O que é imunidade adquirida?

27 Outubro, 2020
O sistema imunológico é o melhor aliado quando se trata de combater doenças. Ele é formado por um componente inato e por um adquirido. Você sabe como funciona a imunidade adquirida?

O sistema imunológico, tanto inato quanto adquirido, é essencial para manter uma boa saúde. No entanto, em que consiste a imunidade adquirida? Como podemos fortalecê-la com o tempo? Resolver essas dúvidas é fundamental para ter um dia a dia sem doenças. Neste artigo, damos mais detalhes sobre isso.

Sintomas como resfriados frequentes, febres recorrentes e infecções bacterianas repetidas podem ser indicadores de um sistema imunológico enfraquecido. De acordo com a Academia Americana de Alergia, Asma e Imunologia, mais de três episódios de sinusite bacteriana, ou mais de dois tratamentos com antibióticos por ano, indicam problemas imunológicos.

Sobre as barreiras biológicas

O corpo humano apresenta barreiras de contenção além do sistema imunológico. Elas se dividem em três tipos:

  • Barreiras primárias: de acordo com vários estudos, a pele é a primeira barreira de contenção contra possíveis patógenos. Os lipídios e a queratina são elementos da sua composição que fazem da epiderme uma verdadeira parede de proteção contra vírus e bactérias.
  • Barreiras secundárias: uma vez que os mecanismos primários falham, os neutrófilos e macrófagos (glóbulos brancos) são responsáveis ​​por envolver e destruir os patógenos. Esse mecanismo recebe o nome de fagocitose e é um exemplo claro de barreira secundária.
  • Barreiras terciárias: os patógenos produzem muitas estruturas que são reconhecidas pelos linfócitos T e B, que os inativam ou destroem de maneira efetiva.

Essa distinção de barreiras biológicas é essencial, pois nos permite entender que, quando falamos em sistema imunológico adquirido, estamos na presença de uma barreira biológica terciária.

Células imunológicas
O sistema imunológico adquirido é uma barreira biológica terciária que permite atacar os patógenos que tentam infectar o organismo.

Você pode se interessar: Vacinas para a alergia: perguntas e respostas

O que é imunidade adquirida?

Define-se o sistema de imunidade adquirida como um conjunto de células altamente especializadas e processos sistêmicos que eliminam ou evitam ameaças patogênicas. De acordo com este volume especializado em imunologia, este sistema é exclusivo dos vertebrados.

Sua função é reconhecer os germes de forma específica para poder combatê-los de maneira mais eficaz e rápida. Embora possa parecer surpreendente, pode-se dizer que essa barreira biológica tem memória, já que a resposta ao mesmo patógeno é cada vez mais poderosa.

Quais elementos a compõem?

Os protagonistas desse sistema de proteção são os linfócitos T e os linfócitos B (leucócitos do sangue), produzidos no timo e na medula óssea, respectivamente.

O sistema imunológico adquirido não pode ser compreendido sem o inato. Como várias fontes indicam, são as células do sistema inato que processam os antígenos (vírus e substâncias bacterianas) e os apresentam aos linfócitos para que ajam de acordo com as necessidades.

Para não complicar muito as coisas, vamos limitar a importância dos linfócitos ao seguinte:

  • Cada tipo de linfócito possui um receptor para cada antígeno apresentado pelo patógeno.
  • Essa informação se replica a cada nova geração dessas células e gera um sistema de defesa ainda mais eficaz contra cada onda de infecção.

Sintomas de imunidade enfraquecida

Como antecipamos no início, existem vários sinais que levantam suspeitas quando o sistema imunológico adquirido não está funcionando como deveria. Alguns deles são os seguintes:

  • Mais de dois tratamentos com antibióticos por ano.
  • Mais de quatro infecções de ouvido anualmente.
  • Desenvolvimento de duas pneumonias em períodos curtos de tempo.
  • Três ou mais episódios de sinusite crônica anualmente.
  • Necessidade de antibióticos preventivos para reduzir o risco de infecções.
  • Desenvolvimento de infecções graves de patologias bacterianas comuns.

Se o paciente apresentar esses requisitos, é essencial que faça um check-up médico sem demora. Os resultados serão analisados por um imunologista, que diagnosticará o motivo da imunossupressão.

Como fortalecer o sistema imunológico adquirido?

Como vimos, a forma mais eficaz de fortalecer essa barreira terciária é expondo o organismo a patógenos. Isso não significa que vamos tentar adoecer, pois é justamente para isso que se elaboram as vacinas.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as vacinas são preparações com fórmulas enfraquecidas ou mortas de microrganismos nocivos, que promovem a estimulação de anticorpos (receptores para os citados linfócitos) quando introduzidos no corpo humano.

O sistema imunológico adquirido responde a esses estímulos, pois destrói e grava as possíveis ameaças presentes nas vacinas, embora estas não representem um dano real ao paciente. Assim, quando o patógeno real estiver presente, os linfócitos o reconhecerão imediatamente antes que ocorra uma infecção.

Pessoa tomando vacina
A vacinação desempenha um papel muito importante no fortalecimento do sistema imunológico adquirido.

Não deixe de ler: 6 vacinas que você deveria tomar

O que devemos saber sobre a imunidade adquirida?

A imunidade adquirida é uma barreira biológica terciária de extrema importância, pois protege repetidamente o ser humano de uma infinidade de patógenos. Portanto, é fundamental conhecer os calendários de vacinação de cada país e região e segui-los à risca.

As vacinas não apenas nos protegem, estimulando a especialização do sistema imunológico adquirido, mas também geram uma imunidade coletiva que protege os mais fracos e os mais doentes.

  • La recurrencia de infecciones puede indicar inmunodeficiencias, AAA. Recogido a 2 de julio en https://www.aaaai.org/conditions-and-treatments/library/immune-deficiencies-library/sp-recurrent-infections-immunodeficiencies.
  • Wertz, P. W., & van den Bergh, B. (1998). The physical, chemical and functional properties of lipids in the skin and other biological barriers. Chemistry and physics of lipids91(2), 85.
  • Barreras biológicas, wikipedia. Recogido a 2 de julio en https://es.wikipedia.org/wiki/Barreras_biol%C3%B3gicas#Barreras_primarias.
  • Prame Kumar K, Nicholls AJ, Wong CHY. Partners in crime: neutrophils and monocytes/macrophages in inflammation and disease. Cell Tissue Res. 2018;371(3):551-565. doi:10.1007/s00441-017-2753-2
  • Janeway Jr, C. A., Travers, P., Walport, M., & Shlomchik, M. J. (2001). The complement system and innate immunity. In Immunobiology: The Immune System in Health and Disease. 5th edition. Garland Science.
  • Alberts B, Johnson A, Lewis J, et al. Molecular Biology of the Cell. 4th edition. New York: Garland Science; 2002. Chapter 24, The Adaptive Immune System. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK21070/
  • Lozano Soto, F., Engel, P., Rodríguez de Córdoba, S., Jaraquemada, D., & Gallart Gallart, M. T. (2012). Introducción al sistema inmunológico, sus principales elementos y la respuesta inmunitaria. Farreras; Rozman. Medicina Interna 17ª ed. Elsevier15, 2453-2488.
  • Luckheeram, R. V., Zhou, R., Verma, A. D., & Xia, B. (2012). CD4+ T cells: differentiation and functions. Clinical and developmental immunology2012.
  • Cano RLE, Lopera HDE. Introduction to T and B lymphocytes. In: Anaya JM, Shoenfeld Y, Rojas-Villarraga A, et al., editors. Autoimmunity: From Bench to Bedside [Internet]. Bogota (Colombia): El Rosario University Press; 2013 Jul 18. Chapter 5. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK459471/