Melhor Com Saúde
 

É possível engravidar com amenorreia?

A menstruação é um indício de que a ovulação e o período fértil terminaram. Portanto, sua ausência alarma muitas mulheres. Você sabe o que é a amenorreia? É possível engravidar nessa situação? Descubra as respostas neste artigo.

É possível engravidar com amenorreia?

Última atualização: 29 Novembro, 2020

A falta de menstruação é motivo de preocupação para algumas mulheres, pois está associada à infertilidade. Isso faz com que muitas se perguntem: posso engravidar com amenorreia? Continue lendo e nós explicaremos a resposta.

É importante lembrar que, todos os meses, as mulheres passam por um período de ovulação, durante o qual pode ocorrer a fertilização se tiverem relações sexuais. O fim desse período é marcado pela menstruação, que é a expulsão das camadas superficiais do endométrio.

O que é a amenorreia?

Uma definição simples para a amenorreia é a ausência de menstruação. No entanto, este é um dos principais motivos de consulta na área de ginecologia e obstetrícia, uma vez que desperta grande preocupação em quem sofre com ela.

Na maioria dos casos, a presença de amenorreia é uma indicação de que a ovulação não ocorreu durante aquele mês. Portanto, pode ser associada à infertilidade. No entanto, esse sintoma nem sempre é causado por uma patologia.

A ausência do ciclo menstrual pode ocorrer em determinados estados fisiológicos, como infância, gravidez, lactação, perimenopausa e menopausa.

Adolescente com cólicas
Os ciclos menstruais iniciais da adolescência não são regulares.

Tipos de amenorreia e suas principais causas

Como as mulheres enfrentam a menstruação durante a maior parte da sua vida, os especialistas decidiram classificar a amenorreia em dois tipos. Essa classificação está baseada na idade de apresentação e têm diferentes causas.

Você pode estar interessada: Remédio de camomila e salsa para amenorreia ou falta de menstruação

Amenorreia primária

Constitui a ausência da primeira menstruação em jovens que atingiram a idade de 16 anos com crescimento normal e características sexuais secundárias. Porém, se aos 13 anos não houver pelos pubianos ou menstruação, deve-se suspeitar da sua existência.

Quando se trata de adolescentes jovens, a maioria das causas da amenorreia primária se origina na presença de malformações congênitas ou alterações genéticas. Entre as causas mais comuns, podemos encontrar as seguintes:

  • Hímen imperfurável.
  • Malformação no útero ou vagina que impede a saída do sangue.
  • Tumor hipofisário ou hipotalâmico.
  • Agenesia de Muller.
  • Síndrome de Turner.

Amenorreia secundária

Quando falamos em amenorreia secundária, nos referimos à ausência de menstruação por pelo menos 3 meses, em mulheres que tiveram ciclos menstruais regulares anteriormente. Dessa forma, a maioria das mulheres que sofrem com isso tem entre 25 e 35 anos.

A principal causa desse sintoma é a gravidez, pois não haverá ovulação durante toda a gestação. No entanto, também pode ser causada pelo período de amamentação, menopausa e uso de pílulas anticoncepcionais. Além disso, existem alguns fatores que aumentam a suscetibilidade, como estresse, obesidade, ansiedade e exercícios intensos.

Quando a causa da amenorreia não é fisiológica, ela pode ser causada por uma doença adquirida. Assim, a variante secundária pode ser causada por qualquer uma das seguintes patologias:

Posso engravidar com amenorreia?

Agora que sabemos o que é a amenorreia, quais são os seus tipos e causas, é hora de responder à pergunta: é possível engravidar com amenorreia? A resposta vai depender do tipo de distúrbio e da sua causa.

No caso da amenorreia primária, quando ocorre por malformação congênita ou hímen imperfurado, é possível engravidar. A ovulação está ocorrendo normalmente, mas o sangue não está sendo expelido. A solução para esse problema costuma ser a cirurgia.

Por outro lado, quando a amenorreia primária é causada por disgenesia gonadal, como a síndrome de Turner, é impossível engravidar naturalmente. Porém, existe a possibilidade de fazê-lo por inseminação artificial ou fertilização com doação de óvulos.

Quando nos referimos à amenorreia secundária causada por drogas ou algum fator predisponente, basta eliminar a causa para regular os ciclos menstruais e, assim, alcançar a concepção. Por outro lado, se for secundária à síndrome dos ovários policísticos ou patologias da tireoide, é muito mais difícil engravidar, embora não seja impossível. O que se deve fazer é ficar sob constante controle médico e tratar a patologia de base.

Finalmente, quando a amenorreia é produto de um tumor produtor de prolactina, é preciso levar diversos fatores em consideração. Nesse caso, a gravidez só será possível se a causa for um microadenoma ou um pequeno tumor. Além disso, o respectivo tratamento médico deve ser iniciado com um controle adequado.

Consulta ginecológica
A amenorreia requer uma consulta especializada para resolver a sua causa.

Não deixe de ler: A influência do estresse no ciclo menstrual

Engravidar com amenorreia pode ser possível

A presença de amenorreia nem sempre é uma indicação de infertilidade. Embora a concepção seja um pouco mais difícil, na maioria dos casos só será necessário iniciar o tratamento adequado e fazer controles médicos periódicos.

Além disso, naquelas doenças em que não é possível conceber naturalmente, como a síndrome de Turner, sempre há a opção de fazer uma inseminação artificial ou fertilização. Atualmente, os avanços da medicina e as opções cirúrgicas permitem melhorar o prognóstico de patologias que antes eram impossíveis de resolver.

O que é a amenorreia hipotalâmica e por que ela ocorre?

O que é a amenorreia hipotalâmica e por que ela ocorre?

Mulheres que se submetem a dietas severas de perda de peso ou exageram nos exercícios podem desenvolver uma amenorreia hipotalâmica.



  • Sepúlveda Agudelo J, Alarcón Nivia M, Jaimes Carvajal H. Amenorrea Primaria. Revista Colombiana de Obstetricia y Ginecología. 2009;60(1):57-67.
  • Young J. Amenorrea. EMC – Ginecología-Obstetricia. 2018;54(1):1-15.
  • Hernández Valencia M, Zárate A. Amenorrea y trastornos de la menstruación. Acta Médica Grupo Ángeles. 2006;4(3):197-201.
  • Sir-Petermann T, Ladrón de Guevara A, Villarroel A, Preisler J, Echiburú B, Recabarren S. Síndrome de ovario poliquístico y embarazo. Revista Médica de Chile. 2012;140( 7 ):919-925.
  • Tejerizo-López L, Sánchez-Sánchez M, García-Robles R, Tejerizo-García A, Leiva A, Morán E et al. Prolactinoma y embarazo. Clínica e Investigación en Ginecología y Obstetricia. 2001;28(8):317-331.
  • Enciso, Francisco Berumen, Lázaro Pavía Crespo, and José Castillo Acuña. “Classification and nomenclature of menstrual alterations.” Ginecologia y obstetricia de Mexico 75.10 (2007): 641-651.
  • Ross, Juana Himilce Baral, Nélida Orozco Hechavarría, and Eliecer Prades Hung. “Síndrome de Mayer-Rokitansky-Küster-Hauser o agenesia de útero y vagina en una paciente joven.” MediSan 22.07 (2018): 552-558.
  • Vilanova Fernández, S., et al. “Himen imperforado: una revisión de diez años.” Revista Pediatría de Atención Primaria 5.20 (2003): 563-570.
  • de Bernal, Matilde. “Prolactina.” Revista Colombiana de Endocrinología, Diabetes & Metabolismo 12.1 (2018): 38-45.
  • Campi, Josué Joel Baldospin, et al. “Manejo multidisciplinario en el diagnóstico de los microadenoma hipofisiarios.” RECIMUNDO 3.2 (2019): 1110-1129.