Como reduzir os danos da osteoporose após a menopausa

23 de maio de 2020
A osteoporose é uma doença óssea que pode ocorrer com mais frequência no corpo da mulher após a chegada da menopausa. Lembre-se de que esta é uma doença intimamente associada aos hábitos de cada um.

O tempo não para; sua passagem é inevitávelFelizmente, atualmente é possível entrar na velhice com graciosidade e força. Muitos indivíduos têm conseguido retardar os efeitos de doenças e de processos degenerativos, como é o caso de algumas mulheres com osteoporose após a menopausa.

Esta é uma doença óssea que causa enfraquecimento da microarquitetura esquelética, que resulta em perda de massa e de força nos ossos, conforme indica um artigo publicado na revista Annals of Internal Medicine. Esta doença é capaz de provocar fraturas e fragilidades inesperadas.

Ocasionalmente, o desenvolvimento desta doença passa despercebido porque seus sintomas são silenciosos. No entanto, seu surgimento pode ocorrer de forma muito dolorosa.

À medida que a perda de massa esquelética aumenta, os orifícios nos tecidos internos do osso se tornam maiores. Isso resulta em um enfraquecimento estrutural, até causar a ruptura. É comum que ocorram lesões vertebrais ou deformidades na coluna vertebral.

As mulheres e a osteoporose

Saúde óssea
A osteoporose é uma complicação comum na menopausa devido à diminuição de hormônios como o estrogênio.

Algumas doenças geralmente aparecem mais em um grupo de pessoas do que em outros devido às condições orgânicas de cada um. No caso da osteoporose, a idade e o sexo são dois fatores de grande influência.

Ao atingir a idade adulta, um declínio na qualidade óssea começa a ocorrer. Portanto, é uma doença que geralmente aparece na velhice. Além disso, é mais provável que as mulheres sofram dessa patologia porque os componentes do esqueleto feminino são mais finos e menores.

Nesse sentido, os hábitos alimentares antes e durante a menopausa podem aumentar o risco de sofrer com essa condição, principalmente se você tiver um histórico familiar ou de deficiência de cálcio. Algumas pesquisas determinaram que o fator hereditário desempenha um papel na incidência da doença.

Como lidar com a osteoporose após a menopausa

Alimentação após a menopausa
Consumir uma quantidade adequada de cálcio e vitamina D antes e durante a menopausa é essencial para prevenir a osteoporose.

Um estilo de vida saudável envolve cuidar da alimentação e aumentar a atividade física. No caso da osteoporose após a menopausa, a chave está na dieta rica em cálcio e vitamina D. É aconselhável procurar especialistas que possam desenvolver um plano apropriado de acordo com as suas particularidades.

Vegetais de folhas verdes e algumas sementes têm mais desses nutrientes do que os laticínios tradicionais. Por outro lado, o magnésio é excelente como complemento alimentar. Quanto à vitamina D, a exposição ao sol e o consumo de certos alimentos, como o peixe, contribuem para manutenção de bons níveis.

Movimentar o corpo

Nem tudo é baseado em comida. Foi demonstrado que a atividade física mantém a qualidade dos músculos e dos ossos ao longo do tempo. Embora após a menopausa a intensidade dos exercícios possa diminuir, é importante fazer todos os esforços para mantê-los. Os exercícios de força contribuem para reduzir a incidência e a gravidade desta doença, de acordo com um estudo publicado em 2019.

Uma caminhada diária de 20 minutos sempre ajuda, assim como a realização de esportes ou exercícios que permitam ir contra a gravidade, pois estes servem para aumentar a densidade óssea. Um bom exemplo é a ioga.

Em todos os casos, também é aconselhável contar com a supervisão de treinadores físicos qualificados que desenvolvam um plano de treinamento adaptado a cada pessoa. Este é um aspecto importante para reduzir os riscos de eventuais traumas nos tecidos esqueléticos e musculares.

Em alguns casos, a fisioterapia também consegue reduzir os efeitos negativos da doença no corpo.

A osteoporose após a menopausa: calma e prudência

A osteoporose após a menopausa: calma e prudência
Torne-se consciente desse processo e mantenha um estilo de vida saudável. O seu médico poderá ajudá-la durante todo o processo.

Foi demonstrado que certos tipos de alimentos podem aumentar o risco de fraturas, como os ricos em vitamina A. O mesmo se aplica ao cigarro, café e álcool. Estes são produtos que promovem a destruição óssea.

Da mesma forma, o sedentarismo e a inatividade excessiva levam a ossos fracos, aumentando a sensação de dor. No entanto, os exercícios devem ser realizados com moderação e prudência para evitar acidentes.

Por todas essas razões, uma alimentação adequada antes e durante a menopausa, assim como atividades físicas frequentes e a eliminação de maus hábitos, podem ajudar significativamente a evitar complicações durante essa etapa da vida.

  • Ensrud KE., Crandall CJ., Oteoporosis. Ann Intern Med, 2017. 167 (3): 17-32.
  • Daly RM., Dalla Via J., Duckham RL., Fraser SF., et al., Exercise for the prevention of osteoporosis in postmenopausal women: an evidence based guide to the optimal prescription. Braz J Phys Ther, 2019. 23 (2): 170-180.