Como o corpo da mulher muda em cada década

· 6 de agosto de 2017
As mudanças no corpo feminino em toda a sua vida não são apenas produzidas externamente. As mais importantes são aquelas que ocorrem dentro de nós.

A passagem do tempo afeta a todos. Até mesmo às celebridades que passam horas e horas na sala de cirurgia ou spa. Ninguém pode impedir que os anos alterem o corpo em todos os sentidos.

Rugas e enfraquecimento dos ossos podem ser os maiores sinais de envelhecimento. Mas há outros que provavelmente você não sabia. Neste artigo, vamos falar sobre como o corpo da mulher muda em cada década.

Você ficará surpresa!

O que acontece no corpo a cada ano

Nosso corpo irá gradualmente se modificando em algumas questões. Em muitos casos, você terá que estar preparada para o que está por vir e, por isso, é preciso aceitar. No entanto, isso não significa deixar de nos cuidar ou querer melhorar.

Preste muita atenção nas mudanças que ocorrem no corpo da mulher década após década.

Dos 20 aos 30 anos

da mulher

Nesta fase, as duas palavras-chave são sexualidade e curvas. Isto significa que a natureza prepara a mulher para ser mãe.

Portanto, é mais provável que seu apetite sexual seja (quase) insaciável, assim como os períodos menstruais se tornam regulares em relação ao que acontecia na adolescência.

Neste ponto, você começa a levar a sério os benefícios de fazer esporte. Ainda que seja bom para a saúde, também pode causar infecções vaginais, pé de atleta e dores musculares.

Por sua vez, é provável que nesta idade você ainda continue a dançar ou talvez prefira se deitar ao sol durante todo o verão. Isso terá consequências na produção de colágeno e elastina que podem causar manchas e rugas a partir dos 30 anos.

Você quer saber mais? Leia: 7 Sintomas perigosos que as mulheres não devem ignorar

Além disso, as curvas começam a tomar forma devido à estabilização hormonal. Começa a se acumular gordura nas coxas, quadris e peito.

Este processo também serve como preparação para ter filhos.

Dos 30 aos 40 anos

da mulher

Esta fase é de realmente muitas mudanças e as palavras-chave são rugas e cuidados intensivos. 35% das mulheres após sua terceira década sofrem de acne.

A que se deve? A poluição ambiental, estresse e falta de uma rotina de limpeza do rosto. É importante manter os poros livres de modo que o excesso de sebo possa sair sem problemas.

Recomendamos lavar o rosto pela manhã e à noite com produtos adequados.

Os seios começam a cair, tendo sido mãe ou não, embora a gravidez e a lactação tenham muito a ver com isso. Outras razões pelas quais a mama não é mais tão firme como aos 20 anos é a perda ou ganho de peso e o uso de sutiãs não apropriados para fazer exercícios.

Os problemas dentários começam a aparecer nesta década. Especialmente depois de se tornar mãe. A maioria da população feminina com mais de 30 tem gengivite e infecções da boca.

Isto ocorre devido a alterações hormonais que aumentam a permeabilidade dos vasos sanguíneos e provocam o inchaço.

da mulher

Não é tão simples emagrecer como antes. Se nos anos 20 se realizava a dieta da maçã, morango ou toranja e surtia efeito, agora isso já não ocorre da mesma forma.

A gordura começa a se acumular (e é impossível de ser reduzida) no abdômen, nas coxas e nos braços. Se aos 38 anos você não conseguiu chegar ao seu peso ideal, infelizmente, você vai perder a batalha contra os quilos.

Por fim, devemos mencionar a gravidade. Sim, essa palavra que soa como um pesadelo. Isso faz com que os tecidos “sejam jogados para baixo”, especialmente no queixo, ao redor dos olhos e da boca.

De 40 a 50 anos

da mulher

A menopausa é a principal palavra desta década. E a ideia de ser mãe neste momento é praticamente impossível. Embora seja verdade que muitas mulheres têm filhos depois dos 40 anos, não é recomendável, pois pode ser perigoso tanto para ela como para a criança.

Os óvulos não têm a mesma qualidade de quando você é jovem.

Entre os sinais desta importante mudança na vida das mulheres, podemos destacar os típicos “calores” em pleno inverno, transpiração excessiva e mau humor. Os sintomas podem piorar a qualquer momento do ano sem qualquer explicação.

Além disso, a partir dos 48 anos algumas mulheres começam a sofrer da perda de cabelo ou alopecia. Apesar de não ser tão evidente como no homem, a espessura dos fios é reduzida para quase a metade (de 0,06 mm a 0,03 mm).

Nesta fase, é mais difícil manter uma cabeleira no melhor estilo de cabelo de Rapunzel.

Dos 50 aos 60 anos

da mulher

A fragilidade óssea e os quilos extras são típicos nesta década. Isto ocorre devido à diminuição de estrogênio agora que a menopausa já é um fato. A osteoporose é muito comum e afeta a dureza dos ossos.

Cerca de 50% das mulheres com mais de 50 anos sofrem fraturas ósseas, especialmente no quadril e ombros.

Embora se acredite que o consumo de iogurte e leite ajudem a prevenir os problemas ósseos, existem outras receitas caseiras interessantes: peixes, amêndoas e vegetais de folhas verdes (especialmente couve e espinafre).

Não se esqueça de ler: Você é mulher e tem mais de 40 anos? Aprenda tudo sobre perder peso

Os quilos extras são um tema de conversa nesta idade, mas não é tudo o que lhes acontece. Elas também sofrem de insônia, apatia sexual e perda de ânimo. Acontece também uma perda de massa muscular e da força.

O tecido adiposo se torna a principal fonte de hormônios, já que os ovários não produzem mais estrogênio.

Enquanto a pele… esta se resseca, afina e perde a sua firmeza pela menor produção de colágeno e funcionamento das glândulas sebáceas. Por fim, nessa época aumentam as cáries e é possível que caiam alguns dentes pelo desgaste dos ossos e das gengivas.

da mulher

E depois de 60 anos? O corpo se estabiliza, os folículos pilosos diminuem de tamanho (depilação não existe mais) e as mudanças se tornam mais externas do que internas.

  • Price, B. (2010). The older woman’s body image. Nursing Older People. https://doi.org/10.7748/nop2010.02.22.1.31.c7493

  • Emad, M. C. (2006). Reading wonder woman’s body: Mythologies of gender and nation. Journal of Popular Culture. https://doi.org/10.1111/j.1540-5931.2006.00329.x