Creme dental sem flúor é bom?

Os cremes dentais sem flúor se apresentam como uma alternativa para nos ajudar a reduzir ou moderar o excesso deste elemento no organismo. Neste artigo falaremos sobre eles e sua aplicação atual.
Creme dental sem flúor é bom?

Última atualização: 25 maio, 2022

Apesar do que estamos acostumados a ouvir e ver nas campanhas publicitárias, existe creme dental sem flúor. Mas essa é uma moda ou tendência? Tem base científica? A saúde dos dentes é mantida com esse tipo de creme dental?

Neste artigo contaremos tudo sobre o flúor, que função ele desempenha nos dentes de crianças e adultos e se é bom dispensar seu uso na higiene bucal. Embora hajam opiniões diversas sobre o assunto, tentaremos ser justos e analisar a opinião dos dois lados.

O que é o flúor e que função ele desempenha nos nossos dentes?

O flúor é um elemento químico que faz parte do grupo dos halogênios, junto com o cloro, bromo, iodo, astato e tenesso. Ele é encontrado naturalmente em fontes de água: rios, lagos e mares, e até mesmo em plantas e animais.

Em temperaturas normais, ele aparece como um componente gasoso dos fluoretos. É liberado no meio ambiente por meio de processos naturais, como intemperismo e emissões vulcânicas. Mas isso também acontece pela ação humana, através da combustão do carvão, águas industriais, produção de metais (aço, alumínio) e fosfatos.

Da mesma forma, as atividades industriais relacionadas à refrigeração e aerossóis (os chamados fluorocarbonos) são uma importante fonte de emissões de flúor. Este último, no entanto, tem diminuído, pois foi considerado o principal causador dos danos à camada de ozônio.

Gengivite.
A gengivite é uma das patologias orais que podem ser prevenidas e combatidas com o flúor.

O flúor no corpo humano

No corpo humano o flúor está associado a ossos e dentes, apresentando uma alta afinidade com o cálcio. Por isso, o flúor é utilizado em produtos de higiene bucal e na água potável com a mesma finalidade, ou seja, com o objetivo de fortalecer o esmalte dos dentes e prevenir as cáries.

Nesse sentido, o flúor aplicado no creme dental nos protege contra a cárie dentária, proporcionando os seguintes benefícios:

  • Reduz ou retarda o processo de desmineralização, que é a primeira etapa do aparecimento da cárie.
  • Se a desmineralização de uma peça já começou mas a cárie ainda não apareceu, o flúor ajuda na remineralização.
  • Também ajuda a combater a formação de placa dentária, que é a causa não apenas de cáries, mas também de doenças nas gengivas, como a gengivite.

Também pode te interessar: Bactérias que causam cáries

O flúor nos dentes de crianças e adultos

Os hábitos de higiene dental devem ser incentivados nas crianças desde antes do aparecimento do primeiro dente. Com cerca de dois anos é quando elas começam a usar creme dental para a escovação.

A este respeito, recomenda-se usar um creme dental sem flúor durante os primeiros três anos, porque as crianças têm uma alta propensão a engolir certas quantidades de creme dental. E embora os dentistas insistam que a escovação deve ser feita com flúor, é difícil controlar que os pequenos não o engulam.

A ingestão contínua de flúor em crianças pode causar fluorose. Os efeitos desta condição são vistos no esmalte, pois aparecem manchas ou os dentes parecem descoloridos.

Em crianças de seis anos que usam creme dental com flúor, a quantidade a ser aplicada na escova deve ser pequena. O equivalente a um grão de arroz é a medida prática. É válido lembrar que não é tão importante a quantidade de creme dental, mas sim a frequência e a técnica de escovação.

Quanto flúor é saudável?

Como forma de prevenção, procure produtos em que a concentração de flúor seja menor. Na União Europeia, os cremes dentais devem conter no máximo 1500 ppm (partes por milhão) deste elemento se ele estiver destinado a adultos. Para crianças é recomendado que não exceda 1000 ppm de flúor.

A ingestão mínima de flúor, para ser segura, deve ser inferior a 4 miligramas/pessoa/dia para homens e 3 miligramas/pessoa/dia para mulheres. Mas é difícil saber isso, pois as pessoas podem consumir flúor de outras fontes: chá, carne, peixe enlatado, sal, água potável e bebidas engarrafadas.

Atualmente, em vários países do mundo, os fluoretos são incluídos na água como elemento para melhorar a qualidade e o sabor. De acordo com estudos realizados nesse sentido, apesar das normas exigidas pelos órgãos governamentais, nem sempre há um controle claro dos níveis.

Efeitos do flúor na saúde

Em seu estado natural e em certos compostos, o flúor pode ser um elemento tóxico para os seres humanos. Na indústria química tem ocorrido acidentes durante a sua manipulação, provocando queimaduras. Por isso são tomadas precauções para evitar o contato com a pele e mucosas ou a inalação de seus vapores.

Além da fluorose dentária acima mencionada, o consumo excessivo pode causar várias condições no corpo:

  • Fluorose esquelética: acúmulo excessivo de flúor que pode provocar alterações na estrutura óssea, fazendo com que os ossos se tornem frágeis e quebradiços.
  • Osteoporose: assim como danos aos sistemas muscular e nervoso e até mesmo nos rins.
  • Alterações na tireoide: outro dos riscos apontados em vários estudos é que o flúor contribui para a diminuição do iodo, afetando os hormônios tireoidianos.
Hipotireoidismo e flúor.
O excesso de flúor pode alterar o metabolismo do iodo e afetar a produção de hormônios tireoidianos.

É aconselhável usar creme dental sem flúor?

Até aqui podemos ver que os defensores do uso do flúor enfatizam seu principal benefício no combate às cáries. Além disso, eles garantem que esse é um elemento natural.

Por outro lado, os consumidores preocupados com a presença de produtos químicos em itens de higiene pessoal têm opções. Por exemplo, os cremes dentais sem flúor se apresentam como uma alternativa natural sem os riscos deste e de outros elementos, como o triclosan.

Neste sentido, várias marcas são atualmente comercializadas no mercado com ingredientes naturais como óleo de coco e aloe vera sendo usados em cremes dentais sem flúor. Esses produtos possuem propriedades fungicidas e bactericidas naturais, o que os torna uma boa opção para substituir os cremes dentais fluoretados.

Embora o uso de cremes dentais sem flúor seja recente, existem pesquisas que questionam a necessidade da fluoretação. Questões éticas ligadas ao fato de decidir massivamente sobre populações inteiras são discutidas.

O flúor e suas alternativas

Ninguém duvida que o flúor tem sido um grande aliado no combate às cáries. Nas condições atuais, também é verdade que a presença desse elemento no organismo aumentou devido ao consumo de outros produtos que o contêm.

A Organização Mundial da Saúde também alerta sobre os problemas que o excesso de flúor pode causar. Portanto, é necessário encontrar um equilíbrio, tanto nas crianças como nos adultos.

Os cremes dentais sem flúor se apresentam como uma alternativa, mas será em uma consulta odontológica que todas as suas dúvidas serão esclarecidas e, com base no estado da boca, será recomendada uma ou outra forma de escovação.

Pode interessar a você...
Usos alternativos do creme dental que você vai gostar de conhecer
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Usos alternativos do creme dental que você vai gostar de conhecer

Embora tenhamos nos limitado a usá-lo como um produto de higiene pessoal, são muitos os usos alternativos do creme dental. Conheça-os!



  • Cuenca E, Baca P. Odontología preventiva y comunitaria. Principios, métodos y aplicaciones. Barcelona: Elsevier, 2013.
  • Díaz B, Castillo F. Salud bucodental. An Pediatr Contin, 2004; 2(2):119-22.
  • Emsley J. Nature’s Building Blocks. Oxford: Oxford University Press, 2001
  • Mattos-Vela, Manuel Antonio, Milagros Bertha Carrasco-Loyola, and Suelen Giuliana Valdivia-Pacheco. “Prácticas sobre uso de pasta dental fluorada en preescolares, padres y profesores.” Odontoestomatología 14.20 (2012): 38-48.
  • Gallará R, Piazza L, Piñas M, Barteik M, Moncunill I, Ponce R. Fluorosis endémica en zonas rurales del norte y noroeste de la provincia de Córdoba, Argentina. Revista de Salud Pública; 2011, 1: 40-48.
  • Ismael AL, Badekar RR. Fluoride supplements and fluorosis: a meta-analysis. Community Dent Oral Epidemiol 1999;27:48-56
  • Johnson L. Flúor. MSD Manuals [En línea]. 2018 [Fecha de acceso: 31 de octubre de 2020]; URL disponible en: https://www.msdmanuals.com/es-es/professional/trastornos-nutricionales/deficiencia-e-intoxicaci%C3%B3n-por-minerales/fl%C3%BAor
  • Rivera S, Godorecci S, Borgel L, Díaz E, Fuchs T, Martin M. Flúor: potenciales efectos adversos. Rev. Chil. Pediatr; 1993; 64(4): 278-283.
  • Mendoza, Carolina. “El dilema ético de la fluoración del agua potable.” Revista médica de Chile 135.11 (2007): 1487-1493.
  • Román J. El problema del flúor en Bélgica: ¿una nueva alarma alimentaria en Europa? Nutr Hosp, 2002; 6: 259-61.
  • Hidalgo Gato-Fuentes, Iliana, Johany Duque de Estrada Riverón, and José Alberto Pérez Quiñones. “La caries dental: Algunos de los factores relacionados con su formación en niños.” Revista Cubana de Estomatología 45.1 (2008): 0-0.