Melhor Com Saúde
 

Epilepsia e gravidez: tudo que você precisa saber

A associação entre epilepsia e gravidez não é impossível, mas possui seus riscos. Por isso, é essencial que as mulheres com essa patologia façam controles prévios para reduzir os problemas associados.

Epilepsia e gravidez: tudo que você precisa saber

Última atualização: 25 Novembro, 2020

Ter epilepsia durante a gravidez é uma situação que acontece em 3 a cada 1.000 gestações. Não é o mais comum, mas não se pode dizer que seja um número insignificante de casos.

Felizmente, as convulsões não aumentam por causa do feto, nem há alterações na maioria dos bebês nascidos de mães com a patologia. Até 96% nascem de um parto normal e descomplicado.

O que acontece na gravidez de uma mulher com epilepsia?

A epilepsia é definida como uma doença neurológica na qual a pessoa sofre descargas sincronizadas e intensas em seus neurônios. Ou seja, a atividade elétrica das células nervosas acontece ao mesmo tempo em grandes áreas do cérebro.

Isso pode resultar em convulsões ou não. Há uma diferença entre as crises epilépticas e o estado convulsivo. Eles nem sempre andam de mãos dadas, mesmo que no pensamento popular o façam. No entanto, a descarga elétrica sempre se expressa com algum sintoma, que pode ser uma ausência ou um pequeno movimento localizado.

Ao passar por uma gestação, o corpo feminino muda pela ação dos hormônios, especialmente a progesterona. Há modificações no trato genital, sistema reprodutivo, coração e tecidos moles em geral. Podemos dizer que quase todas as células são afetadas, de uma forma ou de outra.

Não há aumento ou diminuição significativa das convulsões durante a gravidez. Estudos epidemiológicos nesse sentido concluem que esse tipo de influência não pode ser atribuída ao feto.

No entanto, quando o sono da gestante não é adequado, por causa da insônia, pode haver problemas mais graves. As convulsões geralmente aumentam se a falta de sono estiver concentrada no último trimestre. No entanto, não se sabe ao certo se o culpado final é o sono, o estresse ou um fator hormonal.

No entanto, há problemas com a concentração de medicamentos utilizados para tratar a epilepsia. Lembre-se de que mulheres com epilepsia que já estão medicadas apresentam uma modificação do volume total de sangue circulante durante a gestação, bem como sua distribuição pelos tecidos corporais.

Epilepsia e gravidez
Até o momento, as evidências não determinaram que a gestação aumente ou reduza as convulsões em mulheres que têm epilepsia.

Continue lendo: A síndrome de abstinência neonatal

Medicamentos antiepilépticos durante a gravidez

Os medicamentos anticonvulsivantes mais prescritos podem causar malformações congênitas. Isso cria um dilema no cuidado e no acompanhamento de uma gravidez em uma mulher com epilepsia.

Se compararmos a incidência de defeitos congênitos entre crianças nascidas de mães epilépticas e de mulheres sem a doença, encontramos diferenças perceptíveis. Enquanto na população geral aparece uma malformação a cada 100 nascimentos, naquelas medicadas com antiepilépticos há até 3 vezes mais risco.

A probabilidade de um parto complicado aumenta quando muitos medicamentos são prescritos para a mãe. Esta é uma situação comum entre pacientes epilépticos que não respondem bem aos tratamentos habituais, e o médico começa a combinar diferentes doses para reduzir as convulsões.

Na politerapia, que é o tratamento com diferentes medicamentos ao mesmo tempo, foram detectadas malformações congênitas quando foram incluídos medicamentos como valproato e carbamazepina. No feto, o mais afetado é o sistema nervoso central.

O que os médicos sugerem quando a mulher planeja uma gravidez é reduzir as doses de antiepilépticos para pontos seguros. Às vezes, quantidades muito mínimas de uma única droga podem ser usadas se a paciente estiver sem convulsões por mais de 9 meses.

No entanto, essa redução só pode ser feita por um profissional ou especialista médico. Nem o paciente, nem seus parentes, nem ninguém sem o poder necessário pode tomar essa decisão, pois o risco de não ter a dose adequada é alto e as consequências são graves.

Existe risco de convulsões durante a gravidez?

Embora as estatísticas não indiquem claramente um aumento ou diminuição das convulsões durante a gravidez, elas acontecem. Se a paciente sempre convulsionou com frequência, ela continuará a fazê-lo durante a gravidez.

Estados convulsivos apresentam riscos para a mãe e para o feto. Um dos maiores problemas é a hipóxia, ou seja, a falta de oxigenação dos tecidos durante o evento. Se uma quantidade suficiente de oxigênio não chegar à placenta, o bebê pode ter o funcionamento de seus órgãos em desenvolvimento afetado.

O trauma também é uma complicação das convulsões que se torna problemático em uma mulher grávida. Ao perder a consciência durante o episódio, a paciente pode cair e se machucar em áreas sensíveis, como crânio e abdômen, agora aumentado em tamanho já que abriga o feto.

taxa de mortalidade em gestantes epilépticas é maior do que em outras gestantes. Muitas dessas mortes, estimadas em cerca de 1 em cada 1.000 gestações, são atribuídas à morte inesperada súbita em epilepsia (MSIE).

MSIE é uma morte inexplicável, sem afogamento ou trauma, em pessoas com epilepsia. A origem da síndrome é desconhecida, mas sabe-se que existem fatores de risco que podem ser acionados para reduzir a possibilidade de seu início.

A mulher nunca deve dormir sozinha, nem fazê-lo com a face para baixo. Além disso, na medida do possível, sua família ou amigos devem ser treinados em primeiros socorros para ajudá-la.

Grávida descansando
Se uma mulher com epilepsia costumava ter convulsões frequentes, durante a gravidez é provável que ela continue a tê-las. Portanto, é importante que família e amigos saibam como lidar com a situação.

Saiba mais: Remédios naturais para a epilepsia: complementos simples e eficazes

O que lembrar sobre a gravidez e a epilepsia?

A gravidez pode ser combinada com a epilepsia. Não é uma tarefa impossível, mas requer um acompanhamento rigoroso do médico, além de precauções que reduzam os riscos associados.

A medicação continua sendo mantida de acordo com a prescrição dos profissionais. As dosagens de concentração no sangue materno podem ser solicitadas para ajustar as quantidades. A gestante nunca deve decidir por conta própria a suspensão ou mudança da dose.

O parto deve ser agendado com antecedência, em locais especializados, com uma equipe médica com experiência no assunto. A opção de cesariana é válida e deve surgir de um diálogo sincero entre o obstetra e a mulher. Quanto maior a comunicação entre os envolvidos, melhores resultados serão obtidos ao final de todo o processo.

Neuroglúten: relação entre glúten e doenças neurológicas

Neuroglúten: relação entre glúten e doenças neurológicas

O consumo de glúten está associado, em certos casos, a uma maior sintomatologia de certas doenças neurológicas. É o chamado "neuroglúten".



  • Palacio, Eduardo, and Karen Cárdenas. “Epilepsia y embarazo.” Revista Repertorio de Medicina y Cirugía 24.4 (2015): 243-253.
  • García, Ramiro Jorge García. “Situaciones especiales en adolescentes epilépticos: embarazo, parto y lactancia.” Revista Cubana de Neurología y Neurocirugía 2.1 (2012): 47-55.
  • Navarro-Meza, Andrea. “Epilepsia y embarazo.” Acta Académica 47.Noviembre (2010): 251-256.
  • Planas-Ballvé, A., et al. “El insomnio y la pobre calidad de sueño se asocian a un mal control de crisis en pacientes con epilepsia.” Neurología (2020).
  • Battino, D., et al. “Malformaciones en los hijos de embarazadas con epilepsia.” Rev Neurol 34.5 (2002): 476-480.
  • Lallana, Virginia Meca, and José Vivancos Mora. “Fármacos antiepilépticos.”
  • Kochen, Silvia, Constanza Salera, and Josef Seni. “Embarazo y epilepsia en Argentina.” Neurología Argentina 3.3 (2011): 156-161.
  • Pascual, F. Higes, and A. Yusta Izquierdo. “Tratamiento de la epilepsia.” Medicine-Programa de Formación Médica Continuada Acreditado 12.72 (2019): 4232-4242.
  • Vélez, Alberto, Paola A. Ortíz, and Carolina Sandoval. “Problemas de los hijos de madres con epilepsia.” Acta Neurol Colomb 21.1 (2005): 73-81.
  • Velásquez, Mauricio, Alejandro De Marinis, and Evelyn Benavides. “Muerte súbita en epilepsia.” Revista médica de Chile 146.8 (2018): 902-908.
  • Borgelt, Laura M., Felecia M. Hart, and Jacquelyn L. Bainbridge. “Epilepsy during pregnancy: focus on management strategies.” International journal of women’s health 8 (2016): 505.