Como a osteoporose afeta a saúde bucal?

A osteoporose causa uma diminuição na densidade óssea. Além disso, compromete a saúde bucal. Quais são as suas consequências? Descubra a seguir!
Como a osteoporose afeta a saúde bucal?

Última atualização: 09 Novembro, 2021

Ao sofrer de uma patologia sistêmica, há repercussões em várias partes do corpo. É o caso da osteoporose, que entre as suas manifestações, também afeta a saúde bucal.

Esta doença óssea pode influenciar negativamente as condições bucais. Na verdade, em alguns casos, são as manifestações orais que ajudam a diagnosticá-la. Quer saber mais sobre isso? Continue lendo!

O que é a osteoporose?

A osteoporose é uma patologia complexa que causa a diminuição da densidade óssea. É causada por um distúrbio metabólico que deteriora a estrutura dos ossos, o que aumenta a sua fragilidade e o risco de fraturas. Em geral, sua incidência aumenta com a idade, principalmente na pós-menopausa.

Outros fatores de risco são os seguintes:

  • Sexo.
  • Idade.
  • Genética.
  • Etnia.
  • Estilo de vida.
  • Nutrição.
  • Hábitos de consumo de álcool, cigarro ou café.
  • Sedentarismo.

As fraturas devido a pequenos traumas ou na sua ausência são as consequências mais reconhecidas da osteoporose. As vértebras e a cabeça do fêmur são os locais mais fraturados.

Como a osteoporose afeta a saúde bucal?

Como já mencionamos, a osteoporose é uma patologia que afeta os diferentes ossos do corpo, incluindo os maxilares. Assim, essas estruturas da boca sofrem a mesma perda de substância óssea que o resto do esqueleto.

A redução da densidade da mandíbula pode levar a outras alterações na boca. Doença periodontal, mobilidade, perda de dentes e disfunções da articulação temporomandibular são alguns dos problemas associados.

A perda de altura dos maxilares e a redução da largura das cristas alveolares podem causar deformações nas arcadas dentárias e na face. Por sua vez, isso causa dificuldades na realização de tratamentos odontológicos, como colocação de implantes ou próteses.

Como a osteoporose está relacionada à saúde bucal?
A osteoporose afeta a saúde bucal. Em casos graves, ela pode levar à perda dos dentes.

Consequências da osteoporose para a saúde bucal

O avanço da osteoporose na mandíbula causa diversas alterações na saúde bucal. A seguir, mencionamos as mais relevantes.

Cume alveolar diminuído

A osteoporose é um dos fatores sistêmicos que podem causar a perda de densidade óssea no osso alveolar (a área da mandíbula onde as raízes do dente estão alojadas). A nutrição e o desequilíbrio hormonal são outros aspectos determinantes dessa situação.

Uma ingestão deficiente de cálcio e fósforo, bem como uma baixa produção de vitamina D, costumam causar reabsorção óssea das cristas alveolares. O desequilíbrio hormonal típico da menopausa é outra situação que intensifica a perda óssea na mulher.

Densidade óssea mais baixa na mandíbula

A osteoporose aumenta a porosidade e os espaços trabeculares dos ossos da mandíbula. A parte cortical da mandíbula fica mais fina, especialmente na área do ângulo.

Essa perda de massa óssea torna as estruturas da mandíbula mais frágeis. Por esse motivo, a colocação de implantes dentários ou próteses é difícil nesses pacientes, o que afeta negativamente a sua qualidade de vida.

Perda dos dentes

Pacientes com osteoporose têm uma maior probabilidade de perder os dentes ou sofrer de edentulismo. No entanto, essa associação também pode ser decorrente de outros fatores, como idade avançada, tabagismo, má higiene dental ou condições bucais típicas do envelhecimento.

A diminuição da densidade óssea das mandíbulas e a perda do osso alveolar onde os dentes estão inseridos causam a falta de sustentação das peças. Isso gera mobilidade e perda dos elementos.

Problemas periodontais

Embora a osteoporose não seja a causadora da doença periodontal, as consequências dessa patologia são mais graves nos pacientes que sofrem com ela. Nestes casos, a piorréia avança com mais rapidez.

O desenvolvimento dos sacos periodontais, a perda da inserção óssea e a consequente mobilidade ou saída dos dentes é maior nas pessoas com osteoporose.

Métodos complementares de diagnóstico para a osteoporose

Como já mencionamos, muitas vezes são os sintomas dentários que levam à suspeita de osteoporose. Alguns métodos complementares utilizados na prática odontológica ajudarão a se aproximar do diagnóstico para orientar o paciente na busca por ajuda médica.

Além disso, a identificação da doença permite ao dentista reconsiderar ou substituir alguns tratamentos que requerem cuidados especiais. Estes são alguns estudos odontológicos que podem mostrar a presença de lesões ósseas causadas pela osteoporose:

  • Raio-X panorâmico: também chamado de “ortopantomografia”, geralmente é feito no consultório odontológico para obter uma imagem geral das estruturas ósseas e dentais. A alteração da aparência do osso cortical, a diminuição da altura das cristas alveolares e a baixa qualidade da densidade óssea podem indicar a presença de osteoporose.
  • Tomografia computadorizada (TC): atualmente, é realizada digitalmente com dose de radiação menor que os métodos convencionais. Este exame permite a obtenção de centenas de imagens de diferentes ângulos da boca para um estudo detalhado. O profissional pode detectar alterações que o façam suspeitar de osteoporose precoce.

Caso sintomas clínicos e estudos complementares alertem para a presença de osteoporose, o dentista fará o encaminhamento correspondente a um especialista.

Os médicos farão exames específicos, como a densitometria. Exames de sangue e urina também podem ser prescritos para ajudar a definir o diagnóstico.

De acordo com os resultados, será indicado o tratamento adequado para o caso. Em geral, existem várias especialidades treinadas para tratar um paciente com osteoporose: generalistas, clínicos, ginecologistas, endocrinologistas e reumatologistas.

Dicas para diminuir os efeitos da osteoporose na saúde bucal

Colocar em prática algumas dessas recomendações pode ajudar a reduzir as consequências da osteoporose na saúde bucal.

  • Nutrição adequada: uma dieta nutritiva e variada, rica em cálcio, pode ajudar a reduzir os efeitos da osteoporose na boca. Amêndoas, laticínios e suplementos ajudam a obter estes nutrientes.
  • Pratique atividade física com frequência.
  • Evite hábitos prejudiciais: pare de fumar e reduza o consumo de álcool e cafeína.
  • Exposição ao sol: favorece a síntese da vitamina D que aumenta a absorção do cálcio.
  • Mantenha uma higiene oral adequada: escove os dentes três vezes ao dia com cremes dentais com flúor. Complemente com fio dental e enxaguantes bucais.
  • Mantenha as próteses dentárias limpas e verifique-as a cada 6 meses.
  • Visite o dentista regularmente: isso ajuda a detectar qualquer problema a tempo de encontrar uma solução imediata. Além disso, limpezas regulares ajudam a manter seus dentes e gengivas saudáveis.
  • Informe o dentista se tiver diagnóstico de osteoporose e indique os medicamentos que toma para tratar esta doença.
Dicas para diminuir os efeitos da osteoporose
Fazer consultas odontológicas regularmente pode contribuir para a detecção precoce de problemas associados à osteoporose.

Agir a tempo para evitar a progressão

Com o aumento da expectativa de vida da população, a osteoporose está se tornando um problema de saúde cada vez mais frequente. Dada a relação dessa condição com a idade, haverá cada vez mais pessoas sob risco de desenvolvê-la.

Essa doença afeta a qualidade dos ossos e sua manifestação na mandíbula tem um impacto negativo na saúde bucal. A diminuição da massa óssea e a perda do osso alveolar podem levar à perda do dente e à impossibilidade de realizar tratamentos de reabilitação.

Por isso, é fundamental ter consciência da importância de prevenir doenças ou reduzir seus efeitos por meio de um estilo de vida saudável. Os exames médicos e dentários regulares ajudam a estabelecer um diagnóstico precoce para prevenir a progressão da doença.

Pode interessar a você...
Fatores de risco para a osteoporose
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Fatores de risco para a osteoporose

Os fatores de risco para a osteoporose explicam sua presença em determinados grupos populacionais. Esta é uma doença muito comum.



  • Fernández-Ávila, D. G., Bernal-Macías, S., Parra, M. J., Rincón, D. N., Gutiérrez, J. M., & Rosselli, D. (2020). Prevalencia de osteoporosis en Colombia: datos del registro nacional de salud del 2012 al 2018. Reumatología Clínica.
  • Barrios-Moyano, A., & De la Peña-García, C. (2018). Prevalencia de osteoporosis y osteopenia en pacientes laboralmente activos. Acta ortopédica mexicana32(3), 131-133.
  • Espitia-De-La-Hoz, F. J. (2021). Osteoporosis en mujeres en climaterio, prevalencia y factores de riesgo asociados. Revista Colombiana de Ortopedia y Traumatología.
  • Claros, J. J. R. (2021). Osteoporosis en los maxilares y sus métodos de diagnóstico: Revisión de literatura. Odovtos-International Journal of Dental Sciences23(1), 53-63.
  • Farré Pagès, N. (2017). Estudio comparativo entre la densidad radiológica mediante tomografía computerizada de haz cónico y el metabolismo óseo de los maxilares en pacientes con y sin osteoporosis (Doctoral dissertation, Universitat Internacional de Catalunya).
  • Garrido Martínez, M. (2021). Relación entre enfermedad periodontal y osteoporosis.
  • Vizcaino Bautista, E. N. (2020). Enfermedad periodontal y osteoporosis (Bachelor’s thesis, Universidad de Guayaquil. Facultad Piloto de Odontología).
  • Archila Acero, D. Y. (2019). Padecimiento de osteoporosis en pacientes adultos relacionado a la perdida de órganos dentarios.
  • Gamboa Fernández, J. E., Otero Guaracao, M. A., Parada Ortega, G. P., & Parra Viviescas, M. M. Relación entre la periodontitis y la osteoporosis: un estudio bibliométrico.