Consequências de exercitar demais os músculos

1 de março de 2019
Embora o exercício seja muito importante para a saúde do nosso corpo, o exercício excessivo dos músculos pode ser contraproducente, e resultar em problemas no caso de não descansarem o tempo suficiente.

Quando incorporamos atividade física a nossa rotina, vemos ótimos resultados em nosso estado físico, mental e emocional. No entanto, exercitar demais os músculos, pode ser prejudicial à nossa saúde. Aqui nós dizemos o que acontece quando você exercita seus músculos demais.

As taxas necessárias e os tipos de exercícios sempre variarão de acordo com as circunstâncias e habilidades de cada pessoa, seja sua idade, estilo de vida ou doença. A esse respeito, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que adultos (de 18 anos de idade ou mais) pratiquem pelo menos 150 minutos de atividade física aeróbica por semana, de intensidade moderada. Caso contrário, podem realizar 75 minutos de vigor elevado à cada semana, para fortalecer os grandes grupos musculares.

O que acontece quando você exercita seus músculos demais?

Dor muscular ocorre ao exercitar demais os músculos

Os músculos são um tecido macio e contrátil que permite o movimento, a estabilidade, e a estrutura dos ossos e articulações do corpo. Além disso, eles têm diferentes formas e tamanhos, que representam praticamente a metade do nosso peso.

Depois de exercitar demais os músculos, no nosso corpo surge a chamada dor muscular retardada (DOMS, por sua sigla em inglês). Gerada por contrações musculares excêntricas. Frequentemente ocorre em pessoas que não têm treinamento prévio, ou em atletas habituados quando aumentam e intensificam consideravelmente os exercícios.

Descubra: O componente “secreto” da melancia que nos ajuda a ter músculos mais fortes

Por que essa dor muscular acontece?

Contrações excêntricas são produzidas quando o músculo se estreita, ao mesmo tempo que se alonga. Um exemplo claro disso é o que acontece quando uma pessoa está acostumada a correr, mas sobe um morro trotando. No dia seguinte terá dores musculares, porque seu corpo está acostumado a se exercitar em uma superfície plana.

Essas dores são causadas por microfraturas musculares. Elas aparecem quando uma resistência maior do que a habitual é colocada no músculo, ao alongá-los ou contraí-los excessivamente quando nos exercitamos. Ao exercitar demais os músculos pode causar lesões, como rupturas e até entorses. Por essa razão é necessário que você alcance uma harmonia entre a intensidade de seus exercícios, e garanta que estes sejam seguros para sua integridade física.

Recomendações para evitar dores musculares

1. Não ignore a dor

Diminua a intensidade de seus treinos. Só assim você conseguirá que o músculo comece a se curar, e não fique exposto à outras lesões.

  • Se você não reduzir a intensidade, os ligamentos e articulações não irão descansar conforme precisam. Desta forma, aumentará o risco de sofrer fissuras ou lesões.

2. Alivie a dor e descanse

Tome um banho com água quente ou desfrute de uma sauna que ajude a aliviar dores nos músculos e a relaxá-los. Além disso, o calor liberado pela água elimina toxinas, e libera endorfinas.

  • Também não esqueça os intervalos: é essencial que os músculos afetados possam se recuperar rapidamente.

3. Frio e quente

Primeiramente, antes de iniciar a atividade física, coloque uma compressa fria no local onde você sente dores musculares. Depois, quando você terminar sua rotina, coloque uma quente, que irá ajudá-lo a relaxar a área em questão.

Além disso, você também pode usar géis ou cremes com ingredientes calmantes, que serão muito úteis para este tipo de desconforto.

Não perca: Como preparar uma bebida anti-inflamatória de açafrão e leite de amêndoas

4. Rotina de aquecimento

Para tentar evitar tais dores musculares, faça uma rotina de aquecimento antes de iniciar suas rotinas de exercícios. Além disso, quando terminar, se alongue para relaxar os músculos.

Quando for praticar uma rotina de exercícios, aumente gradualmente a intensidade. É essencial que você treine com frequência.

Com esta metodologia, haverá poucas ocasiões em que você sofra de dores musculares. É muito importante dar ao corpo o tempo necessário para se adaptar a maiores demandas.

Pessoas que passam por treinamento físico constante têm menor probabilidade de sofrer de doenças não transmissíveis (DNT), que respondem por 70% das mortes que ocorrem em todo o mundo. Entre estas encontramos:

  • Câncer
  • Diabetes
  • Osteoporose
  • Doença de Alzheimer
  • Insuficiência renal crônica
  • Doenças cardiovasculares
  • Derrames cerebrais, entre outros.

Tome cuidado

Itens para se exercitar

Sem dúvida, se você quiser ter uma melhor qualidade física, emocional, e mental, tenha sempre em mente que é essencial que queira, cuide, e respeite o seu corpo. Tudo da maneira mais saudável e segura possível.

Assim, não exija do seu corpo mais do que ele pode dar. Tudo em excesso faz mal, então tente não exercitar demais seus músculos. Estabeleça um programa de treinamento variado e completo. Este deve durar pelo menos 30 minutos por dia, e adaptar-se à sua condição física.

Logo, desta forma você conseguirá aumentar gradualmente a intensidade de seus exercícios. Assim, alcançará o objetivo corporal que você definir. Além disso, conseguirá com que a força, tonificação, oxigenação, flexibilidade e volume de seus músculos aumentem, assim como a resistência de seus ligamentos e tendões.

Em conclusão, exercitar seu corpo não só melhora sua aparência em geral, mas também beneficia sua postura corporal. Isso lhe dará mais energia para desenvolver e realizar cada uma de suas atividades.

 

Artykuł na podstawie:

  • Donatelli R. (2011). Przeciążenia oraz uszkodzenia mięśni. [w:] Rehabilitacja w sporcie.
  • Mosteiro-Muñoz, F., & Domínguez, R. (2017). Efectos del entrenamiento con sobrecargas isoinerciales sobre la función muscular. Revista Internacional de Medicina y Ciencias de la Actividad Fisica y del Deporte.
  • Muñoz Ch., Sara. (2002). LESIONES MUSCULARES DEPORTIVAS: DIAGNOSTICO POR IMAGENES. Revista chilena de radiología8(3), 127-132. [online:] https://dx.doi.org/10.4067/S0717-93082002000300006
  • Verdugo P., Marco Antonio. (2004). CLASIFICACION ULTRASONOGRAFICA DE LOS DESGARROS MUSCULARES. Revista chilena de radiología10(2), 53-57. [online:] https://dx.doi.org/10.4067/S0717-93082004000200004