Controlar as más influências em nossos filhos

30 de setembro de 2019
Desde crianças é possível ser influenciado por amigos. Mas ao chegar à adolescência, as más influências podem se tornar um problema. 

As crianças são influenciadas por suas amizades. Isso começa a ocorrer desde que entram no jardim de infância ou na pré-escola. Vemos aparecer comportamentos que desconhecíamos. Umas serão positivas, outras nem tanto. O problema se agrava quando aparecem as chamadas más influências.

As crianças começam a ter suas primeiras amizades e não podemos controlar com quem elas decidem ter contato. Mas, certamente, enquanto crianças, é mais fácil evitar uma amizade que se considere problemática. Durante a puberdade e adolescência, a situação muda.

É possível controlar as más influências nas crianças? 

Os filhos não escutam os pais

As possibilidades que temos de evitar que nossos filhos sejam afetados por más influências começam com a educação que recebem em casa. Essa tarefa não inicia quando as crianças se tornam adolescentes, mas muito antes.

A educação, os vínculos, o respeito e a confiança que tenhamos cultivado em nossos filhos são a garantia para que possam decidir se serão ou não influenciados por uma amizade.

Tampouco é responsabilidade de seus professores: é nosso dever fornecer-lhes as ferramentas para saber como interagir com as crianças e adolescentes que vão conhecendo.

Ajudar as crianças a forjar o seu caráter, ensiná-las a serem autônomas e seguras de si, a não se deixar levar pelas más influências é um processo diário. Isso implica seguir algumas estratégias, já que nossos filhos são crianças.

Descubra: 5 dicas para evitar que seu filho adolescente se torne uma pessoa problemática

Como criar filhos que não sejam influenciáveis? 

  • Ajude seus filhos a desenvolver uma imagem positiva de si mesmos. Esta é a melhor maneira de crescer e se relacionar, sem precisar da aprovação de outras pessoas.
  • Ensine que maus comportamentos têm consequências. Embora cada país tenha sua própria estrutura legal, geralmente, desde a adolescência, os jovens são responsáveis ​​pelos atos ilegais que podem cometer.
  • Cultive um relacionamento aberto e de confiança com seus filhos, que permita que eles recorram primeiro a você, antes que a outras pessoas.
  • Promover a responsabilidade. É mais difícil para crianças e adolescentes responsáveis ​​serem afetados por más influências, pois medem as consequências de suas ações.
  • Você precisa explicar aos seus filhos o que é o que chamamos de “más influências”, sem nomear nenhum de seus amigos. Descreva comportamentos, sem ser específico, para que saibam como reconhecê-los, e não se deixem levar tão facilmente.
  • Conheça os amigos de seus filhos, até mesmo que lugares frequentam, sem se tornar um controlador compulsivo.
  • Evite criticar diretamente os amigos que não considera positivos. Isso o levará a ficar na defensiva. Na adolescência, esta é uma estratégia fundamental.
  • Organize planos familiares. Enquanto passa tempo com seus filhos você os impede de procurar a companhia de amizades conflitantes.
  • Estimule a participação de seus filhos em atividades positivas, como o esporte e as artes. São espaços com regras e disciplinas muito precisas, que estimulam valores e relacionam seus filhos a crianças ou adolescentes que têm a mesma atitude.

Como posso ajudá-lo a evitar as más influências? 

Mãe brigando com filha pela cor do cabelo

  • Se seus filhos têm novas amizades que você não gosta, não as proíba, pois isso terá um efeito oposto.
  • Estabeleça limites nos relacionamentos. Por exemplo, evite que seu filho passe tempo fora de casa e tente fazer que ele frequente um ambiente controlado. Diante de qualquer indicação de mau comportamento, censure tal conduta. Você também pode limitar o número de visitas permitidas.
  • Confie na educação que você deu a seus filhos. Seja paciente, e dê-lhes tempo para decidirem por si próprios se essa amizade lhes convém ou não.
  • Ratifique a seu filho a confiança que tem nele, e a certeza que você sente que ele tomará a melhor decisão. Você pode até dizer: “Confio em você, mas desculpe-me, não sinto o mesmo por seu amigo”.
  • Se o seu filho tiver dificuldade em terminar uma amizade, ajude-o, criando uma certa cumplicidade. Por exemplo, você pode dizer: “Se você não está interessado na amizade dele e precisa de uma desculpa, me culpe”.
  • Verifique como você interage com seus próprios amigos e como você reage a comportamentos inadequados. Lembre-se de que seu exemplo é sempre mais forte que suas palavras.

Não deixe de ler: Ajude seu filho a enxergar quem é um amigo de verdade

Quais comportamentos indicam que seu filho está se deixando levar por más influências? 

  • Seus filhos começam a ter um comportamento sem sentido ou desobedecem às regras do lar, apenas para que um grupo de amigos o aceite.
  • Roubar dinheiro ou objetos da casa. Mostra sinais de uso de drogas ou álcool.
  • Pede de maneira excessiva coisas materiais que seus amigos têm.
  • Participa de bullying ou cyberbullying contra colegas de classe que não fazem parte do seu grupo de amigos.
  • Diminuiu seu desempenho escolar. Você começa a receber reclamações de seus professores sobre problemas de comportamento que não existiam antes.

Lembre-se 

As crianças, desde que começam a crescer e a desenvolver sua autonomia, começam a tomar decisões. Entre elas, quem são seus amigos ou quem deixam de ser. O papel dos pais é orientá-los a tomar as melhores decisões. Essa orientação será melhor recebida se estiver firmemente fundamentada no respeito à individualidade de seu filho.

Quando seu filho tiver amizades que você não gosta, vá com calma. Uma forte oposição pode colocá-los na defensiva e com isso você terá o oposto do que espera, especialmente se ele já é um adolescente. Os bons valores que você semeou na infância, mais cedo ou mais tarde, terão peso nas decisões de seus filhos.