Mejor con Salud
 

Epilepsia e amamentação

A combinação de epilepsia e aleitamento materno desperta dúvidas nas mães com a doença. Vamos desvendar quais são as recomendações para amamentar, apesar da medicação.

Epilepsia e amamentação

Última atualização 24 Novembro, 2020

A amamentação costuma ser recomendada para todos os recém-nascidos filhos de mães com epilepsia. O uso de medicamentos antiepilépticos não causa efeitos colaterais no bebê amamentado, mas ainda assim, sempre surgem dúvidas sobre a epilepsia e a amamentação.

A seguir, veremos algumas recomendações a serem consideradas para minimizar possíveis efeitos indesejados. Vamos partir da afirmação de que epilepsia e amamentação são compatíveis.

Algumas definições de epilepsia

A epilepsia é definida como um transtorno no qual uma pessoa tem convulsões devido a um processo crônico subjacente no cérebro. Este processo causa descargas repetidas e sincronizadas de impulsos neurais.

A convulsão é um episódio repentino causado por essas descargas anormais e excessivas. Isso produzirá um desequilíbrio entre excitação e inibição cerebral.

Devemos esclarecer que a presença de uma ou mais convulsões não é sinônimo de epilepsia. Na epilepsia, como mencionamos anteriormente, há uma alteração no nível cerebral que não pode ser corrigida.

Existem diferentes tipos de epilepsia, e cada uma tem um tratamento e prognóstico particular. O uso de medicamentos antiepilépticos é a abordagem mais difundida.

Ligações neuronais
A descarga sincronizada e excessiva de muitos neurônios ao mesmo tempo gera a convulsão epiléptica.

Continue lendo: Remédios naturais para a epilepsia: complementos simples e eficazes

Qual é o tratamento para a epilepsia?

O tratamento de um paciente que sofre de epilepsia se baseia na indicação de medicamentos antiepilépticos. Como já adiantamos, é a medida mais utilizada para lidar com essa patologia.

O cenário ideal é alcançar uma prevenção completa do início das convulsões, sem causar efeitos colaterais, ou pelo menos minimizá-los. Preferencialmente, um único medicamento será usado. Isso é chamado de dose mínima eficaz em monoterapia.

Um único medicamento será prescrito, e a dose será aumentada se necessário. Em alguns casos mais difíceis, será necessário usar mais de um fármaco.

Em geral, encontrar o tratamento certo é um processo de ajuste que pode levar muito tempo para atingir seu objetivo. Estudos de medição e dosagem no sangue do paciente são solicitados para chegar a estes ajustes.

Aspectos a considerar sobre a epilepsia e a amamentação

Atualmente, epilepsia e amamentação são compatíveis. É muito importante que essas mães façam exames rotineiramente durante a gravidez, bem como na fase do pós-parto.

Durante a gravidez, mais atenção será dada às medidas de antiepilépticos no sangue, pois a gravidez pode diminuir a quantidade da substância que é distribuída no corpo. Isso será adicionado ao risco de convulsões da gestante. Por essas razões, pode ser necessário aumentar a dosagem da medicação nessas etapas.

Uma vez passado o parto, certos aspectos que podem mudar o tratamento e o cuidado na fase de lactação serão levados em conta:

  • Dosagem usada para medicamentos antiepilépticos: um novo ajuste de dosagem geralmente é feito. Quase sempre a dose diminui.
  • Possível ocorrência de convulsões por falta de um sono adequado: será aconselhável evitar noites mal dormidas, pois este é um fator de gatilho para convulsões.
  • Precauções de segurança do recém-nascido: é preferível evitar a cama compartilhada e fazer atividades como dar banho no recém-nascido acompanhada de outra pessoa.

Como dissemos, a amamentação não é contraindicada. Pelo contrário, sempre que possível, é aconselhável mantê-la exclusivamente por seis meses e, em seguida, continuar durante a alimentação suplementar por dois anos.

Medicamentos para a epilepsia e a amamentação

Bebê mamando leite materno
Há medicamentos que são compatíveis com a amamentação e outros que não são. Por isso, consulte sempre o seu médico.

Há uma longa lista de diferentes medicamentos antiepilépticos usados regularmente. Essas drogas passam para o leite materno em quantidades variadas.

Apesar disso, com a grande maioria dos antiepilépticos usados não houve efeitos indesejados no recém-nascido. Alguns deles não penetram o leite materno em níveis importantes, e outros penetram.

A escolha da medicação antiepiléptica feita pelo neurologista levará em conta essas diferenças entre os medicamentos. Além disso, é importante que a mãe não pule as doses, embora seja aconselhável dividir a dose diária ou deixar passar algumas horas desde o uso da medicação para então amamentar o bebê.

Saiba mais: Medicamentos compatíveis com a amamentação

É seguro para o bebê?

Nos casos importantes de passagem dos medicamentos para o leite materno, o recém-nascido pode ter sonolência, irritação e dificuldades para sugar. É por essa razão que você deve ter um controle rigoroso da dosagem com base nos níveis sanguíneos maternos.

Em conclusão, destacamos a importância do acompanhamento médico rigoroso durante a gestação e a lactação, com o objetivo de cuidar da saúde do recém-nascido e da sua mãe. Apenas um médico poderá definir o uso dos medicamentos e sua eventual suspensão.

Tipos de crises epilépticas

Tipos de crises epilépticas

Existem diferentes tipos de crises de epilepsia. Essa doença possui várias expressões. Neste artigo, mostramos quais são as variantes.



  • https://www.uptodate.com/contents/management-of-epilepsy-during-preconception-pregnancy-and-the-postpartum-period?search=epilepsy%20breastfeeding&source=search_result&selectedTitle=1~150&usage_type=default&display_rank=1
  • https://www.uptodate.com/contents/initial-treatment-of-epilepsy-in-adults?search=epilepsy%20breastfeeding&source=search_result&selectedTitle=2~150&usage_type=default&display_rank=2
  • https://www.uptodate.com/contents/breastfeeding-infants-safety-of-exposure-to-antipsychotics-lithium-stimulants-and-medications-for-substance-use-disorders?search=epilepsy%20breastfeeding&source=search_result&selectedTitle=6~150&usage_type=default&display_rank=6
  • Kasper y col., Principios de medicina interna de Harrison, ed. Mac Graw Hill. Ed. 19.
  • J.M. Mercadé Cerdá y col., Guía oficial de la Sociedad Española de Neurología de práctica clínica en epilepsia, Vol. 31. Núm. 2. páginas 121-129 (Marzo 2016).
  • Llerda y col., Guía oficial de la Sociedad Española de Neurología de práctica clínica en epilepsia. Epilepsia en situaciones especiales: comorbilidades, mujer y anciano, Neurología Volúmen 30,  Octubre 2015, Pág. 510-517.