5 consequências do excesso de ultraprocessados

Os ultraprocessados ​​contêm uma série de ingredientes que, em excesso, são prejudiciais para a saúde e o funcionamento de diversos órgãos do corpo humano.
5 consequências do excesso de ultraprocessados

Última atualização: 15 Abril, 2021

Nas últimas décadas, a indústria alimentícia entrou em nossas casas para facilitar nossas tarefas na hora das refeições. A falta de tempo e o fato de serem fáceis de preparar e saborosos são os principais motivos pelos quais recorremos a este tipo de alimento, mas quais são as consequências do excesso de ultraprocessados na nossa saúde?

É preciso ter em mente que uma alimentação saudável é caracterizada pela variedade e pela presença de alimentos frescos. O consumo frequente de produtos industrializados pode ter consequências negativas, como veremos a seguir.

Consequências do excesso de ultraprocessados

Podemos classificar os alimentos em:

  • Alimentos não processados ​​ou minimamente processados: frutas, vegetais, leite, carne, leguminosas, sementes, cereais, ovos.
  • Alimentos processados ​​que foram modificados para durar mais ou ter um gosto melhor, geralmente com sal, óleo, açúcar ou fermentação. Incluem: iogurtes, queijo, pão caseiro, frutas, vegetais e leguminosas enlatados, peixe defumado ou enlatado, cerveja e vinho.
  • Alimentos ultraprocessados que ​​passaram por processos industriais de forma sintética ou a partir de substâncias em outros alimentos. Muitas vezes têm longas listas de ingredientes no rótulo, incluindo conservantes, adoçantes e realçadores de cor e sabor. Este grupo inclui: carnes processadas, como salsichas e hambúrgueres, cereais matinais e barras de cereais, molhos, sopas instantâneas, refrigerantes açucarados, nuggets de frango, bolos, chocolate, sorvete, biscoitos, pão produzido em massa, muitos alimentos “prontos para aquecer”.

Como o consumo de alimentos ultraprocessados ​​afeta a saúde?

A maioria desses produtos apresenta em sua composição várias das seguintes características:

  • Alto teor calórico: geralmente são calorias vazias, ou seja, muitas calorias e pouca quantidade de nutrientes.
  • Gorduras hidrogenadas ou trans: são as gorduras que a indústria de alimentos gera, principalmente para tornar o produto mais barato e saboroso.
  • Açúcar: esses produtos costumam ter açúcar adicionado, que não só está presente em massas, mas também em molhos, carnes, etc. Este ingrediente tem se mostrado capaz de promover a obesidade e problemas metabólicos; portanto, seu consumo deve ser limitado.
  • Sal: o sal faz com que o produto dure mais tempo, além de deixá-lo mais palatável.
  • Farinhas e óleos refinados: farinhas e óleos refinados submetidos a um processo industrial, em que as vitaminas e minerais são extraídas.
  • Aditivos: como conservantes, adoçantes, intensificadores de sabor, etc. Alguns deles, como os adoçantes, são capazes de causar mudanças desfavoráveis ​​na composição da microbiota intestinal, de acordo com estudo publicado na Current Gastroenterology Reports.
Controle da obesidade

1. Sobrepeso e obesidade devido ao excesso de ultraprocessados

Um dos principais problemas de saúde causados ​​pelo consumo excessivo de ultraprocessados é o aumento da gordura corporal, que leva ao sobrepeso e à obesidade.

Segundo a OMS, nos últimos anos, o número de casos de obesidade e sobrepeso triplicou. Em 2016, 1,9 bilhão de adultos de 18 anos estavam com sobrepeso, dos quais 650 milhões eram obesos. Como se não bastasse, em 2016 havia 41 milhões de crianças em todo o mundo com obesidade ou sobrepeso.

Um estudo realizado pela Universidade de Navarra avaliou 8.451 universitários com peso normal, um grupo populacional que tende a abusar dos ultraprocessados. Durante o período do estudo, 1.939 alunos ficaram com sobrepeso ou obesos devido ao consumo excessivo de ultraprocessados.

2. Doença cardiovascular

O ganho de peso aumenta o risco de doenças cardiovasculares, como a hipertensão, aterosclerose, infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral.

Além disso, o consumo excessivo do sal presente nos alimentos ultraprocessados ​​aumenta a probabilidade de sofrer de doenças cardiovasculares. O mesmo acontece com o glutamato monossódico, aditivo que realça o sabor. De acordo com vários estudos, a ingestão excessiva dessa substância favorece o ganho de peso, o estresse oxidativo, os problemas de memória e a epilepsia.

3. Diabetes mellitus tipo 2

Se consumirmos alimentos ultraprocessados ​​regularmente, normalmente ricos em açúcares, podemos nos tornar diabéticos. O mecanismo se explica porque se ingerirmos, por exemplo, cerca de 200 gramas de açúcar por dia, a insulina é acionada e a glicose não consegue entrar nas células. Ocorre uma alteração a nível metabólico, que pode se traduzir em resistência à insulina.

4. Colesterol alto devido ao excesso de ultraprocessados

Outra consequência do excesso de ultraprocessados seria que nossos níveis de colesterol no sangue poderiam subir, e não apenas pelo consumo da gordura presente nesses tipos de produtos, como se acredita, mas também devido ao açúcar. Voltando à explicação anterior, a resistência à insulina implica que a célula não pode se abrir para ela; portanto, a glicose começa a se acumular nas artérias.

O resultado seriam níveis elevados de glicose no sangue, e como consequência a hipertensão, o aumento dos triglicerídeos, a diminuição do colesterol HDL e o aumento do LDL.

Embutidos
As salsichas são um exemplo claro de alimentos processados ​​e ultraprocessados ​​que afetam a saúde quando consumidos em excesso.

5. Câncer

O número de casos de câncer relacionados à alimentação é inversamente proporcional à redução do consumo de alimentos como frutas, verduras, leguminosas e oleaginosas. Quanto menos saudável for a alimentação, maior é a probabilidade de desenvolver um câncer.

Reduza o consumo de ultraprocessados

Podemos ver que todas essas doenças estão relacionadas entre si e que as suas principais causas estão associadas às consequências do consumo de ultraprocessados em excesso. Se adicionarmos um estilo de vida sedentário a tudo isso, a combinação se torna perigosa.

É importante nos informarmos sobre as características nutricionais dos alimentos, bem como modificar nossos estilos de vida pouco saudáveis. Os produtos ultraprocessados ​​vieram para ficar, e devemos aprender a selecioná-los e consumi-los com responsabilidade para não cair em excessos.

Pode interessar a você...
Por que os produtos de panificação industrial não são saudáveis?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Por que os produtos de panificação industrial não são saudáveis?

Os produtos de panificação industrial não são saudáveis porque podem causar problemas de saúde devido ao seu alto teor calórico



  • Ruanpeng D., Thongprayoon C., Cheungpasitporn W., Harindhanavudhi T., Sugar and artificially sweetened beverages linked to obesity: a systematic review and meta analysis. QJM, 2017. 110 (8): 513-520.
  • Pearlman M., Obert J., Casey L., The association between artificial sweeteners and obesity. Curr Gastroenterol Rep, 2017. 19 (12): 64.
  • Andrade C., Ultraprocessed food and cardiovascular risk: estimating the number needed to harm in an unfamiliar situation. Indian J Psychol Med, 2019. 41 (5): 501-502.