Endometriose na menopausa

02 Novembro, 2020
É muito comum que os sintomas da endometriose desapareçam com a chegada da menopausa. Porém, também há muitos casos em que isso não acontece e a situação piora ainda mais.

A menopausa nem sempre significa a cura para a endometriose. Enquanto em algumas mulheres essa condição desaparece, em outras ela persiste e tende a se complicar. Cada caso se desenvolve de forma única, portanto, é necessário obter um atendimento médico personalizado.

A endometriose é a presença de tecido endometrial fora da cavidade uterina, onde ele geralmente se encontra. É considerada uma doença crônica, pois é dolorosa e persiste com o tempo. A seguir, detalhamos mais sobre seus sintomas e possíveis tratamentos.

O que é a endometriose?

A cada ciclo menstrual, o tecido endometrial, ou endométrio, fica mais espesso e sangra. Quando a endometriose está presente, alguns tecidos semelhantes se comportam como se fossem endometriais; entretanto, eles não têm como ser eliminados do corpo.

O que acontece nesses casos é que esses tecidos ficam retidos no organismo. Como resultado, eventualmente ficam irritados, formam um tecido fibroso e fazem com que os outros tecidos e órgãos da região pélvica se unam entre si. Isso provoca um aumento da inflamação e da dor.

Esta doença afeta especialmente os ovários, o tecido pélvico e as trompas de Falópio. Em alguns casos, também pode afetar os ligamentos e a superfície peritoneal, bem como os intestinos e a bexiga.

Frequentemente, os sintomas desta doença tendem a desaparecer na menopausa. Durante esse período da vida, os estímulos hormonais do ciclo menstrual não estão presentes e, portanto, o tecido endometrial ectópico se reduz ou desaparece. O tratamento da mulher através de reposição hormonal pode fazer os sintomas retornarem.

Mulher com endometriose
A endometriose é uma doença ginecológica que causa dor e inflamação. Além disso, está associada à infertilidade.

Endometriose na menopausa

Ao atingir uma determinada idade, por volta dos 50 anos, o corpo da mulher deixa de produzir estrogênios, hormônios relacionados ao desenvolvimento da endometriose. A alteração hormonal, portanto, faz com que os sintomas da doença comecem a desaparecer.

No entanto, em muitas mulheres, essa condição não desaparece com a chegada da menopausa. Nesse caso, a mulher pode continuar a ter pequenas perdas de sangue e formar miomas nos ovários, nas trompas de falópio e assim por diante.

Também pode acontecer que a endometriose na menopausa seja mais complicada do que em momentos anteriores da vida da paciente. São casos que não remitem com medicamentos e cujos sintomas se manifestam de maneira mais intensa. Por isso, nesta situação, é possível optar por uma intervenção cirúrgica.

Leia também: Conselhos nutricionais para melhorar a endometriose

Possíveis tratamentos

É possível tratar a endometriose com a administração de hormônios ou através de cirurgia; isso vai depender da localização específica dos tecidos endometriais. Se o que se busca é diminuir a dor, o tratamento farmacológico é o mais aconselhável, na maioria dos casos.

Entretanto, quando a doença persiste durante a menopausa, deve ser tratada com muito cuidado. A terapia de reposição hormonal, usada durante esta fase da vida da mulher, pode causar mais dor na região pélvica ou sangramento.

Portanto, é fundamental levar em consideração os prós e os contras dessas opções terapêuticas no momento da consulta ginecológica. No caso de endometriose extensa, o mais aconselhável é o tratamento cirúrgico. Os procedimentos mais comumente usados ​​são os seguintes:

  • A laparoscopia, que visa remover cicatrizes ou queimar tecidos danificados, sem retirar os saudáveis.
  • A laparotomia, uma cirurgia de grande porte, na qual se remove todo o endométrio.

Às vezes, nos casos mais graves, é necessário recorrer à retirada definitiva do útero, ou histerectomia. No entanto, isso não é muito comum.

Cirurgia para tratar a endometriose
A cirurgia costuma ser uma das alternativas de tratamento da endometriose. O ginecologista determinará qual é a melhor opção para cada caso.

Não deixe de ler: Alivio natural para a endometriose

Informações úteis sobre a endometriose na menopausa

A endometriose é uma doença benigna que, na grande maioria dos casos, não leva ao câncer. Com frequência, ela se manifesta após a menarca e persiste durante toda a vida fértil da mulher.

Deve-se destacar que houve casos de meninas que apresentaram essa condição antes mesmo da menarca. Também há casos de endometriose na menopausa e depois dela. Para essa patologia, não existem regras definitivas.

Acredita-se que a doença possa envolver fatores genéticos, familiares e ambientais. A endometriose pode diminuir a fertilidade da mulher, uma vez que o espessamento dos tecidos uterinos impede a chegada do esperma ao óvulo.

Na presença de sintomas que alertem para essa condição, é melhor ir ao médico ou ginecologista. É durante a consulta que se define o melhor tratamento, de acordo com cada caso.

  • Parasar P, Ozcan P, Terry KL. Endometriosis: Epidemiology, Diagnosis and Clinical Management. Curr Obstet Gynecol Rep. 2017;6(1):34-41. doi:10.1007/s13669-017-0187-1
  • Shah D. Postmenopausal endometriosis: An enigma revisited. J Midlife Health. 2014;5(4):163-164. doi:10.4103/0976-7800.145189
  • Patóloga, A. A. L. N. M., de Anatomía, E. E. C., & Di Loreto, F. P. D. V. (2010). MENOPAUSIA: generalidades, fisiopatología de las alteraciones endometriales, cardíacas y óseas. ENDOMETRIO DISFUNCIONAL: tipos, características anatomopatológicas.
  • Gemmell LC, Webster KE, Kirtley S, Vincent K, Zondervan KT, Becker CM. The management of menopause in women with a history of endometriosis: a systematic review. Hum Reprod Update. 2017;23(4):481-500. doi:10.1093/humupd/dmx011
  • Secosan C, Balulescu L, Brasoveanu S, et al. Endometriosis in Menopause-Renewed Attention on a Controversial Disease. Diagnostics (Basel). 2020;10(3):134. Published 2020 Feb 29. doi:10.3390/diagnostics10030134
  • Rafique S, Decherney AH. Medical Management of Endometriosis. Clin Obstet Gynecol. 2017;60(3):485-496. doi:10.1097/GRF.0000000000000292
  • Morotti M, Remorgida V, Venturini PL, Ferrero S. Endometriosis in menopause: a single institution experience. Arch Gynecol Obstet. 2012;286(6):1571-1575. doi:10.1007/s00404-012-2473-5
  • L.C. Gemmell, K.E. Webster, S. Kirtley, K. Vincent, K.T. Zondervan, C.M. Becker, The management of menopause in women with a history of endometriosis: a systematic review, Human Reproduction Update, Volume 23, Issue 4, July-August 2017, Pages 481–500, https://doi.org/10.1093/humupd/dmx011