Cuidado! 5 erros que cometemos e que causam insônia

16 de janeiro de 2019
A insônia é um problema que todas as pessoas querem evitar. Uma noite de sono reparador é fundamental para a saúde. Veja o que pode causar insônia.

A insônia é um problema que todas as pessoas querem evitar. Afinal, uma noite de sono profundo e reparador é fundamental para a saúde e para nos ajudar a ter uma vida equilibrada. Veja aqui o que pode causar insônia.

Qual a importância do sono?

Durante o sono, nosso corpo e mente se recuperam do desgaste e das atividades realizadas durante o dia. Sem um sono tranquilo e regular podemos desenvolver fadiga crônica, perda de memória, baixa imunidade, irritabilidade e outros problemas.

Erros que cometemos e que causam insônia

1. Primeiro erro: realizar exercícios físicos à noite pode causar insônia

Quem gosta de ir à academia às 21 h e chega em casa pingando de suor e com o sistema circulatório a mil por hora não pode esperar ter uma boa noite de sono.

O corpo precisará de umas duas horas para se acalmar e começar a se preparar para dormir, então, você provavelmente começará a descansar depois da meia noite.

ExerciciosEmCasa

Isso bagunça seu relógio biológico e leva ao cansaço. Prefira se exercitar durante o dia, de preferência no início da manhã para garantir a energia necessária para trabalhar e para ajudar você a dormir melhor.

Se quiser, faça alongamentos suaves duas horas antes de dormir, de preferência às 18h, para ir deitar às 21. Você pode fazer meditações, ler um bom livro e fazer outras atividades relaxantes, como tomar um banho morno.

Conheça: Três exercícios de respiração que ajudam a relaxar

2. Segundo erro: comer muito no jantar pode causar insônia

Comidas pesadas, como carnes, massas e vegetais cheios de amido, como o feijão, prejudicam mais o sono do que você imagina. Opte por saladas, cremes leves, sopas e sucos de fruta para a última refeição do dia.

Cafe

Também lembramos que é bom evitar bebidas energéticas no jantar, e isso inclui o café.

A cafeína em excesso pode atrapalhar o sono e, para pessoas sensíveis ou que não têm o hábito de beber café, apenas uma pequena xícara pode causar problemas para conciliar o sono.

Prefira tomar um suco de maracujá, um chá verde ou de camomila ao invés do chá preto e bebidas açucaradas, como os refrigerantes, que também aumentam o nível de energia do corpo por causa do alto teor de açúcar.

Comer muito à noite também é um erro para quem deseja emagrecer, já que não gastamos muitas calorias dormindo, um maior percentual do que comemos é armazenado sob a forma de gordura.

3. Terceiro erro: dormir em um ambiente desconfortável pode causar insônia

O quarto é um dos lugares mais importantes da casa, mas, muitas vezes, não está organizado de forma adequada para promover um sono tranquilo.

Primeiro de tudo, mantenha-o livre de entulhos e bagunça, com poucos móveis, e garanta a boa circulação de ar.

insonia

O colchão e o travesseiro devem ser firmes e ao mesmo tempo macios, sem ceder completamente ao peso do corpo.

Dormir com um travesseiro inadequado, além de não promover o sono, também pode causar problemas de coluna, dores musculares e dor de cabeça, entre outros problemas.

O investimento em um bom colchão e travesseiro vale muito a pena, pois você estará melhorando sua qualidade de vida significativamente.

Se você gostar de decoração, pode escolher tons relaxantes para o seu quarto, como o azul claro ou o verde e os tons de lavanda. Evite pintar as paredes de cores fortes e energizantes, como o vermelho, o amarelo e o laranja.

Não trabalhe no seu quarto e mantenha os aparelhos eletrônicos, como computadores, impressoras e celulares em outros lugares, pois as luzes que ficam ligadas, mesmo quando os aparelhos eletrônicos estão desligados, também prejudicam o sono. Reserve o quarto para o descanso.

Deixe o quarto o mais escuro e silencioso possível, usando cortinas tipo blackout.

Leia também: Como decorar o quarto para descansar melhor?

4. Quarto erro: acordar muito tarde pode causar insônia

Acordar às 10h, 11h da manhã pode ser saudável ou obrigatório para certas pessoas, como os profissionais de saúde que precisam fazer plantão, por exemplo, e trocam o dia pela noite, mas não é saudável e nem contribui para um bom descanso.

Precisamos ter horários regulares para que o corpo “saiba” quando é hora de ir para a cama e já se prepare para as horas de descanso. O ideal é ir deitar às 21h, no máximo, e acordar às 6h ou 7h da manhã.

Nosso organismo está acostumado a dormir à noite, quando tudo está escuro. A ausência de luz faz o corpo produzir a melatonina, um hormônio que controla nosso relógio biológico.

Se trocarmos o dia pela noite, a produção de melatonina se desregula e podemos sofrer de insônia. A situação volta ao normal com uma rotina mais equilibrada.

5. Quinto erro: preocupar-se pode causar insônia

insonia_preocupacao

O excesso de preocupações, sem dúvida, é inimigo do sono. Procure não acumular problemas, aprenda a pedir ajuda e diminua o nível de estresse na sua vida.

Faça uma lista das suas principais preocupações e dos passos que você pode tomar para solucioná-las ou, pelo menos, diminuir o impacto desses problemas em sua vida.

Se necessário, procure a ajuda de um amigo ou familiar.

Carregar o mundo nas costas pode causar muitos problemas de saúde, inclusive a insônia.

Pessoas que vivem preocupadas podem desenvolver gastrite, depressão, transtornos de ansiedade, doenças autoimunes, como a psoríase e o lúpus, compulsões, vícios e inúmeros outros problemas.

Enfrente os problemas e diminua as preocupações, esforçando-se para ter noites de sono longas e tranquilas. Um bom descanso vai ajudar você a pensar melhor nas soluções que você tanto procura.

  • Morin, C. M., Drake, C. L., Harvey, A. G., Krystal, A. D., Manber, R., Riemann, D., & Spiegelhalder, K. (2015). Insomnia disorder. Nature Reviews Disease Primers. https://doi.org/10.1038/nrdp.2015.26
  • Schutte-Rodin, S. L., Broch, L., Buysee, D., Dorsey, C., & Sateia, M. (2008). Clinical guideline for the evaluation and management of chronic insomnia in adults. Journal of Clinical Sleep Medicine. https://doi.org/10.5664/jcsm.6470