Epilepsia e amamentação

A combinação de epilepsia e aleitamento materno desperta dúvidas nas mães com a doença. Vamos desvendar quais são as recomendações para amamentar, apesar da medicação.
Epilepsia e amamentação

Última atualização: 24 Novembro, 2020

A amamentação costuma ser recomendada para todos os recém-nascidos filhos de mães com epilepsia. O uso de medicamentos antiepilépticos não causa efeitos colaterais no bebê amamentado, mas ainda assim, sempre surgem dúvidas sobre a epilepsia e a amamentação.

A seguir, veremos algumas recomendações a serem consideradas para minimizar possíveis efeitos indesejados. Vamos partir da afirmação de que epilepsia e amamentação são compatíveis.

Algumas definições de epilepsia

A epilepsia é definida como um transtorno no qual uma pessoa tem convulsões devido a um processo crônico subjacente no cérebro. Este processo causa descargas repetidas e sincronizadas de impulsos neurais.

A convulsão é um episódio repentino causado por essas descargas anormais e excessivas. Isso produzirá um desequilíbrio entre excitação e inibição cerebral.

Devemos esclarecer que a presença de uma ou mais convulsões não é sinônimo de epilepsia. Na epilepsia, como mencionamos anteriormente, há uma alteração no nível cerebral que não pode ser corrigida.

Existem diferentes tipos de epilepsia, e cada uma tem um tratamento e prognóstico particular. O uso de medicamentos antiepilépticos é a abordagem mais difundida.

Ligações neuronais
A descarga sincronizada e excessiva de muitos neurônios ao mesmo tempo gera a convulsão epiléptica.

Qual é o tratamento para a epilepsia?

O tratamento de um paciente que sofre de epilepsia se baseia na indicação de medicamentos antiepilépticos. Como já adiantamos, é a medida mais utilizada para lidar com essa patologia.

O cenário ideal é alcançar uma prevenção completa do início das convulsões, sem causar efeitos colaterais, ou pelo menos minimizá-los. Preferencialmente, um único medicamento será usado. Isso é chamado de dose mínima eficaz em monoterapia.

Um único medicamento será prescrito, e a dose será aumentada se necessário. Em alguns casos mais difíceis, será necessário usar mais de um fármaco.

Em geral, encontrar o tratamento certo é um processo de ajuste que pode levar muito tempo para atingir seu objetivo. Estudos de medição e dosagem no sangue do paciente são solicitados para chegar a estes ajustes.

Aspectos a considerar sobre a epilepsia e a amamentação

Atualmente, epilepsia e amamentação são compatíveis. É muito importante que essas mães façam exames rotineiramente durante a gravidez, bem como na fase do pós-parto.

Durante a gravidez, mais atenção será dada às medidas de antiepilépticos no sangue, pois a gravidez pode diminuir a quantidade da substância que é distribuída no corpo. Isso será adicionado ao risco de convulsões da gestante. Por essas razões, pode ser necessário aumentar a dosagem da medicação nessas etapas.

Uma vez passado o parto, certos aspectos que podem mudar o tratamento e o cuidado na fase de lactação serão levados em conta:

  • Dosagem usada para medicamentos antiepilépticos: um novo ajuste de dosagem geralmente é feito. Quase sempre a dose diminui.
  • Possível ocorrência de convulsões por falta de um sono adequado: será aconselhável evitar noites mal dormidas, pois este é um fator de gatilho para convulsões.
  • Precauções de segurança do recém-nascido: é preferível evitar a cama compartilhada e fazer atividades como dar banho no recém-nascido acompanhada de outra pessoa.

Como dissemos, a amamentação não é contraindicada. Pelo contrário, sempre que possível, é aconselhável mantê-la exclusivamente por seis meses e, em seguida, continuar durante a alimentação suplementar por dois anos.

Medicamentos para a epilepsia e a amamentação

Bebê mamando leite materno
Há medicamentos que são compatíveis com a amamentação e outros que não são. Por isso, consulte sempre o seu médico.

Há uma longa lista de diferentes medicamentos antiepilépticos usados regularmente. Essas drogas passam para o leite materno em quantidades variadas.

Apesar disso, com a grande maioria dos antiepilépticos usados não houve efeitos indesejados no recém-nascido. Alguns deles não penetram o leite materno em níveis importantes, e outros penetram.

A escolha da medicação antiepiléptica feita pelo neurologista levará em conta essas diferenças entre os medicamentos. Além disso, é importante que a mãe não pule as doses, embora seja aconselhável dividir a dose diária ou deixar passar algumas horas desde o uso da medicação para então amamentar o bebê.

É seguro para o bebê?

Nos casos importantes de passagem dos medicamentos para o leite materno, o recém-nascido pode ter sonolência, irritação e dificuldades para sugar. É por essa razão que você deve ter um controle rigoroso da dosagem com base nos níveis sanguíneos maternos.

Em conclusão, destacamos a importância do acompanhamento médico rigoroso durante a gestação e a lactação, com o objetivo de cuidar da saúde do recém-nascido e da sua mãe. Apenas um médico poderá definir o uso dos medicamentos e sua eventual suspensão.

Pode interessar a você...
Tipos de crises epilépticas
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Tipos de crises epilépticas

Existem diferentes tipos de crises de epilepsia. Essa doença possui várias expressões. Neste artigo, mostramos quais são as variantes.