O que é a erotomania e como ela se expressa?

A erotomania é uma ilusão romântica em relação a alguém com quem é improvável que a pessoa tenha um relacionamento real. Saiba quais são as expressões dessas fantasias de amor.
O que é a erotomania e como ela se expressa?

Última atualização: 13 Setembro, 2021

Provavelmente todos já tivemos a impressão de que alguém estava apaixonado por nós. As relações interpessoais são complexas. Às vezes, interpretamos mal os “sinais” que as pessoas nos dão. Dito isso, é hora de descobrir o que é a erotomania e como ela se relaciona com o amor .

Em primeiro lugar, deve-se destacar que esse estranho transtorno de personalidade também é conhecido como “síndrome de Clerambault”, em reconhecimento ao psiquiatra francês Gaëtan Gatian de Clérambault (descobridor dessa patologia). Nele, a pessoa afetada tem a ideia irracional de que alguém está apaixonado por ela.

Trata-se de um distanciamento da realidade que se torna cada vez mais intenso. Assim, mesmo quando não há evidências, os pacientes têm a convicção de que são romanticamente desejados por outra pessoa. Quais são suas possíveis causas? Como tratar esta condição? Vamos compartilhar mais detalhes a seguir.

Como a erotomania se expressa?

A erotomania é expressa como uma alteração da realidade, ou seja, os afetados idealizam os sentimentos de outras pessoas em relação a eles . Devido a esse equívoco, várias complicações podem surgir. A seguir, revisaremos algumas expressões problemáticas comuns.

1. Assédio

Nesses casos, o assédio é produto da ilusão. Nele, o stalker não está ciente de que seu comportamento é prejudicial à vítima. Os esforços constantes para estabelecer contato são motivados pela intenção de mostrar à outra pessoa que o seu “sentimento de amor” é correspondido.

Como a erotomania se expressa?
A obsessão que a pessoa tem com a erotomania leva a situações de assédio.

2. Comportamento imprudente

Em suas tentativas de entrar em contato com a pessoa desejada, os pacientes agem de forma desproporcional e não medem os riscos. Por exemplo, eles são capazes de invadir ilegalmente a propriedade de outra pessoa.

3. Depressão

Diante da falta de contato com a pessoa desejada, esses pacientes tendem a ficar deprimidos. Isso ocorre, por exemplo, depois de enviarem várias mensagens diretas nas redes sociais e não receberem uma resposta. Esses casos ocorrem principalmente quando as pessoas que são objeto de desejo são celebridades.

Causas e fatores de risco da erotomania

Os delírios desse transtorno de personalidade podem ser um sintoma de doenças psiquiátricas. No entanto, patologias que envolvem comprometimento cognitivo, como o Alzheimer, também estão envolvidas. Veremos em detalhes os fatores de risco que podem causar esse transtorno.

1. Uso de substâncias

O consumo de substâncias como álcool ou outras drogas provoca alterações no sistema nervoso central. Portanto, os pacientes com vícios desse tipo correm o risco de ter delírios.

2. Fanatismo

O fanatismo exacerbado também deve ser levado em consideração. Em outras palavras, pessoas que tendem a se apaixonar por celebridades são uma população em risco. O filme “Misery” conta a história de uma mulher que sequestra um escritor por quem ela desenvolveu uma obsessão.

3. Baixa autoestima

Pessoas com problemas de autoestima tendem a glorificar os outros. Como estabelecemos no caso anterior, o fanatismo leva à obsessão. Especificamente, um paciente com baixa autoestima pode apresentar delírios românticos em relação à pessoa por quem ficou obcecado.

4. Complexo de superioridade

Ao contrário da crença popular, as pessoas com complexo de superioridade apresentam uma baixa autoestima. Portanto, elas tentam esconder esse fato mostrando uma atitude marcadamente oposta. Muitas vezes, elas entendem mal o comportamento de outras pessoas.

Portanto, tendem a pensar que são admirados ou amados pelos outros. Nesses casos, fica mais evidente que há um delírio envolvido. Normalmente essas pessoas são rejeitadas descaradamente e, ainda assim, mantêm a ideia de serem desejadas.

Tratamento disponível para a erotomania

O tratamento para transtornos delirantes não é simples. As pessoas afetadas apresentam uma forte resistência ao processo terapêutico. A razão para isso é que elas não sabem que têm um problema.

Em relação ao problema exposto, o melhor tratamento é aquele que combina psicoterapia com psicofármacos . A medicação só deve ser indicada por um psiquiatra. Nestes casos, o psicólogo desempenha um papel de apoio, ajudando o paciente a reconhecer a sua realidade.

A terapia cognitivo-comportamental é uma das mais utilizadas na erotomania. Esse modelo terapêutico se caracteriza por questionar o paciente por meio do diálogo socrático. Conforme as sessões progridem, as pessoas são capazes de chegar a conclusões mais adaptativas por conta própria.

Terapia cognitivo-comportamental
A terapia cognitivo-comportamental costuma ser aplicada para apoiar o tratamento da erotomania. No entanto, medicamentos psicotrópicos também podem ser necessários.

Como as redes sociais influenciam a erotomania?

De acordo com alguns estudos, a exposição constante às redes sociais intensifica a síndrome de Clerambault. Isso faz sentido, já que hoje as pessoas têm um nível mais alto de acesso à vida íntima das celebridades. Consequentemente,  uma falsa sensação de proximidade.

As redes sociais oferecem a possibilidade de ver a vida das celebridades quase em tempo real. Além disso, agora é possível enviar mensagens para suas celebridades favoritas, facilitando o cyberbullying.

No entanto, na ausência de resposta da pessoa que é o objeto de desejo, a frustração se instala. Nesses casos, os pacientes se refugiam em suas fantasias para aliviar o desconforto de serem ignorados por aqueles que admiram e desejam.

Pode interessar a você...
Filofobia: o medo de se apaixonar e experimentar o amor
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Filofobia: o medo de se apaixonar e experimentar o amor

É normal se sentir inseguro ao se apaixonar. No entanto, a filofobia é uma fobia e, portanto, algo muito mais sério. Saiba mais detalhes neste arti...



  • Valadas, M.T.T.R.T., Bravo, L.E.A. De Clérambault’s syndrome revisited: a case report of Erotomania in a male. BMC Psychiatry 20, 516 (2020). https://doi.org/10.1186/s12888-020-02921-5
  • Valadas, Maria Teresa Tavares Rodrigues Tomaz, and Lucilia Eduarda Abrantes Bravo. “De Clérambault’s Syndrome Revisited: A Case Report of Erotomania in a Male.” BMC Psychiatry 20.1 (2020): n. pag. BMC Psychiatry. Web.
  • Ghosh, T., & Chowdhary, M. (2021). De Clerambault Syndrome: Current Perspective. In Anxiety Disorders – The New Achievements. IntechOpen. https://doi.org/10.5772/intechopen.92121
  • Seeman, Mary V. “Erotomania and Recommendations for Treatment.” Psychiatric Quarterly 87.2 (2016): 355–364. Psychiatric Quarterly. Web.