Drogas e disfunção erétil: existe uma relação?

· 9 de maio de 2019
A disfunção erétil é um problema que afeta muitas pessoas. Ela pode ter alguma relação com o uso de drogas?

Quando um paciente vai até o médico porque ele é incapaz de manter uma ereção completa durante o sexo, ele é submetido a um exame físico e também psicológico para descartar a possibilidade de que um período de estresse ou ansiedade esteja causando a disfunção erétil.

Depois dos testes que o médico considerar apropriados, se o diagnóstico for de que o paciente sofre de disfunção erétil, ela será classificada de acordo com sua etiologia: causas neurogênicas, endocrinológicas, vasculogênicas ou induzidas por drogas, entre outras.

Os efeitos negativos das drogas

Tabaco e álcool podem causar disfunção erétil

Quando falamos sobre a relação entre drogas e disfunção erétil, é possível que as drogas que são coloquialmente conhecidas como ilegais venham à mente. Por exemplo, heroína ou cocaína. No entanto, há outra série de “drogas” que, muitas vezes, não consideramos como tal e que afetam a sexualidade.

Por exemplo, o álcool e o tabaco são drogas que afetam negativamente a nossa saúde e podem se manifestar no momento da relação sexual. Da mesma forma, antidepressivos, medicamentos hormonais ou aqueles com ação cardiovascular também podem estar relacionados à disfunção erétil.

Confira ademais: Disfunção erétil

Drogas e disfunção erétil

A seguir, veremos a estreita relação entre drogas e disfunção erétil, de acordo com os resultados apresentados no artigo Drogas e sexualidade: grandes inimigos. Além disso, será feita uma menção especial àquelas drogas que são bastante usadas no sexo e que podem influenciar negativamente.

  • Tranquilizantes: os medicamentos mais utilizados para acalmar estados de ansiedade ou estresse são os benzodiazepínicos, como o Diazepam. Eles podem reduzir a excitação ou impedir o orgasmo, principalmente se as doses necessárias forem muito altas.
  • Hormônios sintéticos: devem sempre ser administrados sob supervisão médica. Caso contrário, é muito provável que afete a ereção durante a relação sexual.
  • Antidepressivos: em doses baixas pode ajudar a melhorar a resposta sexual de uma pessoa que tem depressão. No entanto, em muitos casos, são necessárias doses mais altas que podem afetar a sexualidade, anulando a excitação. Eles também podem causar impotência.

Drogas e sexo

A disfunçãoerétil causa preocupação nos homens

Muitas das drogas que não mencionamos na seção anterior estão relacionadas ao sexo. Todos nos lembramos de um filme em que, depois de terminar o ato sexual, o casal acende um cigarro. Isso parece um ato inofensivo, mas pode ter um impacto importante sobre a manifestação da disfunção erétil.

  • Tabaco: nos jovens, esse tipo de droga pode afetar a ereção durante o ato sexual, caso não haja outras causas (depressão, ansiedade…). Abandonar esse hábito pode produzir uma melhora notável.
  • Heroína: essa droga é considerada uma das maiores drogas ilegais e tem um efeito depressivo no sistema nervoso. Portanto, causa impotência sexual e, inclusive, o vício pode derivar em um completo desinteresse pelo sexo.
  • Maconha: seu consumo excessivo pode levar a um desinteresse pelo sexo, como no caso anterior. Seus efeitos impedem atividades de concentração e coordenação motora, podendo causar dificuldades para fazer sexo.
  • Esteroides: seu consumo prolongado ao longo do tempo acaba aumentando o tamanho da próstata, diminuindo os testículos e causando problemas de ereção.

Não deixe de ler: Transtorno do desejo sexual hipoativo em homens

Conclusões sobre as drogas e a disfunção erétil

Esses são apenas alguns exemplos dos tipos de drogas que podem causar a disfunção erétil, embora já possamos ter uma ideia de que elas são prejudiciais à nossa saúde e à nossa sexualidade. Portanto, adquirir hábitos saudáveis ​​e ir à terapia para cuidar da nossa saúde mental é necessário para evitá-la.

Muitas vezes, consumimos maconha para fugir da realidade ou esteroides porque temos algum problema de autoestima. Em outras situações, acabamos sofrendo de depressão e isso exige uma medicação que, por um tempo, pode causar a disfunção erétil.

O importante é detectar onde está o problema do uso e abuso de certas drogas que estão tendo um efeito prejudicial em nossa saúde. Alguma vez você já relacionou a disfunção erétil com o uso de drogas?

  • Cabello Santamaría, Francisco. (2010). Aspectos psicosociales del manejo de la disfunción eréctil: Hábitos tóxicos y estilo de vida. La pareja en la disfunción eréctil. Psicoterapia y terapia de pareja. Archivos Españoles de Urología (Ed. impresa)63(8), 693-702. Recuperado en 16 de marzo de 2019, de http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-06142010000800016&lng=es&tlng=es.
  • Prieto Castro, Rafael, Campos Hernández, Pablo, Robles Casilda, Rafael, Ruíz García, Jesús, & Requena Tapia, María José. (2010). Epidemiología de la disfunción eréctil: Factores de riesgo. Archivos Españoles de Urología (Ed. impresa)63(8), 637-639. Recuperado en 16 de marzo de 2019, de http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-06142010000800010&lng=es&tlng=es.
  • Santibáñez, Claudio, Anchique, Claudia, Herdy, Artur, Zeballos, Cecilia, González, Graciela, Fernández, Rosalía, Araya, Ma. Virginia, & Soto, Paula. (2016). Prevalencia de disfunción eréctil y factores asociados en pacientes con indicación de rehabilitación cardíaca. Revista chilena de cardiología35(3), 216-221. https://dx.doi.org/10.4067/S0718-85602016000300002