Sarampo na gravidez: sintomas e tratamento

15 Julho, 2020
O sarampo na gravidez traz vários riscos para a mãe e o feto. Por isso, é importante saber como a doença ocorre e o que pode ser feito para evitá-la.

O sarampo é uma doença respiratória transmitida por contágio que pode ser fatal. O sarampo na gravidez representa um perigo para a saúde da mãe e do feto, pois aumenta o risco de nascimentos prematuros, abortos e malformações no bebê.

Embora seja uma doença que pode ser evitada através da vacinação, e embora as taxas de mortalidade por sarampo tenham diminuído em 80% nos últimos 10 anos, em 2017 houve 110 mil mortes, principalmente entre crianças menores de 5 anos anos.

O que é o sarampo?

O sarampo é uma doença causada por um vírus da família dos paramixuvírus. Este vírus se reproduz no nariz e na garganta das pessoas, e é transmitido quando é expulso pela tosse ou pelo espirro. O vírus pode permanecer no ar ou se depositar em uma superfície, onde permanece ativo por várias horas, e pode infectar pessoas que entrem em contato com ele.

Sintomas

Os sintomas do sarampo aparecem entre 10 e 14 dias após a exposição ao vírus e se manifestam de maneiras diferentes. Eles incluem:

  • Febre
  • Tosse e dor de garganta
  • Rinite
  • Conjuntivite
  • Manchas dentro da boca, chamadas de manchas de Koplik
  • Erupção cutânea em todo o corpo.

Esses sintomas ocorrem em dois estágios. Primeiro, se manifestam os sintomas de gripe ou resfriado, como febre, tosse e dor nos olhos. Após dois ou três dias, as erupções começam a aparecer dentro da boca. Ao longo dos dias, elas se espalham pelo corpo.

O sarampo é contagioso desde os primeiros dias em que os sintomas semelhantes aos da gripe aparecem, e até 4 dias após o aparecimento da erupção cutânea. Se não houver complicações, a doença dura cerca de 10 dias.

O vírus do sarampo
Inicialmente, o sarampo se manifesta com sintomas comuns de gripes e resfriados, como febre, tosse, irritação nos olhos, entre outros. No entanto, à medida que progride, leva a mais complicações.

Complicações do sarampo

As complicações mais comuns do sarampo são;

  • Diarreia
  • Pneumonia
  • Encefalite
  • Ulceração da córnea

Um caso menos comum é a panencefalite, que ocorre quando o vírus se aloja no cérebro. Lá, permanece passivo por períodos de 4 a 8 anos. Eventualmente, o vírus progride e se torna ativo, causando sérios problemas neurológicos que levam a distúrbios de personalidade, problemas motores e eventualmente causam a morte.

Leia também: Vacinação infantil: perguntas e respostas

Sarampo na gravidez

As mulheres grávidas que nunca tiveram a doença ou não foram vacinadas são suscetíveis à infecção. O Dr. Neil Silverman, membro do conselho do Centro de Medicina Fetal e Ultrassom para Mulheres em Los Angeles, Califórnia, alerta que os sintomas do sarampo na gravidez costumam ser mais graves e têm consequências para o feto e a gravidez.

Os principais riscos para o bebê são:

  • Parto prematuro
  • Aborto
  • Encefalite
  • Cegueira
  • Surdez
  • Malformações físicas

Se uma mulher contrai sarampo, ela pode ser tratada com uma injeção de anticorpos chamada imunoglobulina sérica, que ajuda a diminuir os sintomas. A imunoglobina sérica deve ser administrada dentro de 6 dias após a infecção.

Riscos da vacinação em mulheres grávidas

A vacinação contra o sarampo é feita com o vírus ativo; portanto, não deve ser administrada em mulheres grávidas, pois o mesmo pode ser transferido para o bebê se a vacinação for realizada nos seguintes períodos:

  • A partir de 6 meses antes da gravidez.
  • Durante a gravidez.
  • Dentro de 30 dias após o nascimento, se o bebê estiver sendo amamentado.
Vacina contra o sarampo
A vacinação contra o sarampo pode reduzir o risco de contrair a doença em até 90%. No entanto, na gravidez, é importante avaliar os riscos.

Se uma mulher foi vacinada ou já teve sarampo, seus anticorpos passam para o bebê através do leite; portanto, se eles forem infectados, o caso será muito leve. No entanto, se uma mulher for infectada no período de lactação, pode transmitir a doença para o bebê, e isso é muito perigoso porque o maior número de mortes por sarampo ocorre em bebês – diz o Dr. José Tessone, do Centro de Ginecologia Integral do México.

Você pode se interessar: Descubra a importância de manter a vacinação em dia

Vacinação

A vacina contra o sarampo é recomendada a partir dos 12 meses de idade, e uma segunda dose 28 dias depois. Pesquisas mostram que a vacina reduz o risco de contrair o sarampo em 90%.

Em alguns casos, recomenda-se a revacinação de adultos. “Quando começou a vacinação contra o sarampo, há cerca de 40 ou 50 anos, o sistema imunológico tinha que combater o vírus com frequência.

Agora que o vírus está mais raro, as pessoas que foram vacinadas entre as décadas de 1960 e 1980 poderiam ser mais suscetíveis à doença hoje”, esclarece o Dr. Silverman. Portanto, a vacinação contra o sarampo na gravidez deve seguir as orientações indicadas acima.

  • Measles.Key Fatcs. World Health organization. (2018). https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/measles
  • Sarampión. Mayo Clinic. https://www.mayoclinic.org/es-es/diseases-conditions/measles/symptoms-causes/syc-20374857
  • Silasi, M., Cardenas, I., Kwon, J. Y., Racicot, K., Aldo, P., & Mor, G. (2015). Viral Infections During Pregnancy. American Journal of Reproductive Immunology. https://doi.org/10.1111/aji.12355
  • Chiba, M. E., Saito, M., Suzuki, N., Honda, Y., & Yaegashi, N. (2003). Measles infection in pregnancy. Journal of Infection. https://doi.org/10.1016/S0163-4453(03)00045-8
  • Eberhart-Phillips, J. E., Frederick, P. D., Baron, R. C., & Mascola, L. (2004). Measles in pregnancy: A descriptive study of 58 cases. International Journal of Gynecology & Obstetrics. https://doi.org/10.1016/0020-7292(94)90321-2