Disfunção erétil

A disfunção erétil é um problema que afeta mais de 50% dos homens com mais de 60 anos, embora muitas vezes o médico não seja consultado por causa da vergonha. Pode ser devido a múltiplos fatores, tanto físicos como psicológicos.

O que é a disfunção erétil?

A disfunção erétil é a incapacidade de manter uma ereção firme o suficiente para ter uma relação sexual satisfatória.

Embora seja um problema comumente associado ao envelhecimento, esse não é o único fator que intervém. É uma doença em que fatores físicos e psicológicos formam parte.  Por outro lado, certos hábitos como tabagismo, alcoolismo, toxicodependência e estilo de vida sedentário são fatores de risco para esta doença.

Algumas patologias também constituem fatores que afetam a disfunção erétil. Os mais comuns são aqueles relacionados ao coração, hipertensão e diabetes. Mesmo fatores psicológicos como estresse, ansiedade, depressão e até traumas de eventos passados podem levar à disfunção erétil.

Quem é afetado pela disfunção erétil?

Estima-se que a disfunção erétil afete entre 10 e 52% dos homens em faixa etária entre 40 e 70 anos.

Em geral, esta condição é mais frequente em adultos mais velhos, de modo que mais de 50% dos homens com mais de 60 anos sofrem com isso.

Disfunção erétil e idade

Ao longo dos anos, a força da ereção diminui, e o tempo necessário para alcançá-la aumenta, assim como o período refratário. No entanto, todas essas mudanças não são nem patológicas nem diminuem a sexualidade das pessoas. 

O que pode causar uma disfunção erétil?

Homem que não pode manter relações sexuais por sua disfunção erétil

  • A idade.
  • As patologias mencionadas acima.
    • Depressão, apatia, anedonia e tristeza diminuem o desejo de ter relações sexuais e o prazer que elas produzem. Além disso, a depressão causa uma diminuição acentuada da libido.
  • A ingestão de drogas , como medicamentos para tratar a hipertensão arterial, excesso de colesterol, entre outros. Também afetam certos tratamentos como quimioterapia, radioterapia, diálise e algumas intervenções cirúrgicas.
  • Lesões medulares traumáticas. Ainda assim, nem todos os pacientes inválidos são incapazes de fazer sexo. O poder de ter uma ereção, ou um orgasmo, depende do ponto medular em que a lesão ocorreu.
  • O consumo de  álcool e drogas. Embora o álcool atue como um desinibidor, na realidade, é um dos principais fatores que impedem as ereções.

Diagnóstico

Paciente consultando médico por sua disfunção erétil

  • História médica. Deve ser exaustivo e abordar todas as causas possíveis. Também é importante entrevistar o parceiro sexual.
  • Exame físico, que inclui os genitais e um exame retal digital.
  • Provas de laboratório. Devido a que servem para excluir uma alteração hormonal, medir os níveis de testosterona e os da prolactina.

Tratamento

Normalmente, os problemas sexuais são uma fonte de constrangimento e, em muitos casos, não consultam um especialista. Portanto, não recebem tratamento a tempo.

Nesse sentido, deve-se lembrar que, em caso de qualquer problema de saúde, seja sexual ou não, é preciso consultar o especialista e ser aberto para encontrar facilmente as soluções.

No entanto, não só os pacientes sentem vergonha quando se trata de lidar com essas questões. Muitos especialistas sentem vergonha ou pudor quando se trata de perguntar aos pacientes sobre sua vida sexual, o que dificulta a aproximação correta da doença. Felizmente, nem sempre é esse o caso.

Quanto ao tratamento da disfunção erétil, o paciente deve saber que existem múltiplas opções. O médico determinará qual é o mais indicado, com base nos resultados do exame físico e testes laboratoriais, bem como na história clínica do paciente.

Veja também: Assexualidade: quando não sinto desejo sexual

Drogas orais

Pílulas para combater a disfunção erétil

O citrato de sildenafil (mais conhecido como Viagra) é o tratamento de primeira linha. É um poderoso vasodilatador dos vasos sanguíneos do pênis, sendo este o mecanismo pelo qual ocorre uma ereção.

Tem algumas desvantagens. Deve ser tomado trinta minutos antes do ato e também requer estimulação sexual. É totalmente contraindicado em pessoas com problema cardíaco e naquelas tratadas com nitroglicerina.

Outras terapias

  • Terapia Intra-cavernosa. Consiste em usar injeções, que são colocadas diretamente nas veias cavernosas do pênis (no corpo). Não é um método indicado para todos os pacientes, nem muito pedido por eles.
  • Dispositivos de vácuo. Esta é uma das primeiras escolhas para o tratamento da disfunção erétil. O pênis é inserido em um cilindro, no final do qual, há um mecanismo de sucção. Quando ativado, o sangue entra no pênis e ocorre uma ereção. Depois disso, um anel de silicone é colocado no final do pênis, evitando que o sangue saia e mantenha a ereção.
  • Implante de prótese no pênis. Este tratamento é reservado para casos graves.
Recomendados para você