Mejor con Salud
 

Mandíbula deslocada: causas e tratamento

A mandíbula deslocada é uma condição que não ocorre com frequência, mas pode ser desconfortável. Você sabe quais são as suas possíveis causas e tratamentos? Explicamos tudo a seguir.
Mandíbula deslocada: causas e tratamento

Última atualização: 09 Dezembro, 2020

Você já teve a sua mandíbula deslocada? O termo médico para essa condição é luxação temporomandibular. Essa articulação normalmente tem vários tendões e ligamentos que a mantêm no lugar. No entanto, eles podem falhar e provocar esta situação.

A condição ocorre quando um dos componentes da articulação, denominado côndilo, se separa da superfície articular e se desloca pelo osso temporal. É muito comum que isso ocorra em direção ao plano anterior do mesmo, porém, ele pode se mover em qualquer direção.

Quais são os motivos por trás da mandíbula deslocada?

Antes de saber quais são as possíveis causas de uma mandíbula luxada, é importante lembrar que esta é uma condição rara. Na verdade, vários estudos afirmam que representa apenas 3% de todas as luxações. Por esse motivo, há muita discordância quanto à sua origem principal.

O que podemos dizer com certeza é que as causas vão depender do tipo de deslocamento que encontrarmos. Quando se trata de uma luxação aguda, ou seja, com minutos ou horas de evolução, a causa mais frequente costuma ser um trauma.

Nesse sentido, situações que envolvam um golpe direto nessa região podem deslocar a mandíbula. No entanto, não se deve descartar que essa lesão tenha ocorrido espontaneamente. Desta forma, pode originar-se de várias situações que envolvem abrir bem a boca ou mantê-la aberta por muito tempo, como:

  • Bocejando.
  • Rindo.
  • Vomitando.
  • Durante um tratamento dentário.
  • Em decorrência de uma intubação endotraqueal.

Outro tipo de luxação mandibular é o tipo recorrente crônico, que é definido como uma variante constante ao longo do tempo e envolve o desgaste dos componentes articulares. Nesse caso, as causas mais frequentes de luxação da mandíbula são espontâneas.

Por outro lado, a mandíbula pode se soltar facilmente em pessoas com bruxismo ou algum distúrbio psiquiátrico. Isso se deve ao estresse constante ao qual a articulação é submetida.

Homem com dor na mandíbula
A dor e os estalos na articulação são os sinais mais óbvios do problema.

Leia também: O bruxismo: quais são suas causas e consequências?

Como reconhecer uma mandíbula deslocada?

Pessoas com essa lesão costumam ter uma dor repentina na mandíbula, como se fosse uma pontada, que limitará a mastigação e os movimentos. Além disso, a articulação fará um barulho ao se mover.

Em resumo, os dois sintomas característicos são dor e ruído da articulação. Por outro lado, o desvio da mandíbula também pode ser percebido, seja para o lado contrário ou para a frente.

Além disso, muitos pacientes relatam não conseguir fechar a boca ou obter oclusão dentária. Porém, esses sinais podem variar, por isso podemos encontrar pacientes com evolução de meses, pois não sentiram desconforto.

O médico deve usar todos os elementos da história médica para chegar a um diagnóstico correto. A este respeito, você precisará investigar as características da dor e fazer um exame físico completo da articulação. Às vezes, será necessário fazer uma radiografia para confirmar o diagnóstico.

Qual é o tratamento?

O tratamento para uma mandíbula deslocada é médico. Portanto, é importante recorrer ao profissional de saúde quando houver suspeita.

Entretanto, quando se trata de luxações agudas, na maioria dos casos elas podem ser reduzidas através das manobras de Nelaton ou Dupuis. Elas serão modificadas se for uma variante bilateral ou unilateral, respectivamente.

Ambas as manobras têm o mesmo princípio; o médico irá inserir seus polegares na cavidade oral e colocá-los sobre os molares inferiores. Logo depois, ele fará pressão enquanto tenta levantar o queixo, criando uma pressão ou tensão negativa que colocará o côndilo mandibular no seu respectivo lugar.

Em alguns casos, principalmente com pacientes estressados, será necessário o uso de anestesia geral para facilitar o processo. Após a realização da manobra descrita, pode ser necessário fazer um curativo para estabilizar a área por alguns dias.

Em casos de luxações agudas recorrentes mais graves ou crônicas, um procedimento cirúrgico pode ser necessário. No entanto, o uso de toxina botulínica tem se mostrado benéfico para evitar intervenções em certos pacientes.

Por outro lado, um tratamento fisioterápico ajudará a recuperar a funcionalidade da articulação. Portanto, é recomendado em casos de luxações crônicas recorrentes.

Fisioterapia para a mandíbula
Uma mandíbula deslocada pode ser tratada com fisioterapia em alguns pacientes.

Descubra: 5 remédios caseiros para aliviar a dor na mandíbula

O que fazer se você tiver a mandíbula deslocada?

Apesar de não representar um perigo imediato à vida, essa patologia pode ser muito incômoda e dificultar a realização das atividades diárias. Caso essa patologia se apresente, a primeira coisa que você deve fazer é procurar um profissional de saúde.

Somente assim o problema poderá ser revertido com as manobras citadas, e o médico poderá iniciar um tratamento adequado com analgésicos e anti-inflamatórios. No caso de um problema recorrente, o melhor é ir ao especialista para que ele tome as medidas mais adequadas para cada caso.

Dor na mandíbula: você já passou por isso alguma vez?

Dor na mandíbula: você já passou por isso alguma vez?

A dor na mandíbula tem na ansiedade sua origem mais comum. É um tipo de doença muito incômoda que, em algumas ocasiões, acaba causando outros transtornos.



  • Gómez de Terreros Caro G., Martínez Jimeno L., Gómez Gutiérrez I., Ramos Herrera A.. Luxación temporomandibular. Maniobra de Nelaton: exposición de un caso y revisión de la literatura. Sanid. Mil. 2020;  76( 1 ): 36-38.
  • Alarcón-Ariza Diego Fernando, Zambrano-Jerez Laura Cristina, Sosa-Vesga Cristian David, Pardo-Parra Laura Marcela. Luxación de la articulación temporomandibular: apropósito de un caso y su diagnóstico diferencial. Medicas UIS. 2019  Dec;  32( 3 ): 49-54.
  • Arista Apolinario, J. B. (2020). Enfoque fisioterapéutico de la luxación temporomandibular.
  • Renapurkar, Shravan Kumar, and Robert A. Strauss. “Temporomandibular joint trauma.” Atlas of the oral and maxillofacial surgery clinics of North America 27.2 (2019): 99-106.
  • Singh, Ishwar, et al. “Spontaneous temporomandibular joint herniation: a rare case.” Oral and maxillofacial surgery 21.1 (2017): 87-90.
  • Larheim, Tore A., et al. “The role of imaging in the diagnosis of temporomandibular joint pathology.” Oral and Maxillofacial Surgery Clinics 30.3 (2018): 239-249.
  • Prechel, Ulla, et al. “The Treatment of Temporomandibular Joint Dislocation: A Systematic Review.” Deutsches Aerzteblatt International 115.5 (2018): 59.
  • Tatli, Ufuk, et al. “Comparison of the effectiveness of three different treatment methods for temporomandibular joint disc displacement without reduction.” International journal of oral and maxillofacial surgery 46.5 (2017): 603-609.