Dizavandi, F., Ghazanfarpour, M., Rahmani, Y., Tahajjodi, R., & Babakhanian, M. (2019). The efficacy of herbal medicines on anxiety and depression in peri- and postmenopausal women: A systematic review and meta-analysis. Post reproductive health, 25(3), 131–141. https://doi.org/10.1177/2053369119841166
  • Jiang, K., Jin, Y., Huang, L., Feng, S., Hou, X., Du, B., Zheng, J., & Li, L. (2015). Black cohosh improves objective sleep in postmenopausal women with sleep disturbance. Climacteric : the journal of the International Menopause Society, 18(4), 559–567. https://doi.org/10.3109/13697137.2015.1042450
  • Cappelli, V., Morgante, G., Di Sabatino, A., Massaro, M. G., & De Leo, V. (2015). Valutazione dell’efficacia di un nuovo preparato nutraceutico nel trattamento dei disturbi delle donne in postmenopausal [Evaluation of the efficacy of a new nutraceutical product in the treatment of postmenopausal symptoms]. Minerva ginecologica, 67(6), 515–521.
  • Martin B. R. (2019). Complementary Medicine Therapies That May Assist With Weight Loss: A Narrative Review. Journal of chiropractic medicine, 18(2), 115–126. https://doi.org/10.1016/j.jcm.2018.10.004