Envelhecimento imunológico: o que é e como combatê-lo?

O envelhecimento imunológico aumenta os riscos de alguém vir a sofrer de várias doenças. No entanto, hábitos e estilos de vida saudáveis ​​podem favorecer a imunidade. Confira algumas dicas a seguir.
Envelhecimento imunológico: o que é e como combatê-lo?

Última atualização: 18 Fevereiro, 2021

À medida que uma pessoa envelhece, seu corpo parece responder de forma menos eficaz no combate às doenças a que está exposto. Portanto, esse envelhecimento imunológico aumenta os riscos de alguém vir a desenvolver diversas patologias.

No entanto, esse processo não é totalmente irreversível. Bons hábitos e estilos de vida saudáveis ​​ajudam a manter o sistema imunológico funcionando bem na velhice.

Neste artigo, explicaremos o que é o envelhecimento imunológico, por que ocorre, quais são suas consequências e como podemos fazer para revertê-lo ou atenuá-lo. Continue lendo para descobrir.

O que é o envelhecimento imunológico?

O sistema imunológico ajuda a proteger o corpo de fatores estranhos que podem ser prejudiciais e causar doenças. Referimo-nos a elementos como germes (bactérias, vírus, fungos, parasitas), as próprias células anormais e alérgenos.

Para isso, esse sistema produz anticorpos. Os anticorpos são aqueles que destroem ou neutralizam substâncias nocivas. Portanto, esta é a nossa defesa contra qualquer ameaça ou invasão.

No entanto, o sistema imunológico nem sempre permanece o mesmo, e muda ao longo da vida. No caso dos recém-nascidos, a imunidade adquirida não está totalmente consolidada, por exemplo.

As crianças pequenas têm apenas alguns anticorpos que receberam da mãe durante a gravidez, através da placenta, ou pelo leite materno durante a lactação. Porém, com o tempo e a exposição aos elementos acima mencionados, os mecanismos de defesa se desenvolvem e se aprimoram.

As funções imunológicas do corpo começam a declinar um pouco após a maturidade sexual. As mudanças mais importantes que ocorrem a esse respeito estão relacionadas às células-tronco. A disponibilidade das chamadas células T também é afetada.

No entanto, é ao envelhecer que ocorre uma transformação drástica, o oposto do observado na infância. Em termos gerais, o envelhecimento imunológico pode ser definido como o efeito da idade sobre as células do sistema imunológico, cujas funções estão em degeneração.

Homem descansando após fazer exercícios
O envelhecimento é uma parte natural dos processos do corpo, e pode ser mais ou menos saudável.

O que é o envelhecimento imunológico?

O sistema imunológico se torna menos eficaz, o que resulta na perda de várias funções, como as seguintes:

  • Capacidade de distinguir o que é próprio do que é estranho: ou seja, corpos estranhos não são detectados ou as próprias células são consideradas inimigas.
  • Diminuição dos leucócitos: em número, bem como em sua capacidade de responder a infecções.
  • Os macrófagos ficam mais lentos: demoram para matar as células cancerosas e as bactérias.
  • Os anticorpos perdem funções: eles não respondem de forma eficiente.

Consequências do envelhecimento imunológico

As mudanças que ocorrem com a idade afetam a atividade imunológica do corpo. Desta forma, os idosos têm uma maior probabilidade de sofrer infecções, desenvolver câncer e contrair várias doenças, como gripe ou pneumonia.

Na verdade, muitas doenças autoimunes aparecem com mais frequência na segunda metade da idade adulta. Para que se desenvolvam, diferentes pontos de verificação precisam falhar.

Além disso, durante a velhice, o corpo tende a cicatrizar mais lentamente, pois há menos células que permitem a cura. Isso pode criar um círculo vicioso: como a recuperação é lenta, o corpo fica exposto, podendo adoecer novamente.

É importante observar que a resposta do sistema imunológico não só se enfraquece na velhice, mas também há um desequilíbrio em suas duas facetas: a imunidade inata, que é a primeira linha de defesa contra infecções, e a imunidade adaptativa, que permite que o corpo se lembre e ataque patógenos específicos.

Devido à perda da imunidade adaptativa, os patógenos inativos que o corpo já havia suprimido podem ser reativados. Os exemplos clássicos são herpes zoster e tuberculose.

Dicas para combater o envelhecimento imunológico

Apesar do panorama que descrevemos, é possível reduzir os riscos relacionados ao envelhecimento imunológico para que ele nos afete o menos possível. O início deste processo pode até ser atrasado.

Nesse sentido, são vários os aspectos que devemos atender em termos de estilos de vida. Eles estão relacionados ao quarteto fundamental: exercícios, dieta, hábitos e emoções.

Atividade física regular

De acordo com pesquisas recentes, o exercício tem um efeito determinante na manutenção do sistema imunológico. Do ponto de vista fisiológico, a explicação se dá pelo fato de o tecido muscular produzir proteínas, chamadas miocinas, que reduzem a inflamação e ajudam a preservar a função imunológica.

Além disso, outros estudos encontraram evidências de que pessoas ativas produzem mais anticorpos em resposta à vacinação, em comparação com pessoas menos ativas. Além disso, o exercício é benéfico para nos proteger contra infecções e outras condições crônicas que podem contribuir para o enfraquecimento dos sistemas.

E se isso não bastasse, o exercício nos livra do estresse e das preocupaçõeselevando os níveis dos hormônios da felicidade (serotonina, dopamina, oxitocina). Deste modo, nos ajuda a manter o bom humor, o que é importante para nos recuperarmos de doenças ou para evitarmos o adoecimento.

Dieta saudável é igual a sistema imunológico saudável

Embora não haja nenhuma evidência direta de que uma dieta saudável reduza o envelhecimento do sistema imunológico, há muito do contrário. Ou seja, um alto consumo de gorduras trans, açúcares e farinhas refinadas contribui para o aparecimento de doenças. E quanto mais adoecemos, mais esgotamos a capacidade de recuperação do corpo.

Uma dieta saudável inclui muitas frutas e vegetais, azeite de oliva, mais peixes e aves do que carne vermelha, laticínios, pouco açúcar e menos farinha. Está relacionada a um menor risco de obesidade, doenças cardiovasculares, diabetes e vários tipos de câncer.

Além disso, uma dieta balanceada ajuda a manter um peso adequado. Em adultos mais velhos, a gordura acumulada pode ter um efeito negativo em relação à inflamação crônica.

Esse é um fator associado a quase todas as condições típicas do envelhecimento, desde diabetes tipo 2 até doenças cardiovasculares e câncer. A inflamação crônica também desempenha um papel nas doenças autoimunes comuns em idosos.

Dieta mediterrânea
Uma dieta balanceada de acordo com parâmetros saudáveis ​​pode reduzir os efeitos do envelhecimento nas células.

Hábitos e emoções saudáveis

Quando falamos de hábitos saudáveis, além dos exercícios citados, também temos que incluir um sono de qualidadeO descanso nos recupera e mantém nossos sistemas ativos.

Por outro lado, devemos evitar o consumo de substâncias que alteram nosso organismo: álcool, cigarro, drogas. O excesso de cafeína também é prejudicial. Claro, isso se estende à sobrecarga de trabalho, preocupações, estresse e emoções negativas.

Qualquer coisa que cause desequilíbrio e nos deixe doentes afetará a capacidade do corpo de se recuperar e curar, ou seja, afetará o tempo de vida do nosso sistema imunológico.

Previna o envelhecimento antes que ele chegue

Não devemos esperar que os idosos previnam os riscos do envelhecimento imunológico. Se ainda somos jovens ou adultos, podemos começar a cuidar do sistema imunológico a partir de agora.

Não é difícil nem custa muito dinheiro: fazer exercícios, comer bem, não fumar, reduzir o consumo de álcool, evitar preocupações e dormir bem. Os benefícios que surgem a longo prazo são inestimáveis.

It might interest you...
Simule o jejum e retarde o envelhecimento com a dieta FMD
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Simule o jejum e retarde o envelhecimento com a dieta FMD

É daquelas pessoas que deixam de comer ou fazem jejum com a intenção de perder peso? Se sim, neste artigo falaremos da dieta FMD (Fast Mimicking Di...



  • Agustín Lage B. Inmunosenescencia: implicaciones para la inmunoterapia de cáncer en los adultos mayores. Biotecnología Aplicada 2006; 23:186-193.
  • Lozano, Manuel, et al. “Nutrientes asociados a las enfermedades relacionadas con el envejecimiento: un nuevo índice de dieta saludable para personas mayores.” Nutrición Hospitalaria 35.6 (2018): 1287-1297.
  • Gurrutxaga, Hegoi Segurola, Guillermo Cárdenas Lagranja, and Rosa Burgos Peláez. “Nutrientes e inmunidad.” Nutr Clin Med 10.1 (2016): 1-19.
  • Hernández Rodríguez, José. “La obesidad y la inflamación crónica de bajo grado.” Revista Cubana de Endocrinología 29.3 (2018): 1-3.
  • Alcalá-Pérez, Daniel, Dayana Elena Cobos-Lladó, and Fermín Jurado Santa-Cruz. “«Inflammaging»: envejecimiento inflamatorio.” Revista del Centro Dermatológico Pascua 27.3 (2019): 87-91.
  • Delves P. Efectos del envejecimiento en el sistema inmunitario. MSD Manuals [Internet] 2020 [Fecha de consulta: 07 de octubre de 2020]. Disponible en: https://www.msdmanuals.com/es/hogar/trastornos-inmunol%C3%B3gicos/biolog%C3%ADa-del-sistema-inmunitario/efectos-del-envejecimiento-en-el-sistema-inmunitario
  • Goronzy J, Weyand C. Immune aging and autoimmunity. Cell Mol Life Sci. 2012; 69(10): 1615–1623.
  • Kay M. An overview of immune aging. In Mechanisms of Ageing and Development, 1979; 9(1–2): 39-59.
  • Kay M. Aging & the decline of immune responsiveness. En Fundenberg H, Sites H, Caldwell J, Wells J, editores. Basic Clinical Immunology. Canada: Lange Medical Publicantions; 1980: 327-342.
  • Rico-Rosillo, María Guadalupe, Diego Oliva-Rico, and Gloria Bertha Vega-Robledo. “Envejecimiento: algunas teorías y consideraciones genéticas, epigenéticas y ambientales.” Revista Médica del Instituto Mexicano del Seguro Social 56.3 (2018): 287-294.
  • Urquiaga, Inés, et al. “Origen, componentes y posibles mecanismos de acción de la dieta mediterránea.” Revista médica de Chile 145.1 (2017): 85-95.
  • Ruíz Fernández N, Solano L. La inmunosenescencia y el papel de la nutrición. An Venez Nutr, 2001;  14(2): 86-98.
  • Brañas, Fátima, et al. “Cronicidad, envejecimiento y multimorbilidad.” Enfermedades Infecciosas y Microbiología Clínica 36 (2018): 15-18.
  • Martín, A. Prieto, et al. “Respuesta inmune adaptativa y sus implicaciones fisiopatológicas.” Medicine-Programa de Formación Médica Continuada Acreditado 12.24 (2017): 1398-1407.