Consequências da falta de cálcio no organismo

14 de setembro de 2020
Descubra as consequências da falta de cálcio no organismo. A manutenção de níveis adequados desse mineral pode reduzir o risco de desenvolver muitas patologias.

A falta de cálcio no organismo tem um impacto negativo na saúde. Este mineral é um dos mais abundantes no corpo humano e é necessário garantir a sua contribuição de forma regular e contínua através da alimentação para evitar transtornos nos processos fisiológicos.

Felizmente, muitos dos produtos comumente consumidos na dieta contêm cálcio. A manutenção de uma dieta variada garante a entrada do referido nutriente em quantidades suficientes, embora o fornecimento de vitamina D também deva ser garantido para assegurar a sua absorção.

Embora seja abundante na natureza, existem pessoas que sofrem de deficiência de cálcio, por isso vamos contar quais são as consequências e por que é importante controlar a sua ingestão. Isso é particularmente importante na menopausa.

A falta de cálcio leva à osteoporose

A osteoporose é uma doença característica das mulheres que entraram na menopausa. Essa etapa da vida da mulher provoca uma desmineralização progressiva dos ossos que aumenta o risco de fraturas, o que condiciona o modo de vida de quem a sofre.

Depois que a doença começa a progredir, é difícil voltar atrás, por isso a prevenção é essencial. Os medicamentos e tratamentos disponíveis tentam estancar os danos já causados, mas a reposição óssea é quase impossível.

A deficiência de cálcio na idade adulta é considerada um fator de risco porque aumenta as chances de sofrer de osteoporose. É o que afirma uma pesquisa publicada na revista Maturitas, a qual relaciona uma correta contribuição do mineral a uma redução na incidência da patologia.

Em qualquer caso, é fundamental controlar o consumo do nutriente para não se exceder. Um aumento exagerado na ingestão leva a pedras nos rins. Portanto, a dose diária não deve ser superior a 2.000 miligramas.

Além do consumo de cálcio, recomenda-se a exposição frequente ao sol ou, caso contrário, a suplementação com vitamina D. Este micronutriente participa da absorção do mineral e do metabolismo ósseo. A administração das duas substâncias em conjunto ajuda a reduzir o risco de fraturas na vida adulta, conforme atesta um estudo publicado na revista Osteroporosis International.

Osteoporose
A osteoporose é comum na menopausa. É nesta fase que a ingestão preventiva de cálcio se torna fundamental.

Leia também: Exercícios para prevenir e tratar a osteoporose

Falta de cálcio em atletas

O cálcio não é apenas um nutriente importante para indivíduos sedentários. Ele também desempenha um papel importante no corpo do atleta.

Além de garantir o equilíbrio eletrolítico, a manutenção de níveis adequados de cálcio no corpo pode reduzir o risco de cãibras musculares. Por outro lado, já foi especulado que a suplementação com esse mineral diminuiria a incidência de cãibras nas pernas também em mulheres grávidas.

No entanto, a pesquisa publicada no Journal of Research in Medicinal Sciences não encontrou uma associação clara. A suspeita decorre da intervenção que o cálcio tem no metabolismo celular, tanto nos neurônios quanto nos miócitos (células musculares).

O cálcio está envolvido na transmissão do impulso nervoso. Uma perda excessiva desse mineral no atleta, por meio da sudorese, condicionaria a contratilidade muscular e o desempenho esportivo. Por esse motivo, é importante garantir a manutenção do equilíbrio eletrolítico ao consumir bebidas ricas em sais minerais durante o exercício, principalmente em situações de altas temperaturas.

Espasmos ou fasciculações

Outro sintoma de falta de cálcio na dieta é o aparecimento de espasmos musculares ou fasciculações. Isso nada mais é do que um conjunto de contrações musculares visíveis sob a pele.

Elas aparecem de forma espontânea e involuntária. É um processo que não faz mal ao organismo e, caso você vivencie essa sensação, não haverá necessidade de se preocupar.

Entretanto, se o sintoma se repetir, e em determinadas circunstâncias, vale a pena consultar um médico. Nas mulheres grávidas ou em pessoas hipertensas, por exemplo, os espasmos escondem um grande problema subjacente que se refere à circulação sanguínea. Não é uma emergência, mas o profissional solicitará exames de sangue para estudar o problema.

A falta de cálcio pode causar cãibras
A falta de cálcio pode causar cãibras, especialmente em atletas.

Não deixe de ler: 7 hábitos que ajudam a prevenir a osteoporose

Previna a hipocalcemia

Para prevenir essas situações de deficiência é importante ajustar o cálcio na dieta. É uma estratégia eficaz incluir com frequência certos alimentos, como por exemplo, oleaginosas, vegetais de folhas verdes e laticínios.

É importante destacar a importância de manter níveis adequados de vitamina D para melhorar a assimilação do mineral. A adequada produção dessa substância envolve exposição frequente ao sol. Caso não seja possível, você deve garantir a ingestão regular de peixes oleosos, ovos e laticínios.

Em caso de suspeita de deficiência de vitamina D, é aconselhável ir a um especialista para avaliar a sua suplementação. A falta dessa vitamina pode levar a um aumento do risco de doenças a médio prazo.

A falta de cálcio e as complicações a longo prazo

Uma das principais complicações derivadas da deficiência de cálcio é a osteoporose. Apesar de as mulheres serem mais propensas a desenvolver essa patologia, ela também pode ser encontrada e diagnosticada em homens.

Para reduzir o risco, é importante garantir a ingestão alimentar correta por meio da alimentação, além de monitorar os níveis de vitamina D. O consumo de vegetais e laticínios é uma boa opção na prevenção da doença.

  • Cano A., Chedraui P., Goulis DG., Lopes P., et al., Calcium in the prevention of postmenopausal osteoporosis EMAS clinical guide. Maturitas, 2018. 107: 7-12.
  • Morente Martínez, Jordi. “Etiología de los calambres asociados a la práctica deportiva.” (2019).
  • Weaver CM., Alexander DD., Boushey CJ., Dawson Hughes B., et al., Calcium plus vitamin D supplementation and risk of fractures: an updated meta analysis from the national osteoporosis foundation. Osteoporos Int, 2016. 27 (1): 367-76.
  • Mansouri A., Mirghafourvand M., Charandabi Alizadeh SM., Najafi M., The effect of vitamin D and calcium plus vitamin D on leg cramps in pregnant women: a randomized controlled trial. J Res Med Sci, 2017.
  • Sánchez, Ariel, et al. “Tratamiento de la osteoporosis.” REVISTA ARGENTINA DE MEDICINA 7.3 (2019): 174-186.
  • Sánchez, Jorge Manuel Balestena, and Dorayma Machín Carballo. “Variaciones de los niveles de calcio y otros parámetros bioquímicos en la enfermedad hipertensiva gestacional grave.” Revista Cubana de Obstetricia y Ginecología 44.4 (2019).
  • Varsavsky, Mariela, et al. “Recomendaciones de vitamina D para la población general.” Endocrinología, Diabetes y Nutrición 64 (2017): 7-14.