Epigastralgia: essa incômoda dor na boca do estômago

A epigastralgia pode estar nos avisando de outras complicações adjacentes, por isso, em nenhum caso, deveremos deixar passarem despercebidos estes incômodos contínuos na região do abdômen e do umbigo.
A epigastralgia não é uma dor de estômago comum, visto que esta condição alcança a múltiplas áreas da região do abdômen.

Os pacientes que experimentam este tipo de patologia digestiva evidenciam um incômodo que se localiza no epigástrio. Este, na realidade, pode ser sintoma de alguma doença subjacente.

A pessoa sente como se uma corda lhe oprimisse todo o abdômen, uma queimação que culmina em náuseas e um grande mal-estar.

O sofrimento é tão intenso que é comum que se procure o setor de urgências por susto, sem saber o que está acontecendo.

Agora, ainda que em uma grande parte dos casos esteja relacionada a simples indigestão, a epigastralgia pode estar associada, como dissemos, a outra série de transtornos ou doenças que requerem um bom diagnóstico.

A seguir, propomos a você conhecer mais dados sobre esse assunto. Siga com a gente!

O que é a epigastralgia?

Estômago com epigastralgia

A epigastralgia é basicamente uma dor localizada no epigástrio, uma região que vai desde a parte alta do abdômen até o umbigo.

Como já sabemos, nesta região se concentram múltiplos órgãos e estruturas, e por isso é complicado saber em um primeiro momento o que causa esse sofrimento.

Por outro lado, o paciente pode sofrer deste incômodo de forma contínua no dia a dia ou ele pode surgir subitamente. Os sintomas seriam os seguintes:

  • Dor intensa no epigástrio;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Ardor no estômago;
  • Sensação de estômago cheio quando comemos pouco;
  • Câimbras no abdômen;
  • Suores frios;
  • Gases;
  • Episódios de diarreia ou prisão de ventre;

 O que causa a epigastralgia?

A epigastralgia provoca dor de estômago

Epigastralgia devido a problemas do esôfago

  • A esofagite e a hérnia de hiato costumam ser duas das causas mais habituais depois da indigestão.
  • A esofagite se origina pelo refluxo gástrico, algo que deveremos tratar o quanto antes.
  • A hérnia de hiato é comum uma vez que passamos dos 50 anos. Surge com acidez, problemas para engolir e fazer a digestão, mau hálito, etc.

Problemas no estômago

  • A epigastralgia pode ter sua origem em alguma patologia localizada exclusivamente no estômago.
  • Uma delas é, sem dúvidas, especialmente a úlcera péptica. A dor aparece no outono e no inverno, se intensifica durante a noite toda e costumamos encontrar alívio quando comemos.
  • Por outro lado, e como assinalamos antes, em uma boa parte dos casos a epigastralgia se deve a uma gastrite aguda, seja infecciosa, tóxica ou alimentar.
  • Neste caso, a dor é muito intensa e costuma vir acompanhada de vômitos e um alto mal-estar.

Epigastralgia por problemas nos intestinos

Este dado é importante. Em ocasiões, essa dor na parte alta do abdômen tem como origem uma apendicite.

  • Por isso, é importante que sempre que sintamos uma dor forte na parte alta do estômago não duvidemos em consultar um médico ou recorrer à emergência se a dor for muito grande.
  • Por outro lado, a doença de Crohn, em suas primeiras fases, costuma ter como origem este incômodo na região do epigástrio.
  • No momento em que a epigastralgia chega até a parte esquerda do abdômen, estamos falando de um problema no cólon, como diverticulite, ovulação, neoplasia, etc.
  • Anda o cólon irritável também é uma das origens da epigastralgia, em cujo caso é comum que surja uma dor em forma de cólica e gases.

Problemas no pâncreas

A pancreatite aguda costuma começar com dor epigástrica. É importante estar atento a este tipo de sintoma localizado na parte alta do estomago, principalmente se for acompanhado por vômito e distensão abdominal.

Cuidado, pois pode nos alertar de um problema cardíaco

A epigastralgia pode simular um infarte

Esta informação também é importante:

  • O infarto agudo do miocárdio pode ocorrer com epigastralgia, ou seja, com dor na parte alta do abdômen.
  • Ainda, este tipo de sintoma é muito comum em pacientes diabéticos bem antes de eles sofrerem um infarto.
  • A dor deve ser súbita, compressiva e acompanhada por vômitos. Em qualquer caso e para descartar, nunca será exagero procurar um hospital para obter um diagnóstico o quanto antes a respeito desse incômodo.

O que posso fazer para prevenir este tipo de problema associado à epigastralgia?

Tal como vimos, a epigastralgia é só um sintoma associado a algum tipo de condição médica.

Apesar de todas serem muito variadas (indigestão, úlceras, cólon irritável, problemas cardíacos), há um elemento em comum que pode nos ajudar a reduzir a probabilidade de sofrermos este tipo de doença.

Esse fator em comum é a alimentação. Se cuidarmos da dieta reduzimos a probabilidade de sofrer ou intensificar estas doenças.

Portanto, anote estes conselhos:

  • Reduza o consumo de gorduras.
  • Opte por alimentos alcalinos.
  • Coma em pequenas quantidades várias vezes por dia. Desse modo seu sistema digestivo não vai se sobrecarregar.
  • Consuma frutas e verduras frescas, evite os alimentos com conservantes ou com muitos químicos.
  • Reduza o consumo de açúcar e sal.
  • Tenha precaução com remédios tais como, por exemplo, o ibuprofeno e outros anti-inflamatórios não esteroides.
A alimentação saudável evita a epigastralgia

Para concluir, não deixe de consultar seu médico diante de qualquer problema, incômodo ou alteração relacionado com seu sistema digestivo.

Prevenir e cuidar é sinônimo de saúde e bem-estar.

Recomendados para você