Conselhos nutricionais para melhorar a endometriose

23 Junho, 2020
Para as mulheres com endometriose, a recomendação é manter uma alimentação rica em ferro, pois o sangramento pode esgotar o suprimento de ferro do corpo, além de outros nutrientes essenciais.
 

Neste artigo, vamos falar sobre como a dieta pode ajudar a melhorar a endometriose. Os alimentos podem auxiliar em muitas funções do organismo e melhorar os sintomas de algumas condições. Determinados nutrientes podem ser capazes de reduzir alguns dos sintomas.

Embora hoje em dia a endometriose seja considerada uma doença de causas desconhecidas e não tenha relação direta com a alimentação, sabemos que existem diversos fatores (desequilíbrio hormonal, inflamação, dor, problemas digestivos…) que, de uma maneira ou de outra, exercem influência sobre a doença.

Assim, através da alimentação, podemos contribuir para melhorar esses fatores e a nossa qualidade de vida.

O que é a endometriose?

Endometriose
A endometriose é uma alteração das paredes uterinas que está relacionada com a infertilidade em 40% dos casos.

A endometriose é uma doença que afeta as mulheres durante a vida reprodutiva. Basicamente, refere-se à presença de tecido endometrial fora do útero. Na maioria das vezes, esses focos de endometriose estão localizados na região pélvica (peritônio, ovários, intestino ou bexiga), mas, com menos frequência, podem ser encontrados em outras áreas.

É uma doença comum com uma alta prevalência entre mulheres em idade fértil, afetando de 5 a 10% da população. Ao mesmo tempo, essa condição está intimamente associada com a infertilidade, que ocorre em 40% dos casos.

 

Leia também: 5 coisas que só quem sofre com a endometriose entende

Como a dieta pode melhorar a endometriose

Como acontece na maioria das doenças, a alimentação e o estilo de vida desempenham um papel fundamental. Seguir a dieta correta pode ajudar a minimizar o desequilíbrio hormonal, a inflamação abdominal, a dor e os problemas digestivos causados pela endometriose.

Para melhorar a endometriose, sugere-se consumir uma dieta composta por alimentos frescos, cultivados de forma orgânica e sem pesticidas. Entre esses produtos, encontramos:

  • Proteína de alta qualidade da carne e de animais de caça, peixes e ovos.
  • Oleaginosas cruas, sementes e leguminosas.
  • Vegetais de folhas verdes ou vegetais vermelhos ou alaranjados crus.
  • Amoras e outras frutas ricas em antioxidantes.

Outras recomendações para melhorar a endometriose:

1. Vitamina B

Os benefícios do brócolis
Os vegetais de folhas verdes são ricos em vitaminas do grupo B, o que permite regular as quantidades de estrogênio no sangue com ajuda das fibras.

Devemos lembrar que o excesso de estrogênio favorece o crescimento do tecido endometrial fora do útero.  O estrogênio é um hormônio sexual esteroide, principalmente feminino, que é produzido nos ovários e nas glândulas suprarrenais.

Quantidades maiores de vitamina B, especialmente em um fígado saudável, podem transformar o estradiol em estriol, a forma por meio da qual o estrogênio pode se ligar às fibras e ser eliminado do corpo. As vitaminas B estão presentes nos vegetais crucíferos, como a couve, o agrião, o brócolis, e os brotos.

 

2. Alimentos ricos em ferro

Para as mulheres com endometriose, a recomendação é manter uma alimentação rica em ferro, pois o sangramento pode esgotar o suprimento de ferro do corpo.

Existem dois tipos de ferro que podem ser obtidos dos alimentos: o ferro heme, da carne, dos ovos e dos peixes de alta qualidade, e o ferro não-heme, dos vegetais de folhas verdes, da beterraba e do chocolate. Esse segundo grupo apresenta o problema de ter um nível de absorção inferior ao do primeiro.

3 Ácidos graxos ômega-3

Os resultados de um estudo de 12 anos de duração que monitorou 70.709 enfermeiras nos Estados Unidos, publicado originalmente na revista Health Reproduction, descobriu que mulheres que consumiam maiores quantidades de ácidos graxos ômega-3 eram 22% menos propensas a serem diagnosticadas com endometriose.

4. Fibras

Alimentos com fibras para melhorar a endometriose
As fibras contribuem para melhorar o aparelho digestivo e outras funções do organismo, como o controle de determinados desequilíbrios hormonais.

A fibra é de consumo obrigatório para pacientes com endometriose, pois mantém a saúde do trato intestinal e melhora a eliminação do excesso de estrogênio. Portanto, não deixe de consumir fibras de fontes como vagem, couve-flor, frutas, brócolis e couve-de-bruxelas, entre outros.

 

Leia também: 9 aspectos importantes sobre a endometriose que todos deveriam saber

5. Dieta pobre em glúten

Embora não seja possível afirmar que existe uma relação direta entre a doença celíaca e a endometriose, existem estudos que revelam que, após 12 meses de uma dieta sem glúten, os sintomas da endometriose perdem força. 

Em todo caso, não se trata de eliminar o glúten por completo da dieta, visto que uma dieta sem glúten é indicada exclusivamente para pessoas que foram diagnosticadas com doença celíaca.

Não deixe de equilibrar uma alimentação saudável com a prática de algum exercício do qual você goste. Mesmo que os sintomas da endometriose não diminuam tanto quanto você gostaria, manter uma dieta saudável traz outros benefícios para a saúde.

 
  • Marziali M, Venza M, Lazzaro S, Lazzaro A, Micossi C, Stolfi VM. Gluten-free diet: a new strategy for management of painful endometriosis related symptoms? Minerva Chir. 2012 Dec;67(6):499-504. PubMed PMID: 23334113.
  • Nnoaham, K. E., Hummelshoj, L., Webster, P., d’Hooghe, T., de Cicco Nardone, F., de Cicco Nardone, C., … & Study, W. E. R. F. G. (2011). Impact of endometriosis on quality of life and work productivity: a multicenter study across ten countries. Fertility and sterility, 96(2), 366-373.
  • Ruiz, R. P., Calleja, J. T., Montiel, J. A. Z., Chéquer, J. C. M., Álvarez, D. M., & Luna, A. G. (2005). Incidence of endometriosis in infertile women: clinical and laparoscopic characteristics. Ginecologia y obstetricia de Mexico, 73(09), 471-476.
  • Rechkemmer, A. F. (2012). Manejo de la endometriosis e infertilidad. Revista Peruana de Ginecología y Obstetricia, 58(2), 101-105.