Ansiedade ao acordar: por que ocorre e como aliviá-la?

Todos nós já experimentamos ansiedade em algum momento de nossas vidas, pois esta é uma reação normal e adaptativa. No entanto, a ansiedade ao acordar pode indicar um problema mais grave.
Ansiedade ao acordar: por que ocorre e como aliviá-la?

Última atualização: 26 Março, 2021

A ansiedade ao acordar consiste em experimentar uma série de sintomas físicos e psicológicos desagradáveis ​​logo depois de despertar, principalmente pela manhã.

Se essas reações se prolongarem no tempo, afetarão negativamente o bem-estar da pessoa. Por isso, é importante conhecer as suas causas e como tratá-las.

O que é a ansiedade?

De acordo com a American Psychological Association, a ansiedade é uma emoção caracterizada por sintomas somáticos de tensão. Eles são experimentados quando a pessoa antecipa um perigo iminente, uma catástrofe ou um infortúnio.

É um dos estados emocionais mais comuns e serve para desencadear as ações defensivas do organismo. Inclusive, um certo grau de ansiedade é desejável para lidar de forma otimizada com as demandas do dia a dia, como um estímulo necessário para progredir e resolver problemas.

No entanto, essa emoção torna-se patológica quando ultrapassa uma determinada intensidade ou perde sua função adaptativa. Nesses casos, resulta em desconforto significativo na pessoa, cujos sintomas afetam o bem-estar físico e mental.

Desligar o despertador pela manhã
A ansiedade ao acordar começa imediatamente quando a pessoa desperta.

Ansiedade e medo

Tanto a ansiedade quanto o medo têm manifestações semelhantes, pois em ambos há pensamentos de perigo, sentimentos de apreensão, reações fisiológicas e respostas motoras. Por isso, eles são frequentemente confundidos.

No entanto, a diferença entre as duas reações é que o medo ocorre na presença de estímulos perigosos, como ter um animal selvagem na sua frente. Enquanto isso, a ansiedade surge na expectativa de ameaças futuras, que são indefiníveis e imprevisíveis.

Sintomas da ansiedade ao acordar

Nem todos os indivíduos manifestam os mesmos sintomas de ansiedade ao acordar. A quantidade e a intensidade vão depender da predisposição biológica e psicológica da pessoa. Podemos classificá-los em sinais físicos, psicológicos, comportamentais e cognitivos.

Manifestações físicas

Aqui podemos citar os sintomas cardíacos, como taquicardia, palpitações e aperto no peito. Geralmente são acompanhados por uma sensação de asfixia e suor abundante. Ao mesmo tempo, há uma combinação de tremores e formigamento nos membros.

Queixas digestivas não são incomuns. Pode haver náuseas e vômitos, bem como dor ocasional na boca do estômago ou epigástrio, que se relaciona à azia e ao refluxo gastroesofágico.

Manifestações psicológicas

Entre os sintomas psicológicos de ansiedade ao acordar, podemos citar os seguintes:

  • Sensação de perigo: ou de ameaça diante de algo que não pode ser descrito.
  • Sensação de estranheza: também conhecida como despersonalização.
  • Medo de morrer: nas formas mais brandas, é o medo de perder o controle das situações e da própria vida.
  • Dificuldade para tomar decisões.

Manifestações comportamentais

Inquietação motora e dificuldade em permanecer quieto são sintomas comuns da ansiedade ao acordar, que aparecem assim que a pessoa se levanta. Isso pode ser acompanhado por uma expressão facial com uma postura tensa e uma mandíbula rígida, levando ao bruxismo.

Manifestações cognitivas

Entre as manifestações cognitivas da ansiedade ao acordar está a dificuldade de focar a atenção e a concentração nas primeiras horas da manhã. Isso se relaciona à intensidade da preocupação excessiva com que o dia começa, bem como ao fluxo de pensamentos negativos.

As pessoas ansiosas aumentam suas dúvidas e sentimentos de confusão. Desde o momento em que acordam, interpretam mal o que está acontecendo, tanto em seu ambiente íntimo quanto nas notícias que ouvem.

Causas da ansiedade ao acordar

A ansiedade ao acordar pode ser decorrente de múltiplos fatores, entre os quais se destacam os biológicos, psicológicos e sociais. É importante enfatizar que os motivos que levam a experimentá-la variam entre as pessoas, sendo os mais comuns os seguintes:

  • Biológico: a genética desempenha um papel importante no quadro de ansiedade. Quanto maior a predisposição biológica, maior o risco de sofrer ataques de ansiedade. Geralmente, essas pessoas têm antecedentes familiares da doença.
  • Fatores psicossociais: a vivência de situações estressantes (problemas profissionais, interpessoais, socioeconômicos) costumam ser os gatilhos para essas experiências ansiosas. Nesses casos, as ferramentas de enfrentamento da pessoa não são suficientes para lidar com as circunstâncias.
  • Experiências traumáticas: vivenciar eventos traumáticos, como acidentes graves, desastres naturais, agressões ou tortura, provoca alterações cerebrais biológicas relacionadas a sintomas graves de ansiedade.
  • Atividade onírica: outro motivo que causa ansiedade ao acordar são os sonhos com conteúdo angustiante ou pesadelos. Nestes casos, o sonhador vivencia os perigos como reais e, ao despertar, tem dificuldade em discernir o que está percebendo. Pode até ser que depois de um sonho vívido, não necessariamente um pesadelo, a pessoa passe um período considerável sem saber se ainda está dormindo ou acordada.

Como aliviar a ansiedade ao acordar?

Dependendo da intensidade e frequência dos episódios de ansiedade ao acordar, a intervenção psicoterapêutica será relevante. É provável que a pessoa sofra de um distúrbio cujo tratamento mais eficaz geralmente é a psicoterapia e, em casos mais graves, os medicamentos.

Técnicas de relaxamento muscular ao despertar

Praticar exercícios relaxantes para os músculos ajudará a diminuir a incidência de sensações físicas perturbadoras, que por sua vez reforçam os pensamentos negativos. Com a prática, os efeitos físicos da ansiedade podem ser evitados com essas técnicas.

Substitua a respiração torácica pela respiração abdominal

A respiração superficial e torácica pode causar hiperventilação, que por sua vez produz sintomas físicos relacionados à ansiedade. Aqui podemos mencionar o enjoo, a vertigem, as palpitações e a sensação de falta de ar.

Por outro lado, quando a pessoa está relaxada, respira mais profundamente e pelo abdômen. Se você mudar a maneira como o faz (do peito para o abdômen), poderá usar a respiração como ferramenta para controlar a ansiedade.

Mulher tendo pesadelo
As pessoas que têm pesadelos com frequência podem sentir ansiedade ao acordar.

Pratique ioga e meditação

A ioga é uma das atividades que ajudam a nos tranquilizar. Além disso, fornece ferramentas para estabelecer uma unidade entre a mente e o corpo. Isso implicará um maior controle das manifestações físicas ansiosas.

É também uma forma de executar o relaxamento muscular, pois implica manter o corpo em certas posições flexionadas durante um momento e depois relaxá-lo.

Por sua vez, a meditação é uma atividade que permite liberar pensamentos relacionados ao passado e ao futuro, o que leva a pessoa a se concentrar no aqui e agora. Por isso, contribui para um maior controle da mente e ajuda a evitar os pensamentos negativos.

Evite ingerir bebidas alcoólicas e café

Existem várias substâncias que promovem o aparecimento de manifestações de ansiedade, como o álcool e a cafeína. Diminuir a sua ingestão irá aliviar a ansiedade ao acordar.

O problema da ansiedade ao acordar pode ser resolvido

Embora seja avassalador para quem o sofre, o problema da ansiedade ao acordar pode ser abordado tanto a partir dos aspectos psicoterapêuticos quanto das medidas caseiras. Pode-se alterar a rotina para ter um tempo de meditação, bem como regular os horários noturnos a fim de favorecer a boa qualidade do sono.

Consulte um profissional se tiver dúvidas. A médio prazo, a ansiedade danifica órgãos e dificulta as relações sociais, o que repercute em diferentes âmbitos, desde o profissional até o familiar. Quanto mais rapidamente forem postos em prática os métodos de controle, menores serão os seus efeitos nocivos.

It might interest you...
Como controlar a ansiedade usando óleos essenciais
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Como controlar a ansiedade usando óleos essenciais

Talvez você já tenha se perguntado como controlar a ansiedade sem tomar medicamentos que causam efeitos colaterais. Os óleos essenciais podem ajudá...



  • Bourne E, Garano L. HAGA FRENTE A LA ANSIEDAD: 10 formas sencillas de aliviar la ansiedad, los miedos y las preocupaciones. [Internet]. Barcelona: Amat Editorial. 2006
  • González Ceinos Martha. Reflexión sobre los trastornos de ansiedad en la sociedad occidental. Rev Cubana Med Gen Integr  [Internet]. 2007  Mar [citado  2020  Oct  10] ;  23( 1 ). Disponible en: http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0864-21252007000100013&lng=es.
  • Fernández LOI, Jiménez HB, Alfonso ARB, et al. Manual para diagnóstico y tratamiento de trastornos ansiosos. Medisur. 2012;10(5):466-479.
  • Navas OW, Vargas BMJ . Trastornos de ansiedad: Revisión dirigida para atención primaria. Rev Med Cos Cen. 2012;69(604):497-507.
  • Sierra, Juan Carlos, Ortega, Virgilio, Zubeidat, Ihab, Ansiedad, angustia y estrés: tres conceptos a diferenciar. Revista Mal-estar E Subjetividade [Internet]. 2003;3(1):10 – 59. Recuperado de: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=27130102
  • Saez-Uribarri Licenciado. EVALUACIÓN DE LA ANSIEDAD EN DESPERTARES CON ACTIVIDAD ONÍRICA. 2006.
  • Galiano Ramírez, María de la Concepción, Teresa Castellanos Luna, and Teresa Moreno Mora. “Manifestaciones somáticas en un grupo de adolescentes con ansiedad.” Revista Cubana de Pediatría 88.2 (2016): 0-0.
  • Cruz-Fierro, Norma, et al. “Síntomas de ansiedad, el manejo inadecuado de las emociones negativas y su asociación con bruxismo autoinformado.” Ansiedad y estrés 22.2-3 (2016): 62-67.
  • Rodríguez Alonso, Lenay. Características de la ansiedad, depresión e ira en jóvenes hospitalizados con traumatismo craneoencefálico. Diss. Universidad Central “Marta Abreu” de Las Villas. Facultad de Ciencias Sociales. Departamento de Psicologìa, 2016.
  • Romaguera, María Nieves Lago, and Miguel Perelló del Rio. “Cuando las pesadillas son un problema. Un estudio de caso.” INFORMACIO PSICOLOGICA 119 (2020): 78-90.
  • Martínez-González, Lidia, Georgina Olvera-Villanueva, and Enrique Villarreal-Ríos. “Efecto de la técnica de respiración profunda en el nivel de ansiedad en adultos mayores.” Revista de Enfermería del Instituto Mexicano del Seguro Social 26.2 (2018): 99-104.
  • García Gómez, Lydia. “Programa de prevención de la ansiedad en adolescentes a través de la autoregulación emocional mediante la práctica de yoga.” (2019).
  • Amaya, Laura Juliana Dueñas. “Factores de predisposición genéticos y epigenéticos de los trastornos de ansiedad.” Revista Iberoamericana de Psicología: Ciencia y Tecnología 12.2 (2019): 61-68.