Deslize freudiano ou ato falho: o que é e o que significa?

Um deslize ou ato falho freudiano ocorre quando as pessoas bloqueiam memórias estratégicas da sua mente para se proteger de realidades desagradáveis ou traumas. É um fenômeno psicológico inconsciente.
Deslize freudiano ou ato falho: o que é e o que significa?

Última atualização: 06 Outubro, 2021

O deslize freudiano ou o ato falho é um erro na cognição humana. Com isso, queremos dizer que é uma falha nos processos mentais. No entanto, não é nada para se preocupar; na verdade, é uma situação bastante comum.

Essas falhas cognitivas também são conhecidas como parapraxias ou lapsos mentais. A teoria diz que os atos falhos ocorrem quando as pessoas não querem enfrentar uma realidade desagradável e alteram os dados inconscientemente.

Origem do termo

Este conceito vem da teoria psicanalítica. Foi Sigmund Freud que registrou pela primeira vez um caso com essas características. A palavra parapraxis resulta da tradução grega de fehlleistung, que em alemão significa “ação errada”.

O primeiro registro de um deslize ou ato falho freudiano foi de um jovem paciente. O referido menino omitiu uma palavra ao citar um trecho da peça A Eneida. Essa observação chamou a atenção de Freud, que investigou o caso, descobrindo que a paciente relacionava a palavra esquecida ao sangue.

Em suma, o homem não conseguia se lembrar da palavra porque estava inconscientemente se protegendo de uma memória traumática. Casos como esse ocorrem com frequência na vida de todos nós.

Alguns tipos e exemplos de atos falhos

Existem 4 tipos de atos falhos descritos por Freud. Nesse sentido, eles são categorizados em função de como acontecem.

Existem lapsos freudianos verbais, gráficos, de escuta e de leitura. Finalmente, existem aqueles do esquecimento simbólico.

1. Deslize freudiano verbal (lapsus linguae)

Esse tipo de ato falho é conhecido como lapsus linguae e é um dos mais frequentes. Ocorre quando uma pessoa diz algo que é verdade, mas que ela não gostaria de admitir. Um exemplo disso seria uma namorada que pergunta ao parceiro por quem ele está apaixonado e ele acidentalmente diz o nome de outra garota.

Atos falhos no relacionamento
Dizer algo que não queríamos naquele exato momento pode ser um deslize freudiano do tipo verbal.

2. Deslize freudiano gráfico (lapsus manus)

Assim como nos casos anteriores, os lapsos manus representam uma confissão inoportuna para as pessoas. Nestes casos, o ato falho é refletido pela escrita. Esse tipo geralmente ocorre em situações de trabalho.

Por exemplo, um funcionário diz ao chefe que não pode ir trabalhar na segunda-feira porque está doente e precisa fazer exames médicos. No entanto, em outra mensagem, ele conta à mesma pessoa que comprou ingressos para um jogo de futebol naquele mesmo dia.

3. De compreensão auditiva e leitora

Nesses casos, as falhas não ocorrem quando expressamos uma ideia de maneira errada. Em vez disso, são erros na compreensão do que ouvimos ou lemos. Esses deslizes geralmente acontecem quando as pessoas se encontram em situações inesperadas ou sob um estresse elevado.

Se usarmos um exemplo, seria quando um pai se sente culpado por ter repreendido o filho e o ouve dizer “você não me ama” em vez de você não me entende”. Esse lapso mental responde ao medo que a pessoa tem em relação a uma situação particular.

4. Esquecimento simbólico (lapsus memoriae)

Esse erro de cognição é um dos mais interessantes para a psicologia. Envolve esquecer informações específicas que não são agradáveis ou interessantes para as pessoas. Por exemplo, não conseguir lembrar o nome de um filme que achamos chato ou de uma pessoa de quem não gostamos.

O que o deslize freudiano pode significar?

A teoria psicanalítica é a que sustenta esse tipo de fenômeno. É lógico que assim seja, uma vez que foi o próprio Freud quem registrou o primeiro caso de falha. Em suma, o que surge da psicanálise freudiana é que as parapraxias são uma consequência de processos mentais inconscientes.

Os atos falhos podem ocorrer a qualquer momento e em pessoas sem qualquer psicopatologia. Para Freud, esses lapsos são a prova de que os processos inconscientes da mente estão em operação constante.

É importante notar que, embora a teoria psicanalítica seja convincente, às vezes esses tipos de erros podem ocorrer por outras razões menos complexas. Vejamos uma lista de alguns significados alternativos.

1. Cansaço

Quando não temos um sono reparador durante a noite, é natural sentir fadiga durante o dia. Essa exaustão não é apenas física, mas também afeta a mente. Quando o cérebro não descansa adequadamente, é normal esquecermos certas informações.

2. Estresse

Estar sob um estresse elevado cria dificuldades no processamento de informações. Sentir que as responsabilidades estão escapando das nossas mãos provoca ansiedade; é essa sensação que obscurece o julgamento e causa atos falhos.

Jovem estressada
O estresse pode levar a erros inadvertidos nas atividades cotidianas.

3. Acaso

Às vezes, um lapso mental é apenas um produto do acaso. Nem sempre haverá uma causa específica para esses erros.

Quando esquecemos onde deixamos as chaves do carro, por exemplo. Esquecer onde deixamos algo não significa que não gostamos do que perdemos; é apenas um evento aleatório.

Além da psicanálise, outras teorias explicam o deslize freudiano?

O deslize freudiano é algo difícil de estudar porque são fenômenos que podem ocorrer ao acaso, como já mencionamos. Desse modo, entende-se que embora as teorias psicanalíticas o expliquem muito bem, não é possível realizar estudos aprofundados que permitam obter medidas exatas.

Pode interessar a você...
Psicanálise: o que é e como funciona?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Psicanálise: o que é e como funciona?

A psicanálise continua válida como uma teoria que busca resolver aspectos inconscientes da mente humana. Como essa teoria funciona?



  • Domínguez, Juan Pablo Sánchez. “El Psicoanálisis y Su Objeto de Investigación.” Tempo psicanalitico 51.1 (2019): 259–287. Tempo psicanalitico. Web.
  • Hueso Holgado, Héctor, and Fanny Cuervo Díaz. “Psicoanálisis, ¿ciencia o Pseudociencia? De Popper a Ricoeur, y de Freud a Modell.” Revista de la Asociación Española de Neuropsiquiatría 36.129 (2016): 103–119. Print.
  • Santiago Ayala, Victoria et al. “Sueño Reparador, Respiración Estable En Cuerpo Sano.” Sueño reparador, respiración estable en cuerpo sano (2014): 1–9. Print.